riscos

Um perigo associado ao adoçante sucralose

O consumo de adoçantes com baixas calorias pode causar síndrome metabólica e predispor as pessoas a pré-diabetes ou ao diabetes, particularmente em indivíduos com obesidade.

Quem garante é o professor Sabyasachi Sen, da Universidade George Washington (EUA), cuja equipe descobriu isso em experimentos de laboratório usando células-tronco derivadas da gordura humana e de amostras de gordura humana.

Síndrome metabólica

A síndrome metabólica é um grupo de fatores de risco – pressão arterial alta, alto nível de açúcar no sangue, níveis de colesterol não saudáveis e gordura abdominal – que duplica o risco de doenças do coração e dos vasos sanguíneos (doenças cardiovasculares), podendo levar a ataques cardíacos e derrames. Esses fatores de risco também aumentam o risco de diabetes de três a cinco vezes.

“Nossos experimentos com células-tronco indicam que os adoçantes de baixas calorias promovem o acúmulo adicional de gordura nas células em comparação com células não expostas a essas substâncias, de forma dependente da dose – o que significa que, à medida que a dose de sucralose aumenta, mais células apresentam aumento na acumulação de gotículas de gordura. Isso provavelmente ocorre pelo aumento da entrada de glicose nas células pelo aumento da atividade de genes chamados transportadores de glicose,” detalhou Shen.

Sucralose

Além das células-tronco, os pesquisadores estudaram amostras de gordura humana coletadas de indivíduos com obesidade que consomem adoçantes à base de sucralose. Eles constataram mudanças similares na expressão gênica dos mesmos genes transportadores de glicose que as verificadas nas células-tronco.

A equipe destaca que estes resultados são da maior preocupação para pessoas que têm obesidade e pré-diabetes ou diabetes, uma vez que elas já estão com um risco mais elevado de ataques cardíacos e AVC.

“Acreditamos que o efeito seja mais pronunciado em pessoas com excesso de peso e obesidade, em vez das pessoas de peso normal, porque elas têm mais resistência à insulina e podem ter mais glicose no sangue,” disse Shen.

Os resultados da pesquisa foram divulgados durante a reunião anual da Sociedade de Endocrinologia dos EUA. O próximo passo consistirá na confirmação dos efeitos in vivo – em animais de laboratório.

Posted by Victor in Estudos, 0 comments
Perda de dentes em pessoas de meia-idade é relacionada a problemas graves

Perda de dentes em pessoas de meia-idade é relacionada a problemas graves

A perda de dentes em pessoas de meia-idade pode estar relacionada com um maior risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, de acordo com um estudo recentemente publicado. Os resultados preliminares do estudo, realizado por várias universidades norte-americanas, mostram ainda que esta relação é independente de fatores como uma má dieta, diabetes e pressão arterial elevada.

Lu Qi, um dos autores principais deste estudo, ressalta que “somada a outras associações já estabelecidas entre a saúde bucal e as doenças cardíacas, os nossos resultados sugerem que os adultos de meia-idade que tenham perdido dois ou mais dentes num passado recente podem ter maior risco de vir a desenvolver doenças cardiovasculares”.

Milhões de mortes a cada ano

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte em todo o mundo. Em 2015 foram responsáveis por 17,7 milhões de mortes, 6,7 milhões das quais devido a AVC.

O estudo ainda não foi revisto por pares nem publicado, mas o abstract e os resultados preliminares podem ser consultados aqui.

Dentalis software – em sintonia com as novas tendências em odontologia do século 21

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Bebidas açucaradas são bem piores do que se poderia imaginar

Você evita comer doces, mas adora tomar refrigerantes e sucos de caixinha? Saiba que essa não é uma boa troca. E isso vale tanto para seus objetivos na balança quanto para sua saúde, e não apenas a saúde dental. Segundo um estudo recente da Universidade Emory, nos Estados Unidos, essas bebidas ameaçam o coração.

O objetivo dos estudiosos era investigar se o açúcar presente em doces e bebidas aumenta a probabilidade de morte por doenças cardíacas ou outras causas e, em caso positivo, se há diferenças entre consumi-lo via líquidos ou alimentos sólidos. Para isso, eles acompanharam, por seis anos, 17.930 homens e mulheres adultos com mais de 45 anos de idade, nenhum com histórico de problema cardiovascular, diabetes tipo 2 ou derrame.

A partir de questionários, os cientistas estimaram a frequência com que os participantes comiam itens lotados de açúcar. As mortes que aconteceram nesse período também tiveram suas causas investigadas.

Resultados

Os resultados mostraram que existe, sim, uma associação entre exagerar nas bebidas adoçadas e maior risco de morrer do coração. Aqueles que tomavam mais de 700 ml de sucos industrializados ou refrigerantes por dia eram duas vezes mais propensos a falecer por infarto, por exemplo, em comparação a quem ingeria menos de 30 ml. A probabilidade de perder a vida por outros motivos também se mostrou maior.

Essas ligações se mantiveram mesmo após excluir fatores como histórico de tabagismo, sedentarismo e herança familiar. E os estudiosos não notaram o mesmo elo em relação a doces – o problema parecem ser os líquidos mesmo. Os autores do artigo especulam que a diferença esteja na forma como alimentos e bebidas são processados no organismo.

É que, ao tomar uma lata de refrigerante, uma quantidade maior de açúcar é ingerida sem o auxílio de nutrientes que desaceleram a absorção do ingrediente doce. Quando esse consumo acontece via alimentos sólidos, também são digeridas gorduras e proteínas, que ajudam a deixar o metabolismo mais lento.

Nosso dever: orientar e alertar as pessoas

Segundo Jean Welsh, autor do estudo, esses achados devem servir de incentivo para que profissionais de saúde conversem mais com seus pacientes sobre a importância de não extrapolar nas bebidas açucaradas. E o mesmo vale para você: de nada adianta fugir daquele brigadeiro delicioso e mandar goela abaixo, sem pensar, uma latinha de refrigerante.​

Dentalis software – a escolha certa em software para odontologia

 

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Cigarro eletrônico esconde um grande perigo

A fumaça de cigarro eletrônico (ECS) fornece nicotina através de aerossóis sem queimar tabaco e é promovida como não carcinogênica, ganhando popularidade significativa.

Pesquisadores da faculdade de medicina da Universidade de Nova York publicaram na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America (PNAS)” que a ECS induz o dano do DNA no pulmão, bexiga e coração de cobaias de laboratório e reduz as funções das proteínas de reparação das células nesses órgãos.

Fumaça cancerígena

A nicotina e o seu derivado cancerígeno, a nitrosamina cetona derivada da nicotina, podem induzir os mesmos efeitos e aumentar a susceptibilidade mutacional e a transformação tumorigênica de células epiteliais e uroteliais brônquicas humanas cultivadas. Estes resultados indicam que a nitrosação de nicotina ocorre in vivo em camundongos e que a fumaça do cigarro eletrônico é cancerígena para o pulmão e a bexiga do murino (roedor) e prejudicial ao coração murino.

Risco aumentado de câncer

Portanto, é possível que o fumo do cigarro eletrônico possa contribuir para o câncer de pulmão e bexiga, bem como para doenças cardíacas em seres humanos. Porém, são necessários mais estudos para fundamentar essa hipótese.​

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Consumo exagerado de açúcares por crianças e a importância do dentista na orientação

Cerca de metade dos açúcares consumidos pelas crianças vem de lanches pouco saudáveis e bebidas açucaradas, revelou recentemente a Public Health England. De acordo com a publicação Dentistry.co.uk, a entidade pretende, por isso, reforçar as medidas que encorajem os pais a limitar o acesso das crianças aos lanches pouco saudáveis.

Nesse âmbito será iniciada uma campanha intitulada Change4life, que pretende encorajar os pais a limitarem o consumo de alimentos por parte dos seus filhos a lanches com apenas 100 calorias duas vezes por dia.

Sandra White, responsável pela saúde bucal pública no Reino Unido, informa que esta campanha tem como objetivo fazer com que seja mais fácil para os pais “reduzir o consumo de açúcares por parte dos seus filhos”, ao mesmo tempo que ajuda os profissionais de odontologia a apoiarem as famílias, sugerindo-lhes escolhas mais saudáveis.

Consumo exagerado de açúcares

De acordo com os dados apresentados pela Public Health England, em média, as crianças britânicas consomem pelo menos três lanches e bebidas açucaradas por dia, com um terço a consumir quatro ou mais.

Os números revelam ainda que, por ano, cada criança britânica consome cerca de 400 bolachas, mais de 120 bolos, cerca de 100 porções de doces, cerca de 70 barras de chocolate e 70 gelados e mais de 150 sumos ou bebidas açucaradas.

Dentalis Software – colabora com o seu sorriso e de seus pacientes

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Paracetamol durante gestação pode reduzir fertilidade das filhas

Tomar paracetamol durante a gravidez pode comprometer a fertilidade futura das filhas, de acordo com uma revisão das pesquisas científicas já feitas sobre o assunto.

Curiosamente, outra pesquisa recente demonstrou que o paracetamol durante a gravidez pode inibir a masculinidade dos filhos.

O paracetamol, ou acetaminofeno, é um analgésico vendido sem receita médica e comumente usado por mulheres grávidas em todo o mundo.

A equipe do Dr. David Kristensen, do Hospital Universitário de Copenhague (Dinamarca), revisou os resultados de estudos científicos que avaliaram os efeitos do paracetamol tomado durante a gravidez no desenvolvimento do sistema reprodutivo também da prole feminina.

“Embora não seja um dano grave para a fertilidade, ainda é uma preocupação real, já que dados de três laboratórios diferentes descobriram de forma independente que o paracetamol pode prejudicar o desenvolvimento reprodutivo feminino dessa maneira, o que indica que uma investigação adicional é necessária para estabelecer como isso afeta a fertilidade humana,” comentou o Dr. Kristensen.

Tratamentos sem prejuízos para os filhos

Todos os estudos revisados foram feitos em roedores porque estabelecer uma ligação entre o paracetamol tomado pelas mães humanas durante a gravidez e problemas de fertilidade muito mais tarde na vida adulta será difícil e exigirá acompanhamentos por décadas.

Por isso, o Dr. Kristensen recomenda que seja adotada uma abordagem interdisciplinar para lidar com esse problema, “combinando dados epidemiológicos de estudos humanos com mais pesquisas experimentais em modelos, como roedores, pode ser possível estabelecer este link e determinar como isso acontece, de forma que as mulheres grávidas com dores possam ser tratadas com sucesso, sem risco para seus filhos ainda não nascidos.”

A revisão foi publicada na revista médica Endocrine Connections.

Dentalis Software – a sua melhor escolha em software para odontologia

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Óleo de Canola: riscos para a saúde do cérebro

A canola foi desenvolvida por melhoramento genético convencional a partir da colza no início da década de 1970, na Universidade de Manitoba, no Canadá.

O óleo de canola é um dos óleos vegetais mais consumidos no mundo, e vários de seus efeitos sobre a saúde têm sido documentados, incluindo benefícios metabólicos e a queima de gordura localizada.

Contudo, ele não parece fazer tão bem ao cérebro

Um estudo inédito associou o consumo do óleo de canola com uma piora da memória e da capacidade de aprendizagem e o ganho de peso em camundongos geneticamente modificados para funcionar como modelo da doença de Alzheimer.

O estudo é o primeiro a sugerir que o óleo de canola é mais prejudicial do que saudável para o cérebro – isto significa que novos experimentos precisarão ser feitos para confirmar os resultados, que acabam de ser publicados na revista Nature Scientific Reports.

“O óleo de canola é atraente porque é mais barato do que outros óleos vegetais, e é anunciado como sendo saudável. Muito poucos estudos, no entanto, examinaram essa afirmação, especialmente em termos do cérebro,” afirmam Domenico Praticò e Elisabetta Lauretti, da Universidade Temple (EUA).

Placas de proteínas

Devido à falta de estudos, e curiosos sobre como o óleo de canola afeta a função cerebral, os pesquisadores concentraram seu trabalho na deficiência de memória e na formação de placas amiloides e dos emaranhados neurofibrilares das proteínas tau. As placas de amiloide e o tau fosforilado contribuem para a disfunção e a degeneração neuronal e para a perda de memória no Alzheimer.

O modelo animal foi projetado para recapitular a doença de Alzheimer em seres humanos, progredindo de uma fase assintomática no início da vida para uma doença completa nos animais idosos. Os drs. Praticò e Lauretti já haviam usado o mesmo modelo para pesquisar os efeitos do azeite de oliva sobre o Alzheimer, constatando que os camundongos com uma dieta enriquecida com azeite extra virgem apresentam níveis reduzidos de placas de amiloide e tau fosforilado e melhorias na memória.

Mas os resultados foram diametralmente opostos no caso do óleo de canola.

Amiloides beta 1-40 e 1-42

O exame do tecido cerebral dos animais revelou que aqueles tratados com óleo de canola tinham níveis muito reduzidos de amiloide beta 1-40 – a amiloide beta 1-40 é a forma mais solúvel das proteínas beta-amiloides. Em geral, ela é considerada benéfica no cérebro, atuando como um amortecedor para a forma prejudicial mais insolúvel, a amiloide beta 1-42.

Devido à diminuição da amiloide beta 1-40, os animais apresentaram ainda maior formação de placas de amiloide no cérebro, com neurônios envoltos em amiloide beta 1-42. O dano foi acompanhado por uma diminuição significativa no número de contatos entre os neurônios, indicando extensas lesões das sinapses – as sinapses, as áreas onde os neurônios entram em contato uns com os outros, desempenham um papel central na formação e na recuperação da memória.

“A amiloide beta 1-40 neutraliza as ações do amiloide 1-42, o que significa que uma diminuição da 1-40, como a observada em nosso estudo, deixa a 1-42 sem controle,” explicou o Dr. Praticò. “Em nosso modelo, essa alteração na proporção resultou em danos neuronais consideráveis, na diminuição dos contatos neurais e no comprometimento da memória”.

Os pesquisadores adiantam que o próximo passo será realizar um estudo de menor duração para determinar a extensão mínima de exposição necessária ao óleo de canola para produzir as mudanças observadas.

Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

O que pode levar à fratura de um implante?

Um grupo de pesquisadores realizou um estudo para analisar quais fatores podem levar à fratura de um implante dentário.

A pesquisa foi realizada numa amostragem de 2670 pacientes e foram avaliadas a prevalência de fraturas de implantes dentários e os fatores que podem fazer com que um paciente tenha maior predisposição para esse tipo de ocorrência.

De acordo com o estudo, de um total de 10.099 implantes dentários examinados 44 apresentaram fraturas, representando uma taxa de insucesso de 0,44%. Metade destas fraturas ocorreu entre dois e oito anos após a sua colocação.

Além disso, os cientistas conseguiram descobrir que existem vários fatores que aumentam ou diminuem o risco de fratura dos implantes dentários.

Fatores de Risco

  • A utilização de maiores percentagens de titânio na composição do implante diminui a probabilidade de fratura em cerca de 72,9%;
  • O bruxismo aumenta a probabilidade de fratura em cerca de 1819,5%;
  • Cada 1 mm a mais no comprimento do diâmetro aumenta a probabilidade de fratura em 22,3%;
  • Cada 1 mm a mais no diâmetro do implante diminui a probabilidade de fratura em 96,9%.

Conheça este estudo em detalhe aqui.

Posted by Victor in Estudos, 2 comments

Denúncia contra a indústria do açúcar: algo preocupante é revelado

Ao que parece nos últimos 50 anos a indústria do açúcar tem tentado esconder os efeitos negativos que o açúcar pode realmente ter sobre a saúde humana. É o que revela um estudo recentemente publicado na revista científica PLOS Biology, que mostra que nesse período a indústria fez vários estudos com animais que provam os efeitos negativos da sacarose na saúde, e que acabaram não sendo divulgados.

A denúncia é feita por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que depois de uma revisão de vários documentos daquele setor descobriu que a Sugar Research Foundation financiou vários estudos com animais para avaliar os efeitos do açúcar sobre a saúde, estudos esses que foram cancelados por indícios de que a sacarose poderia estar relacionada com o câncer de bexiga.

Relação açúcar e câncer de bexiga

A análise feita pelos pesquisadores da universidade norte-americana revela também que a Sugar Research Foundation, que em 1968 mudou o seu nome para International Sugar Research Foundation, financiou também um estudo com ratos de laboratório para comparar os efeitos nutricionais do consumo de açúcar com os efeitos do consumo amido/glicose. Este estudo assinalou os efeitos cardiovasculares do açúcar e revelou alguns indícios de um aumento do risco de câncer de bexiga.

Stanton Glantz, um dos autores do estudo, informa que “esta análise sugere que a indústria sabia da pesquisa com animais e que interrompeu o seu financiamento para proteger os seus interesses comerciais”.

Posted by Victor in Estudos, 0 comments
Implantes dentários: quais perigos podem esconder? Este é novidade…

Implantes dentários: quais perigos podem esconder? Este é novidade…

Afinal pode existir um responsável ‘oculto’ pelos casos de osseointegração incompleta nos implantes dentários e de perda óssea. A presença de resíduos em embalagens de implantes dentários que deveriam estar estéreis pode estar por trás de alguns casos de insucesso nos implantes dentários.

Com recurso a três análises consecutivas por via de SEM (microscopia eletrônica de varredura), um grupo de pesquisadores analisou mais de 200 embalagens de implantes dentários desde 2007. A comparação entre os dados mais antigos e aqueles mais recentes revelaram que nos últimos anos houve um crescimento no número de embalagens de implantes dentários estéreis que possuíam na verdade alguns contaminantes. E se isso acontece, como é que se pode garantir que os implantes dentários, e o paciente, não são afetados por estas impurezas?

Esta questão foi colocada em março deste ano durante o International Dental Show (IDS), que decorreu na Alemanha, onde se apresentou a CleanImplant Foundation, uma organização cujo objetivo é criar um critério de avaliação para implantes dentários limpos – o Trusted Quality Mark.

Cinco passos

Através de uma abordagem com cinco passos, esta organização quer atribuir uma certificação que garanta que os implantes dentários são limpos e livres de resíduos, uma meta que, de acordo com a organização sem fins lucrativos, é tecnicamente possível.

Mais detalhes sobre esta iniciativa podem ser obtidos aqui.

Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments