álcool

Consumo de álcool pode alterar equilíbrio da flora bacteriana bucal

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade New York identificaram que o consumo de álcool afeta o microbioma oral.
Nesse estudo descobriram que homens e mulheres que beberam uma ou mais bebidas alcoólicas por dia tinham uma superabundância de bactérias bucais associadas com doença periodontal, alguns tipos de câncer e doenças do coração.
“Nosso estudo oferece evidências claras de que beber é ruim para manter um equilíbrio saudável de micróbios na boca e poderia ajudar a explicar por que beber, gostar de fumar, leva a mudanças bacterianas ligadas ao câncer e doença crônica”, disse a pesquisadora sênior do estudo, Dra. Jiyoung Ahn, diretora associada de Ciências da População no Centro de Câncer Perlmutter da NYU Langone Health.

De acordo com Ahn, estima-se que cerca de 10 por cento dos adultos são bebedores inveterados, o que os especialistas definem como o consumo de uma ou mais bebidas por dia para as mulheres e dois ou mais drinques por dia para homens. A pesquisador acredita que o estudo da sua equipe oferece evidências de que o reequilíbrio de alguns dos 700 tipos de bactérias da cavidade bucal poderiam reverter ou prevenir alguns problemas de saúde ligados ao consumo de bebidas.

Dos numerosos estudos sobre o álcool e seus efeitos, esta é a primeira pesquisa de seu tipo que compara os níveis de consumo e seus efeitos sobre todas as bactérias bucais, de acordo com os autores do estudo.

Metodologia do estudo

O estudo envolveu 1.044 participantes na sua maioria brancos entre as idades de 55 e 87 anos inscritos em um ou dois ensaios nacionais de câncer, e que eram saudáveis no momento da adesão. Utilizando amostras de lavagem oral de seu microbioma oral, juntamente com informações detalhadas sobre o seu consumo de álcool, testes laboratoriais foram usados para classificar e quantificar as bactérias bucais entre os 270 não bebedores, os 614 não bebedores moderados e 160 bebedores inveterados. Os resultados foram plotados em gráficos para determinar a abundância de gêneros de bactérias em comparação com os bebedores e os não bebedores.

Segundo os pesquisadores, uma possível explicação para o microbioma dos bebedores relacionados com os desequilíbrios, pode ser que ácidos em bebidas alcoólicas tornam o ambiente bucal hostil para algumas bactérias. Outra razão pode ser o acúmulo de subprodutos nocivos a partir da quebra de álcool, incluindo produtos químicos chamados acetaldeídos, que juntamente com toxinas nocivas de fumo de tabaco na boca, são produzidas por bactérias, tais como Neisseria.

Quanto aos resultados, Ahn disse que, embora o seu estudo fosse grande o suficiente para capturar as diferenças em bactérias entre bebedores e não bebedores, mais participantes seriam necessários para avaliar qualquer diferença de microbioma entre aqueles que consumiram apenas vinho, cerveja ou licor. O próximo passo da equipe é estabelecer os mecanismos biológicos dos efeitos do álcool sobre o microbioma oral.

O estudo, intitulado “Beber álcool está associado com variação do microbioma oral humano em um amplo estudo de adultos americanos”, foi publicado em 24 de abril de 2018, em Microbiome.

Posted by Victor in Estudos, 0 comments