Câncer de língua: descobertas para fins de diagnóstico precoce

Novas descobertas por uma equipe de pesquisa americana referente a certas bactérias e fungos podem abrir caminho para o desenvolvimento de um teste de precaução para os pacientes que carregam um alto risco para carcinoma de células escamosas da língua, também conhecido como câncer de língua. Os cientistas têm como objetivo fornecer novas ferramentas para diagnóstico precoce e tratamento antes do início da dor ou sintomas físicos, como lesões, presentes. Uma das razões para um mau prognóstico para os pacientes é a detecção tardia.

Em um novo estudo, pesquisadores da Case Western Reserve University School of Medicine, Cleveland Clinic e University Hospitals Cleveland Medical Center descobriram que a diversidade bacteriana e riqueza bacteriana e fúngica são significativamente reduzidas no tecido tumoral em comparação com tecido não tumoral congênere. Isto levanta a possibilidade de que bactérias e fungos, em quantidade suficiente e, possivelmente formas interativas, podem desempenhar um papel no desenvolvimento do câncer de língua. Pesquisas anteriores mostraram que as bactérias podem estimular o câncer colorretal e gástrico e que interação fungo-bacteriana pode contribuir para, ou exacerbar, Doença de Crohn.

“Nossos achados significam que pode ser possível realizar testes de precaução em pacientes de alto risco para câncer oral de língua”, disse o coautor sênior, Mahmoud A. Ghannoum, professor do Department of Dermatology da Case Western Reserve School of Medicine e University Hospitals Cleveland Medical Center. “Se os padrões que encontramos estão presentes em pessoas que ainda não estão mostrando sinais de lesões, podemos iniciar o tratamento precocemente, oferecendo a possibilidade de melhores resultados para os pacientes.”

Maus hábitos de saúde tem tudo a ver

Câncer de língua, que surge nos dois terços anteriores da língua, tem aumentado rapidamente e agora é a segunda neoplasia maligna mais comum na cavidade oral. Enquanto o papilomavírus humano (HPV) causa cerca de noventa por cento de tumores de base-de-língua, o HPV é raramente encontrado (apenas 2,3%), em casos de câncer de língua. As causas do câncer de língua não são claras, no entanto, mutações genéticas, provavelmente desempenham um papel importante, enquanto que o hábito de fumar e a mastigação de tabaco, de álcool e má higiene dental também estão ligados ao desenvolvimento deste tipo de câncer.

“Pobre higiene oral tem sido associada com o câncer oral, sugerindo que o bacterioma oral (comunidade bacteriana) e microbioma (comunidade fúngica) poderia desempenhar um papel”, disse o coautor sênior Dr. Charis Eng, professor e vice-presidente do Department of Genetics and Genome Sciences na Case Western Reserve School of Medicine e Hardis Endowed Chair of the Genomic Medicine Institute na Cleveland Clinic.

Enquanto o bacterioma está sendo cada vez mais reconhecido em desempenhar um papel ativo na saúde, o papel do microbioma não foi minuciosamente estudado e nunca antes, no caso de câncer de língua. No novo estudo, os pesquisadores extraíram DNA do tecido de 39 tumores emparelhados e tecidos normais adjacentes de pacientes com câncer de língua. A análise mostrou que Firmicutes foi o filo bacteriano mais abundante e foi significativamente mais abundante no tecido tumoral em comparação com tecido não tumoral – 48% e 40%, respectivamente. No total, a abundância de 22 bacterianas e 7 gêneros fúngicos (tipos) foi significativamente diferente entre o tumor e o tecido normal adjacente, incluindo Streptococcus, que foi significativamente maior no grupo de tumores (34 por cento contra 22 por cento em tecido normal).

Bactérias e fungos: uma parceria pró-câncer

“Estudos estão começando a surgir, demonstrando as interações entre bactérias e fungos na formação da doença”, disse Ghannoum. “Assim, são necessárias pesquisas adicionais, com o objetivo de compreender como estas duas comunidades influenciam ou são influenciadas em configurações de doenças como o câncer oral de língua.”

O estudo, intitulado “Bacterioma e microbioma associações em câncer oral de língua “, foi publicado em 19 de outubro de 2017, no Oncotarget Journal.

Dentalis Software – colabora com o apoio à saúde de seus pacientes

Deixe uma resposta