Inteligência artificial prediz as chances de cura do câncer de boca

Inteligência artificial prediz as chances de cura do câncer de boca

inteligência artificial e o câncer de boca

Até recentemente inteligência artificial e o câncer de boca não guardavam relação entre si.

Os cientistas envolvidos nesta pesquisa nos mostram que a inteligência artificial e o câncer de boca pode ter uma relevância enorme.

Agora as chances de sobreviver ao câncer de boca podem ser previstas por algoritmos de inteligência artificial de última geração. Essa é a grande novidade.

Algoritmos que alimentam essa inteligência artificial realizam cálculos precisos.

Mas que tipo de cálculo?

Eles calculam com alta precisão a abundância de células imunes no meio das células tumorais. Esse dado é fundamental na compreensão da propagação e resistência do câncer.

Estatística preocupante

Em 2014, ocorreram mais de 11.000 casos de câncer de cabeça e pescoço no Reino Unido.

Desse total resultaram 2.300 motivados por câncer de boca. O crescimento global dos casos de câncer de boca é preocupante.

O câncer de boca é mais prevalente no sul da Ásia, particularmente Índia, Paquistão e Sri Lanka. Principalmente devido à mastigação de tabaco, consumo uma planta chamada noz de bétele e infecções virais, como o HPV.

As chances de sobrevivência a esses tipos de câncer podem ser obtidas graças à pesquisa em um estudo do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Warwick.

No artigo “A Novel Digital Score for Abundance of Tumour Infiltrating Lymphocytes Predicts Disease Free Survival in Oral Squamous Cell Carcinoma“, publicado recentemente na revista Nature Scientific Reports.

Inteligência artificial e o câncer de boca – a partir de imagens detalhadas

Os pesquisadores conseguiram desenvolver uma pontuação digital que pudesse medir os linfócitos infiltrantes do tumor. Quanto mais linfócitos infiltrantes desse tipo apresentarem, maior a chance de sobrevivência e maior sobrevida livre do câncer de boca.

O trabalho foi desenvolvido com base na análise de imagens de pacientes Centro de Pesquisa do Hospital Memorial do Câncer Shaukat Khanum, no Paquistão.
São pacientes que já haviam sido tratados por radioterapia e cirurgia de cabeça e pescoço.

As amostras de tecido cancerígeno foram enviadas ao University Hospital Coventry e Warwickshire, no Reino Unido.
Nesta Universidade, utilizando equipamentos de última geração, os pesquisadores foram capazes de produzir digitalmente imagens de alta resolução das amostras em escala microscópica.

Relação de causa e efeito

A presença de linfócitos nas proximidades das células tumorais não apenas ajuda a determinar o estágio do câncer. Ela também pode ser usada para prever com precisão a progressão do carcinoma.

Quanto maior o número de linfócitos invasivos presentes nas varreduras maior a imunidade do paciente. E também da resposta do câncer ao tratamento.
A densidade e o arranjo espacial dos linfócitos invasivos tem relação com as chances de sobrevida global e sobrevida livre da doença.

Um dos pesquisadores fez uma afirmação importante. “Nós estamos apenas começando a desvendar o notável potencial de riqueza de informações presentes nos dados de imagem de tecidos atingidos.

Este estudo piloto mostra que, com a ajuda de algoritmos modernos de análise de imagens de câncer, podemos calcular com precisão a taxa de abundância de linfócitos invasivos nos cânceres de boca de maneira objetiva. A partir desses dados também estabelecer as estimativas de risco em termos de sobrevida livre da doença. Ou seja, a inteligência artificial e o câncer de boca são destaque e a grande novidade dessa pesquisa.

Outro cientista afirma: “este é um desenvolvimento muito emocionante. Não é apenas um dos primeiros parâmetros objetivos baseados em inteligência artificial a serem validados no câncer de boca. Além disso, parecem ter um forte poder prognóstico. Pensando mais além, isso pode levar à estratificação dos pacientes para diferentes modalidades de tratamento.”

Palavras do Diretor do Centro Médico onde a pesquisa foi realizada

O Dr Asif Loya, Diretor Médico do Shaukat Khanum Memorial Cancer Hospital com entusiasmo faz uma declaração.

“Com quase 13.000 novos casos a cada ano, os cânceres orais têm as maiores taxas de incidência entre os cânceres no Paquistão.

Representam a segunda maior taxa de mortalidade e uma sobrevida de apenas cinco anos.

No entanto, pouco se sabe sobre as assinaturas histológicas correspondentes aos subgrupos de pacientes com resultados diferentes nesta parte do mundo.

A avaliação do tecidos (histológica) do risco é fortemente preditiva da sobrevida local livre de doença e global no câncer de boca.

Portanto, é necessário que um sistema de pontuação validado seja usado como auxílio na tomada de decisão sobre o tratamento desses cânceres em nossos pacientes.

“Os dados obtidos por essa pesquisa são fortes e relevantes, Utilizou-se um método de avaliação objetiva da análise digital. Esse estudo pode estabelecer novos modelos de prognóstico. De forma que as decisões de tratamento relacionadas à dissecção eletiva do pescoço e à radioterapia concomitante possam ser tomadas de maneira mais apropriada.” A inteligência artificial e o câncer de boca são uma novidade e objeto de pesquisa nos dias atuais.

Necessidade de mudança de paradigma

O que se precisa agora é de uma mudança de paradigma.
Hoje, os métodos de tratamento tendem a se concentrar nos piores casos – perseguindo as últimas células cancerígenas em pacientes em estágio terminal cujos prognósticos são os piores.

Em vez disso, é preciso encontrar e destruir as primeiras células cancerígenas, detectando o câncer no seu início e detendo-o.

Essa prevenção representa a alternativa mais barata, mais rápida e mais segura ao terrível e duradouro trio de tratamento.

É a maneira mais universalmente aplicável de salvar vidas. Em termos de custos, a economia estimada em diagnóstico precoce soma mais de US $ 26 bilhões ao ano. A detecção precoce é o caminho. E o menos custoso que qualquer outra nova abordagem pode prometer.

A detecção precoce também é a maneira mais humana de melhorar os resultados do câncer.
Os tratamentos que normalmente se baseiam em uma combinação de cirurgia, quimioterapia e radiação para tumores sólidos ou quimioterapia e transplantes de medula óssea para tumores líquidos podem ser assassinos brutais. Muitas vezes acabam deixando pacientes em agonia.

E proporcionam apenas poucos meses de sobrevida adicional. As novas imunoterapias podem ser ainda mais perigosas. Os pacientes precisam ser tratados em unidades de terapia intensiva. Indústrias inteiras estão surgindo apenas para controlar os efeitos colaterais desses tratamentos.

Daqui a não muitos anos a inteligência artificial e o câncer de boca irão caminhar cada vez mais juntos e serão parte do dia a dia do exercício profissional dos dentistas deste tempo não muito distante.

Fontes: MedicalXpress, Nature, News
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Qual a relação entre a menopausa e hipertensão?

menopausa e hipertensão

A perda dentária pode ser o sinal de alerta clínico para a possibilidade do desenvolvimento de hipertensão arterial entre as mulheres após a menopausa.

É o que um estudo publicado no American Journal of Hypertension  sugere pelos resultados apresentados.

O estudo em questão tem o título de “Association of Periodontal Disease and Edentulism With Hypertension Risk in Postmenopausal Women” (Associação da Doença Periodontal e Edentulismo com o Risco de Hipertensão em Mulheres Pós-menopáusicas). É uma pesquisa que envolveu 36.692 mulheres do Women’s Health Initiative-Observational Study , EUA.

O estudo estabelece uma relação direta entre a perda de dentes e o aumento da hipertensão em mulheres pós-menopausa. E com um risco acrescido de 20% , e principalmente em idades mais jovens e com menor Índice da Massa Corporal (IMC).

Sinal de alerta – chegada da menopausa e hipertensão

Com a perda de dentes, as pessoas tendem a ingerir alimentos mais macios e processados. Estas mudanças nos padrões alimentares por si só já podem ser associadas a um maior risco de pressão alta o que explicaria a relação menopausa e hipertensão. A perda de peças dentárias pode assim servir como uma espécie de sinal clínico de alerta para o aumento do risco de hipertensão.

Para quebrar essa triste relação entre menopausa e hipertensão, algumas medidas simples podem ser implementadas. A começar pela melhora da higiene bucal, prática regular de atividade física, adoção de uma dieta mais saudável, perda de peso corporal e monitorização frequente da pressão arterial.

São vários os estudos que apontam para uma relação direta entre a hipertensão e saúde bucal. Um estudo de 2014 do American College of Cardiology – pesquisou a influência da doença periodontal na pressão arterial em pacientes hipertensos já noticiada aqui no blog Dentalis.

Os resultados demonstraram que a pressão arterial era mais elevada em pacientes sujeitos a tratamento para a hipertensão com periodontite do que em pacientes não sujeitos a qualquer tratamento. Quanto maior a severidade da periodontite, maior a resistência à resposta no tratamento da hipertensão.

Hipertensão e outros males

Além da pressão alta, a perda de dentes está associada a um risco maior de doenças cardiovasculares, AVC e demência.
A relação entre menopausa e hipertensão predispõe também a outros problemas de saúde.
Isso porque a perda de dentes gera consequências. Os alimentos acabam sendo mastigados de forma incompleta e irão causar problemas no estômago. Isso pode ser causa do aparecimento de gastrite e refluxo gastroesofágico numa etapa posterior.
A nível nutricional poderá gerar prejuízos na absorção de nutrientes, e por consequência no metabolismo geral do paciente.

Impacto negativo sobre a estética e o bem estar psicológico

Importante também destacar o impacto que a perda dental poderá ter sobre o componente estético. Como a depressão dos lábios e da região perioral, alterações na fala e de dicção. Isso poderá fazer com que os pacientes sintam inibição em falar, gerando o isolamento social. E como sabemos, o isolamento social, é um dos gatilhos de grande parte dos casos de depressão.

menopausa e hipertensão

A importância crescente da Odontologia

A relação entre menopausa e hipertensão é preocupante. A conexão entre perda dentária e hipertensão é um novo elemento neste mosaico de problemas.
Problemas esses muitas vezes ignorados pela classe médica que, apesar de alertada pelos dentistas, não leva em conta a relevância que uma boa saúde bucal tem para a saúde geral do paciente.
A relação entre problemas de saúde bucal e patologias diversas tem sido a cada dia mais comprovada por diversos estudos.

Observa-se cada vez mais pacientes polimedicados para múltiplas e diversas doenças.

Especialmente em casos assim seria importante a criação de equipes multidisciplinares. O dentista tem um papel fundamental na prevenção e tratamento.

Doenças oncológicas e sistêmicas, problemas cardiovasculares e outros mais têm uma relação direta com o estado da saúde bucal do paciente.

Em muitos casos um tratamento odontológico prévio deveria ser iniciado antes mesmo do tratamento específico de outras patologias.
A relação menopausa e hipertensão é apenas mais uma peça neste quadro cada vez mais complexo ligando a saúde bucal e seus reflexos sobre a saúde do corpo.
O compartilhamento de informações entre médicos e dentistas se mostra fundamental para o sucesso do tratamento. E deveria, assim, ser mais efetiva. Importante também que sejam criados programas de saúde pública adequados para mulheres na menopausa e pós-menopausa.

Riscos associados à saúde bucal de mulheres após a menopausa

As mulheres depois da menopausa estão sujeitas a diversas alterações metabólicas importantes com impactos na saúde bucal.

São alterações que se manifestam em doenças sistêmicas e vasculares.

Condições como boca seca, percepção alterada e sensação queimação (refluxo) são consequências destas doenças sistêmicas. Ou resultado da ingestão de medicamentos para as mesmas. Estudos indicam uma diminuição da secreção salivar, com alterações na viscosidade e no pH da saliva total com relação direta nas alterações orais, desenvolvendo distúrbios na mucosa oral, sendo a xerostomia um achado frequente.

Há ainda que considerar a diminuição da produção de estrogênios. O que trará impacto sobre o metabolismo ósseo, potencializando a osteoporose.
Medicamentos utilizados no tratamento da osteoporose têm um efeito prejudicial na cavidade oral. Podem provocar ou aumentar a osteonecrose óssea, denominada osteonecrose dos maxilares. Isso tem especial relevância para pacientes candidatos à implante dentário.

Fontes: American Journal of Hypertension, SaúdeOral
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Antibióticos e problemas cardíacos: pode ter relação?

antibióticos e problemas cardíacos

Uma ligação entre uma classe de antibióticos e problemas cardíacos foi descoberta por pesquisadores.

É o que aponta um estudo recente publicado no Journal of American College of Cardiology.
É resultado do trabalho de pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica (UBC). Em parceria com a Unidade de Avaliação Terapêutica da Provincial Health Services Authority (PHSA),
Eles descobriram um grave problema com os usuários atuais de antibióticos da classe da fluoroquinolona, como a Ciprofloxacina. Eles apresentam um risco 2,4 vezes maior de desenvolver regurgitação aórtica e mitral, onde o sangue flui para o coração. Isso em comparação com pacientes que tomam amoxicilina, um tipo diferente de antibiótico. O maior risco se estende pelo período de 30 dias após o uso.

Estudos recentes também associaram a mesma classe de antibióticos a problemas cardíacos outros.

Alguns profissionais da saúde preferem as fluoroquinolonas a outros antibióticos. Isso devido ao seu amplo espectro de atividade antibacteriana. E também pela sua alta absorção oral, que é tão eficaz quanto o tratamento endovenoso.

Classe de antibióticos e problemas cardíacos

Essa classe de antibióticos é muito conveniente (1 comprimido/dia). Mas para infecções comunitárias não são realmente necessárias. A prescrição inadequada pode causar resistência a antibióticos e também problemas cardíacos graves.

Os pesquisadores esperam que o estudo ajude a alertar os profissionais de saúde para a gravidade dessa descoberta. Isso quando do surgimento de problemas cardíacos em pacientes sem nenhuma outra origem estabelecida. Os antibióticos da classe das fluoroquinolonas podem ser a causa em potencial.

Um dos principais objetivos da Unidade de Avaliação Terapêutica é avaliar diferentes medicamentos e tecnologias de saúde. Isso para determinar se eles melhoram a qualidade dos cuidados prestados pelos programas ou melhoram os resultados dos pacientes. É o que afirma um dos chefes da equipe de pesquisa.

Importância do cuidado na prescrição de antibióticos

Este estudo destaca o grande cuidado que se deve ter ao se prescrever antibióticos.
Especialmente a partir de agora que foi estabelecido um elo entre uma classe de antibióticos e problemas cardíacos graves.

O estudo

Nesse estudo os cientistas analisaram dados do sistema de relatórios adversos da Food and Drug Administration dos EUA.
Eles também analisaram um enorme banco de dados de saúde de seguros privados nos EUA. Foram catalogados dados demográficos, identificação de medicamentos, dose prescrita e duração do tratamento.

Os pesquisadores identificaram 12.505 casos de insuficiência valvar com 125.020 indivíduos controle caso em uma amostra aleatória de mais de nove milhões de pacientes. Eles definiram a exposição atual à fluoroquinolona como uma prescrição ativa ou 30 dias antes do evento adverso. A exposição recente nos dias 31 a 60 dias. E a exposição passada nos 61 a 365 dias antes de um incidente.
Os cientistas compararam o uso de fluoroquinolona com amoxicilina e azitromicina.

Os resultados

Os resultados mostraram que o risco de regurgitação aórtica e mitral, refluxo sanguíneo no coração, é maior com o uso atual, seguido pelo uso recente. Eles não viram aumento do risco de regurgitação aórtica e mitral com uso passado.

Novos estudos são aguardados

Se novos estudos vierem a confirmar a conexão entre essa classe de antibióticos e problemas cardíacos, providências terão de ser tomadas.
Alertas deverão então ser adicionados ao risco do aparecimento de regurgitação aórtica e mitral.
Nesses casos, os profissionais de saúde serão recomendados a optar por outros antibióticos.
Ou seja, outras classes de antibióticos como primeira linha de defesa para infecções não complicadas.

Já sabíamos que infecções odontogênicas aumentam o risco de doenças cardíacas.
Agora também surge o fantasma do risco atrelado a uma classe de antibióticos e problemas cardíacos decorrentes de seu uso.

Assim que obtivermos acesso a novos dados científicos relacionado a esse tema, estaremos divulgando a todos aqui no blog Dentalis.

Fonte: ScienceDaily
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

10 dicas infalíveis para parar de fumar

parar de fumar

Está mais do que na hora de quem fuma pensar seriamente em parar de fumar.

A maioria das pessoas agora sabe que o tabagismo é uma das principais causas evitáveis de morte e doença prematuras. O tabagismo causa câncer, doenças cardíacas, derrames e doenças pulmonares. Por esse motivo, muitas pessoas estão ansiosas para parar de fumar. Fumar causa inúmeros prejuízos, inclusive aos dentes.

Apesar dos riscos à saúde envolvidos, um em cada cinco adultos americanos ainda fuma regularmente.
As principais razões para isso são que a nicotina é viciante e é difícil mudar um hábito. Mas existem meios de se superar o vício.

As pesquisas mostras que, com a abordagem correta, é possível romper com a rotina doentia e abandonar o hábito de uma vez por todas.

Dez dicas mais infalíveis para parar de fumar de uma vez por todas

1. Terapia de reposição de nicotina

A nicotina nos cigarros é viciante. Por essa razão as pessoas experimentam sintomas desagradáveis de abstinência quando tentam parar de fumar.
A terapia de reposição de nicotina fornece um baixo nível da substância sem os outros produtos químicos venenosos presentes na fumaça do cigarro.

Isso ajuda a aliviar alguns dos sintomas da abstinência de nicotina. Sintomas como desejos intensos, náusea, formigamento nas mãos e pés, insônia, mudanças de humor e dificuldade de concentração. A terapia de reposição de nicotina está disponível na forma de:

  • Adesivo transdérmico (disponível via SUS);
  • Goma de mascar (disponível via SUS).

Os adesivos de nicotina também podem ser adquiridos em farmácias comerciais. Eles agem liberando lentamente a nicotina, que é absorvida pelo corpo através da pele. Durante 8 a 12 semanas, a quantidade de nicotina à qual o corpo é exposto é gradualmente reduzida. Aos poucos faz-se a mudança para adesivos com doses mais baixas até que não sejam mais necessários.

Algumas pessoas usam seus adesivos o tempo todo e fornecem uma dose constante de nicotina por 24 horas. Já outras pessoas os removem à noite. Importante é discutir a melhor estratégia com o seu médico.

2. Vareniclina

A vareniclina (Champix) funciona estimulando a liberação de dopamina.
A dopamina é um mensageiro químico que ajuda a controlar os centros de recompensa e prazer do cérebro.

Fumar aumenta artificialmente os níveis dessa substância química do bem-estar no corpo.
Assim, quando os fumantes param de fumar, geralmente sofrem de depressão e ansiedade até que seus níveis naturais de produção de dopamina sejam restaurados.

Pacientes submetidos à vareniclina tendem a obter mais êxito quando param de fumar aos poucos.

A vareciclina ajuda a neutralizar os baixos níveis de dopamina e diminuir alguns dos sintomas causados pela retirada da nicotina. Ao mesmo tempo, bloqueia os efeitos satisfatórios da nicotina, caso a pessoa recaia e fume.

3. Bupropiona

A bupropiona (Zyban) é um antidepressivo. Foi desenvolvida para ajudar as pessoas a parar de fumar. Como a vareniclina, reduz o deficit de dopamina ocorrido na abstinência de nicotina. Assim, age reduzindo a irritabilidade e a dificuldade de concentração relacionadas ao abandono do tabagismo e a tendência a comer demais.

4. Vá ao dentista e faça uma limpeza dental

Faça uma limpeza dental. Uma profilaxia dental seguida da firme disposição em manter os dentes limpos pode ser de grande ajuda a parar de fumar.

5. O jeito de cada um de parar

Pare de fumar de forma abrupta ou lenta? Muitos fumantes acham que a única maneira de realmente parar de uma vez por todas é parar abruptamente, sem tentar diminuir lentamente. Não existe forma ideal. Existe sim o que pode ser melhor pra você. Encontre o método que funcione melhor na sua perspectiva: parar gradualmente ou lentamente. Se uma maneira não funcionar, faça do outro jeito.

6. Lobélia

A Lobelia inflata é uma planta reconhecida por ajudar a quem sente a necessidade de nicotina.

A Lobélia funciona sobre receptores da dopamina e da nicotina no cérebro. A dopamina é a substância do cérebro liberada pela ação da nicotina. A Lobélia contém um componente que age de forma semelhante à nicotina. Importante destacar que o uso de Lobélia também deve ser realizado com acompanhamento médico. Isso porque essa planta se ingerida em grande quantidade pode ser tóxica.

7. Vitaminas B e C

Vários estudos demonstraram que os fumantes geralmente têm concentrações mais baixas de vitaminas B circulantes e níveis mais baixos de vitamina C em comparação com os não fumantes.

Os fumantes costumam citar o estresse como um dos gatilhos que aumentam o desejo por um cigarro.

As vitaminas B são conhecidas como vitaminas “antiestresse” e podem ajudar a equilibrar o humor.

A vitamina C é um poderoso antioxidante que pode ajudar a proteger os pulmões do estresse oxidativo causado pela fumaça do cigarro.
Portanto, a suplementação com essas vitaminas pode auxiliar no processo de parar de fumar.

8. Use um aplicativo para rastrear seus hábitos

Hábitos como fumar são desencadeados em resposta a certos gatilhos. A pesquisa mostrou que a repetição de uma ação simples em um determinado ambiente gera a reprodução da mesma ação em ambientes semelhantes. Por exemplo, fumar automaticamente após o cafezinho depois do almoço.

Mas hábitos saudáveis podem ser formados repetindo ações saudáveis de forma consistente no mesmo contexto. Existe uma variedade de aplicativos gratuitos online que podem ajudar a acompanhar seu progresso.

Esses aplicativos podem ajudar a rastrear o consumo de cigarro em situações que despertam o desejo de nicotina. Essas informações podem ser usadas para planejar quando e onde reforçar um novo hábito saudável no lugar do antigo não saudável.

9. Faça uma lista

Para os fumantes que planejam parar de fumar, fazer uma lista para se manter motivado pode ser útil nos momentos difíceis. Tais razões que podem justificar a decisão de parar de fumar:

  • Melhorar a saúde como um todo;
  • Economizar dinheiro;
  • Ser um bom exemplo para os seus filhos;
  • Melhorar sua aparência e hálito;
  • Assumir o controle e se ver livre do vício.
  • Importante revisar essa lista todos os dias e especialmente em momentos difíceis.
  • Os fumantes podem treinar a mente a se concentrar nos aspectos positivos de seu objetivo e reforçar sua vontade de parar.

10. Praticar Tai chi chuan

Um estudo no Journal of Addiction and Therapy sugere que praticar Tai Chi três vezes por semana é um meio eficaz para ajudar as pessoas a “parar de fumar ou reduzir o hábito”.

Um benefício adicional do Tai chi chuan é que ele melhora a pressão sanguínea e reduz o estresse.

Práticas mente corpo, como ioga, meditação e Tai chi chuan, oferecem uma opção alternativa de tratamento sem drogas para aqueles que tentam parar de fumar.

Fontes: Hospital Sírio Libanês, MedicalNewsToday, PPMac, INCA
Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Sal pode causar o Alzheimer. Descubra aqui

sal pode causar o Alzheimer

Pesquisa recente nos leva a concluir que uma dieta com excesso de sal pode causar o Alzheimer. Como assim?
De que forma o excesso de sal pode causar o Alzheimer?

Um novo estudo publicado na Nature revelou que uma dieta rica em sal pode afetar negativamente a função cognitiva.
Uma dieta rica em sal pode ocasionar uma deficiência de óxido nítrico. Esse composto é fundamental para a manutenção da saúde vascular do cérebro.
Quando os níveis de são muito baixos, alterações químicas na proteína tau ocorrem no cérebro. Essa condição favorece estados de demência e o Alzheimer.

No estudo, publicado em 23/10/2019 na Nature, os pesquisadores procuraram elucidar a série de eventos que ocorrem entre o consumo de sal e a baixa cognição.
Concluíram que diminuir a ingestão de sal e manter vasos sanguíneos saudáveis no cérebro pode “afastar” o risco de demência e Alzheimer.
O acúmulo de depósitos da proteína tau tem sido relacionada ao desenvolvimento da doença de Alzheimer em humanos.

Aqui no blog Dentalis já relacionamos o Alzheimer a outras patologias como à doença periodontal como neste artigo.

Proteína Tau e beta-amiloide – entendendo os marcadores biológicos do Alzheimer

Os marcadores biológicos do Alzheimer são as proteínas beta-amiloide e tau.
A proteína beta-amiloide é produzida normalmente no cérebro. Há evidências de que quantidades muito pequenas dela são necessárias para manter os neurônios funcionais.
No caso do Alzheimer sua produção se eleva muito e o seu acúmulo leva à alteração das sinapses. É a primeira etapa para uma série de eventos que ocasiona a perda de neurônios e o aparecimento dos sintomas da doença.

A proteína beta-amiloide é eliminada normalmente pelo liquor. No Alzheimer seu acúmulo no cérebro faz com que sua concentração no liquor caia. Simultaneamente, ocorre fosforilação da proteína tau, que forma os emaranhados neurofibrilares dentro dos neurônios. Essa é outra alteração patológica conhecida do Alzheimer.
Com a morte de neurônios, a proteína tau é eliminada pelo liquor, aumentando também sua concentração.

O estudo

O estudo propõe um novo mecanismo pelo qual o sal está ligado ao comprometimento cognitivo. Também fornece mais evidências de uma ligação entre hábitos alimentares e função cognitiva.
O novo estudo baseia-se em pesquisa publicada na Nature Neuroscience pelos cientistas doutores Faraco, Costantino Iadecola e pela professorade Neurologia Anne Parrish Titzell da Weill Cornell Medicine.

O estudo evidenciou que uma dieta rica em sal causou demência em ratos.
Os ratos foram alimentados com uma dieta que continha entre 8 e 16 vezes a quantidade normal de sal. Posteriormente fora realizados testes cognitivos. Após dois meses de dieta, os ratos não conseguiram reconhecer novos objetos que os foram apresentados. Os roedores tornaram-se incapazes de concluir tarefas da vida diária, como construir seus ninhos.
Também se mostraram muito mais lentos na saída de um labirinto do que aqueles em uma dieta normal.
Também tiveram problemas em passar nos testes de memória.

A equipe de pesquisa determinou que a dieta rica em sal estava fazendo com que as células do intestino delgado liberassem a molécula interleucina-17.
Essa molécula promove a inflamação como parte da resposta imune do corpo.

O excesso de sal pode causar o Alzheimer – a escassez de óxido nítrico

A interleucina entrou na corrente sanguínea e impediu que as células nas paredes dos vasos sanguíneos que alimentavam o cérebro produzissem óxido nítrico.
O óxido nítrico age relaxando e alargando os vasos sanguíneos. Possibilita que o sangue flua de forma adequada.
Por outro lado, uma escassez de óxido nítrico pode restringir o fluxo sanguíneo.

Com base nessas descobertas, o Dr. Iadecola, o Dr. Faraco e seus colegas teorizaram que o sal provavelmente causou demência em ratos.
Ou seja, que o excesso de sal pode causar o Alzheimer.

Isso porque o sal contribuiu para restringir o fluxo sanguíneo para o cérebro.
No entanto, eles perceberam que o fluxo sanguíneo restrito nos ratos não era grave o suficiente para impedir o funcionamento adequado do cérebro.

Achamos que talvez houvesse algo mais acontecendo aqui ‘”, disse o Dr. Iadecola.

Em seu novo estudo da Nature, os pesquisadores descobriram que a produção reduzida de óxido nítrico nos vasos sanguíneos afeta a estabilidade das proteínas tau nos neurônios.
A proteína tau fornece estrutura para os “andaimes”. Esse “andaime”, também chamado de citoesqueleto, ajuda a transportar materiais e nutrientes através dos neurônios para garantir seu adequado funcionamento.

sal pode causar o Alzheimer

A proteína tau se desprende do citoesqueleto

A proteína tau se torna instável e se desprende do citoesqueleto, o que causa problemas. Isso porque a tau não deveria estar livre na célula.
Uma vez que a proteína estando fora do citoesqueleto ela acaba se acumulando no cérebro. Isso é o estopim para os problemas cognitivos.
Os pesquisadores determinaram que níveis saudáveis de óxido nítrico controlam a tau.
Isso freia a atividade causada por uma série de enzimas que levam à patologia da doença da proteína tau.

Proteína tau e demência

Para evidenciar ainda mais a importância da proteína tau na demência, os pesquisadores deram a ratos uma dieta rica em sal. Também restringiram o fluxo sanguíneo ao cérebro e de um anticorpo que promove a estabilidade da tau. Apesar do fluxo sanguíneo restrito, os pesquisadores observaram cognição normal nesses ratos. Isso demonstrou que o que realmente está causando a demência. Ou seja foi a proteína tau e não a falta de fluxo sanguíneo, disse um dos pesquisadores.
No geral, este estudo destaca como a saúde vascular é importante para o cérebro. Como demonstrado, há mais de uma maneira em que os vasos sanguíneos mantêm o cérebro saudável. O excesso de sal pode causar o Alzheimer à medida em que compromete a saúde vascular.

Um alerta importante

São necessárias pesquisas sobre ingestão de sal e os efeitos sobre a cognição em humanos. Mas o atual estudo com ratos é um alerta para as pessoas regularem o consumo de sal no dia a dia.
E o que é ruim para nós não vem de um saleiro, vem de alimentos processados e de restaurante. Ou seja, o chamado sal oculto em muitos alimentos industrializados.
Temos que manter o sal sob controle. Ele pode alterar os vasos sanguíneos do cérebro e fazê-lo de maneira cruel.
Se pudéssemos resumir em poucas palavras essa pesquisa seria reafirmando que o excesso de sal pode causar o Alzheimer.

Fontes: Nature, ScienceDaily, ABRAz
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Quinze dicas naturais para reduzir a pressão alta

reduzir a pressão alta

Muitos se perguntam…como faço para reduzir a pressão alta? Estima-se em aproximadamente 1 bilhão o número de pessoas que sofrem de pressão alta no mundo inteiro atualmente. Várias situações podem levar um indivíduo a desenvolver hipertensão, inclusive doenças odontológicas. Uma boa saúde bucal aumenta a eficiência dos medicamentos anti-hipertensivos.

Mas existem boas notícias. Existem várias coisas que você pode fazer para reduzir a pressão alta naturalmente, sem uso de nenhuma medicação.

Aqui estão 15 maneiras naturais de combater a pressão alta.

1. Caminhar e se exercitar regularmente para reduzir a pressão alta

O exercício regular ajuda a tornar seu coração mais forte e mais eficiente ao bombear sangue. Isso ajuda a reduzir a pressão alta nas artérias.

Bastam 150 minutos de exercício moderado, como caminhar. Ou 75 minutos de exercício vigoroso, como correr. E isso no decorrer de uma semana. Um simples planejamento do seu tempo lhe permitirá a execução dessas atividades.
Isso irá melhorar a saúde cardíaca e diminuir a pressão arterial.

Resumo: Caminhar apenas 30 minutos por dia pode ajudar a diminuir sua pressão arterial. Mais tempo de caminhada ajudará a reduzi-la ainda mais.

2. Reduza sua ingestão de sódio

A ingestão de sal é alta em todo o mundo. Em grande parte, isso se deve ao consumo de alimentos processados. Por esse motivo, muitos esforços de saúde pública visam reduzir o sal na indústria de alimentos. Em muitos estudos, o sal tem sido associado a pressão alta e eventos cardíacos. No entanto, pesquisas mais recentes mostram que a relação entre sódio e pressão alta é menos clara. Uma razão para isso pode ser diferenças genéticas na maneira como as pessoas processam o sódio. Cerca de metade das pessoas com pressão alta e um quarto das pessoas com níveis normais parecem ter sensibilidade ao sal. Para muitos indivíduos a diminuição do sal na dieta ajuda a reduzir a pressão alta. Também é importante trocar os alimentos processados pelos frescos e tentar temperar com ervas e especiarias, em vez de sal.

Resumo: A maioria das diretrizes para reduzir a pressão alta recomenda diminuir a ingestão de sódio. No entanto, essa recomendação pode fazer mais sentido para pessoas sensíveis ao sal. Você conhece a sua sensibilidade ao sal e no quanto ele impacta a sua pressão arterial?

3. Diminua a ingestão de álcool

Beber álcool pode aumentar a reduzir a pressão alta. De fato, o álcool está associado a 16% dos casos de pressão alta no mundo.

Embora algumas pesquisas tenham sugerido que quantidades baixas a moderadas de álcool possam proteger o coração, esses benefícios podem ser compensados por efeitos negativos.

Nos EUA, o consumo moderado de álcool é definido de acordo com o gênero e a quantidade de álcool total presente na bebida.

Resumo: Beber álcool em qualquer quantidade pode aumentar sua pressão arterial. Limite seu consumo a não mais que um drinque por dia para mulheres, dois para homens.

reduzir a pressão alta

4. Coma mais alimentos ricos em potássio

As dietas modernas aumentaram a ingestão de sódio da maioria das pessoas e, ao mesmo tempo, diminuíram a ingestão de potássio.
O potássio auxilia na eliminação do excesso de sódio no organismo. Ajuda dessa forma no alívio da pressão arterial.
Uma dieta saudável e rica em potássio contém alimentos frescos e integrais e poucos industrializados.
Estes são alguns exemplos de alimentos ricos em potássio:

  • Legumes, especialmente verduras, tomate, batata e batata doce;
  • Frutas, incluindo melões, bananas, abacates, laranjas e damascos;
  • Laticínios, como leite e iogurte;
  • Atum e salmão;
  • Nozes e sementes;
  • Feijões.

Resumo: Comer frutas e vegetais frescos, ricos em potássio, pode ajudar a baixar reduzir a pressão alta.

5. Reduzir a cafeína

Se você já tomou uma xícara de café antes de verificar sua pressão arterial, sabe que a cafeína provoca um aumento quase que instantâneo.

No entanto, não há muitas evidências que sugiram que o consumo regular de cafeína possa causar um aumento persistente.

O fato é que pessoas que bebem café e chá com cafeína tendem a ter um risco menor de doenças cardíacas. E também menor risco de pressão alta, do que aquelas que não tomam.

A cafeína pode ter um efeito mais significativo em pessoas que não a consomem regularmente.

Se você suspeitar que é sensível à cafeína, reduza para ver se provoca diminuição da sua pressão arterial.

Resumo: A cafeína pode causar um aumento de curto prazo na pressão arterial, embora para muitas pessoas isso não cause um aumento duradouro.

 

reduzir a pressão alta

6. Aprenda a lidar com o estresse

O estresse é um dos principais fatores desencadeadores de pressão alta.

Quando você permanece em estado de estresse, seu corpo está em constante modo de lutar ou fugir.

No nível físico, isso significa uma frequência cardíaca mais alta e vasos sanguíneos contraídos.

Uma vez em situação de estresse, é mais provável que o indivíduo adote outros comportamentos, como beber álcool ou comer alimentos não saudáveis. Ambos os comportamentos podem afetar negativamente a pressão arterial.

Há uma vasta literatura demonstrando como a redução do estresse pode ajudar a baixar a pressão arterial.

Aqui seguem duas Resumos baseadas em evidências científicas para colocar em prática:

  • Ouça música suave: músicas calmantes podem ajudar a relaxar o sistema nervoso. A pesquisa mostrou que é um complemento eficaz para outras terapias da pressão arterial;
  • Diminua seu ritmo de trabalho: trabalhar de forma exaustiva e de forma estressante contribuem para elevar a pressão arterial.

Resumo: O estresse crônico pode contribuir para a pressão alta. Encontrar maneiras de gerenciar o estresse pode ajudar.

7. Coma chocolate escuro ou cacau em pó

Aqui está um conselho que você pode realmente querer adotar.

Embora comer grandes quantidades de chocolate provavelmente não ajude seu coração, pequenas quantidades podem.

Isso porque o chocolate preto e o cacau em pó são ricos em flavonoides. Flavonoides são compostos vegetais que causam a dilatação dos vasos sanguíneos.

Uma revisão de estudos verificou que o cacau rico em flavonoides melhorou vários marcadores da saúde do coração a curto prazo, incluindo a redução da pressão arterial.

Para efeitos mais fortes, use pó de cacau não alcalinizado, que é especialmente rico em flavonoides e sem adição de açúcar.Você pode encontrá-lo em lojas que comercializam produtos integrais.

Resumo: Chocolate escuro e cacau em pó contêm compostos vegetais que ajudam a relaxar os vasos sanguíneos, e a reduzir a pressão alta.

8. Perder peso

Perder peso pode fazer uma grande diferença para a saúde do coração.

De acordo com um estudo de 2016, a perda de 5% da massa corporal em gordura poderia reduzir significativamente a pressão alta.

Em estudos anteriores, a perda de 7,7 kg estava ligada à redução da pressão arterial sistólica em 8,5 mmHg e da pressão arterial diastólica em 6,5 mmHg.

Para colocar isso em perspectiva, uma leitura saudável deve ser menor que 120/80 mm Hg.

O efeito é ainda maior quando a perda de peso é combinada com o atividade física.

A perda de peso pode ajudar os vasos sanguíneos a fazer um trabalho melhor de expansão e contração. E isso favorece a circulação do sangue pelo ventrículo esquerdo do coração.

Resumo: Perder peso pode diminuir significativamente a pressão alta. Este efeito é ainda maior quando você se exercita.

9. Pare de fumar

São inúmeras as razões para parar de fumar. O tabagismo é um forte fator de risco para doenças cardíacas. Cada tragada de fumaça de cigarro causa um leve aumento temporário da pressão arterial. Sabe-se que os produtos químicos do tabaco também danificam os vasos sanguíneos. Surpreendentemente, os estudos não encontraram uma ligação conclusiva entre fumar e pressão alta. Talvez isso aconteça porque os fumantes desenvolvem uma tolerância ao longo do tempo. Ainda assim, como fumar e pressão alta aumentam o risco de doenças cardíacas, deixar de fumar pode ajudar a reverter esse risco.

Resumo: Há pesquisas conflitantes sobre tabagismo e pressão alta, mas o que está claro é que ambos aumentam o risco de doença cardíaca.

reduzir a pressão alta

10. Corte o açúcar adicionado e os carboidratos refinados

Há um grande número de pesquisas mostrando uma ligação entre a adição de açúcar e pressão alta.

No estudo de Saúde da Mulher de Framingham , as mulheres que bebiam até um refrigerante por dia tinham níveis mais altos do que aquelas que bebiam menos de um refrigerante por dia.

Outro estudo  constatou que consumir uma bebida adoçada com açúcar a menos por dia estava ligada à pressão arterial mais baixa.

E não é apenas açúcar. Todos os carboidratos refinados, como os encontrados na farinha branca, convertem-se rapidamente em açúcar na corrente sanguínea e podem causar problemas.

Alguns estudos mostraram que dietas com pouco carboidrato também podem ajudar a reduzir a pressão arterial.

Um estudo realizado com pessoas submetidas à terapia com estatina descobriu algo interessante. Aqueles que seguiram uma dieta restrita a carboidratos por seis semanas tiveram uma melhora maior na pressão arterial e em outros marcadores de doenças cardíacas do que pessoas que não faziam a dieta.

Resumo: Carboidratos refinados, especialmente açúcar, podem aumentar a pressão sanguínea. Alguns estudos mostraram que dietas com pouco carboidrato podem ajudar a reduzir seus níveis.

11. Coma Berries

As famosas frutinhas chamadas de Berries são poderosas. São elas: blueberry, cranberry e raspberry.

São ricas em polifenóis, compostos naturais de plantas que são bons para o coração.

Um pequeno estudo teve pessoas de meia-idade comendo frutas por oito semanas.

Os participantes experimentaram melhorias em diferentes marcadores de saúde do coração, incluindo pressão arterial.

Outro estudo atribuiu pessoas com pressão alta a uma dieta com baixo teor de polifenóis ou com alto teor de polifenóis, contendo frutas, chocolate, frutas e legumes .

Aqueles que consumiam frutas e alimentos ricos em polifenóis apresentaram melhores marcadores de risco de doença cardíaca.

Resumo: Berries são ricos em polifenóis, o que pode ajudar a diminuir a pressão sanguínea e o risco geral de doenças cardíacas.

reduzir a pressão alta

12. Tente meditação ou exercícios de respiração

São duas atividades que também podem se encaixar nas “técnicas de redução do estresse”. A meditação e exercícios de respiração merecem menção específica.

Acredita-se que a meditação e a respiração profunda ativem o sistema nervoso parassimpático. Este sistema é ativado quando o corpo relaxa. Isso diminui a frequência cardíaca e pressão arterial. Há muita pesquisas nessa área, com estudos mostrando que diferentes estilos de meditação parecem ter benefícios para diminuir a pressão arterial.

As técnicas de respiração profunda também podem ser bastante eficazes.

Resumo: Tanto a meditação quanto a respiração profunda podem ativar o sistema nervoso parassimpático. Isso ajuda a diminuir a frequência cardíaca e a diminuir a pressão alta.

13. Coma alimentos ricos em cálcio

Pessoas com baixa ingestão de cálcio geralmente têm pressão alta.

Não se pode dizer que suplementos de cálcio diminuam a pressão alta. Porém, dietas ricas em cálcio parecem ligadas a níveis saudáveis.

Para a maioria dos adultos, a recomendação de cálcio é de 1.000 mg por dia. Para mulheres acima de 50 anos e homens acima de 70, é 1.200 mg por dia.

Além de laticínios, outras fontes de cálcio são a couve e outras folhas verdes, feijão, sardinha e tofu.

Resumo: Dietas ricas em cálcio estão ligadas a níveis saudáveis de pressão arterial. Obtenha cálcio através de folhas verdes escuras e tofu, além de laticínios.

14. Consumo de suplementos naturais

  • Extrato de alho envelhecido: O extrato de alho envelhecido tem sido usado com sucesso como tratamento autônomo e junto com terapias convencionais para diminuir a pressão arterial.
  • Whey Protein: Um estudo de 2016 descobriu que a proteína de soro de leite melhorou a pressão sanguínea e a função dos vasos sanguíneos em 38 participantes.
  • Óleo de peixe: Há muito creditado por melhorar a saúde do coração, o óleo de peixe pode beneficiar mais as pessoas com pressão alta.
  • Hibiscus: Flores de hibisco fazem um chá saboroso. São ricas em antocianinas e polifenóis que são bons para o coração e podem reduzir a pressão alta.

Resumo: Vários suplementos naturais foram investigados por sua capacidade de baixar a pressão arterial.

15. Coma alimentos ricos em Magnésio

O magnésio é um mineral importante que ajuda a relaxar os vasos sanguíneos. A deficiência de magnésio é rara, mas muitas pessoas não ingerem o suficiente. Uma dieta rica em magnésio é uma maneira saudável de se reduzir a pressão alta. Fontes de magnésio na alimentação estão presentes em vegetais, laticínios, legumes, frango, carne e grãos integrais.

Fontes: NCBI, Science Direct, MedicalNewsToday, openheart, BMJournals
Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

Doença periodontal associada à pressão alta

doença periodontal

A doença periodontal pode ser didaticamente divida em três estágios. Desde o menos grave (gengivite), passando pela periodontite, até o mais avançado, a periodontite avançada.

Mais e mais evidências indicam que a doença periodontal aumenta o risco de outras condições de saúde, incluindo hipertensão.

Uma nova revisão da literatura reforça essa tese. Os dados indicam que quanto mais avançado o estágio da doença periodontal, maior o risco de hipertensão.

É o que revelam dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças americano, o CDC.

Segundo o CDC, 47,2% das pessoas com 30 anos ou mais apresentam alguma forma de doença periodontal. Cerca de 32% de todos os adultos nos Estados Unidos têm pressão alta.

As duas condições podem dar a impressão de não estarem relacionadas. No entanto, estudos recentes reforçam a ideia da ligação entre doença periodontal e pressão alta.

Doença periodontal e pressão alta

Uma revisão recente da literatura trouxe uma importante confirmação.
Ou seja, as evidências apontam que pessoas com periodontite tem maior risco para o desenvolvimento se pressão alta.

Além disso, dados publicados na revista Cardiovascular Research, quanto mais severa a periodontite, maior o risco de hipertensão.

Periodontite, pressão alta, ataques cardíacos e derrames

Pacientes com periodontite podem desenvolver pressão alta. Hipertensão, por sua vez, pode ser a causa de ataques cardíacos e derrames.

Pesquisas anteriores já indicavam uma conexão entre doença periodontal e pressão alta. Igualmente também sugeriam que o tratamento odontológico poderia ajudar no controle da pressão arterial. No entanto, até o momento os resultados são inconclusivos.

Associação direta

Os pesquisadores revisaram e analisaram as evidências apresentadas por 81 estudos de 26 países.
A pesquisa sugeriu que a pressão arterial média tende a ser significativamente maior em indivíduos com doença periodontal.

No detalhe, a pressão arterial sistólica e diastólica apresentaram elevação.
Mais elevada em 4,5 milímetros de mercúrio e 2 mm Hg mais altos, respectivamente, naqueles com doença periodontal do que naqueles sem ela.
A pressão sistólica é aquele verificada durante os batimentos cardíacos. Já a pressão diastólica é aquela observada entre os batimentos cardíacos.

25% maior risco de morte

Essas diferenças não são nada desprezíveis.
Um aumento médio da pressão arterial de 5 mm Hg estaria associado a um risco 25% maior de morte por ataque cardíaco ou derrame.

Grau mais elevado de doença periodontal – maior o risco

Os pesquisadores identificaram uma associação entre doença periodontal com um risco 22% maior para o aparecimento de pressão alta.
Ao mesmo tempo verificaram que a periodontite avançada apresentava um risco 49% maior para o desenvolvimento de hipertensão.

Observa-se uma associação linear. Ou seja, quanto mais grave o grau de doença periodontal, maior a probabilidade de hipertensão.

Os resultados sugerem que os pacientes com doença periodontal devam ser informados sobre a existência desse risco.
Ao mesmo tempo devem ser aconselhados a realizar mudanças em seu estilo de vida de forma a evitar a pressão alta. A prática regular de exercícios físicos combinados a uma dieta saudável são altamente recomendáveis.

doença periodontal

Tratamento da doença periodontal poderia diminuir a pressão arterial?

Os pesquisadores também queriam ver se havia alguma evidência de uma correlação entre o tratamento da doença periodontal e uma redução na pressão sanguínea.

Apenas cinco dos 12 estudos intervencionistas incluídos na revisão verificaram que o tratamento da doença gengival parecia resultar em uma diminuição da pressão arterial.

As evidências, sobre esse aspecto específico, permanecem inconclusivas.

Parece haver conexão entre a saúde bucal e a pressão arterial. Ligação esta observada tanto em estados saudáveis e doentes. No entanto, a hipótese de que terapia da doença periodontal possa reduzir a pressão arterial depende de mais estudos e comprovações.

A inflamação é o elo que falta?

Os pesquisadores acreditam que a inflamação pode estar no centro do elo intrigante entre a saúde bucal e a cardiovascular.
A hipótese de que as bactérias orais responsáveis pela doença periodontal poderiam desencadear essa inflamação, que, por sua vez, tornaria a hipertensão, o elo mais provável.

Outra explicação possível pode ser a presença de certas características genéticas.
E ainda, a exposição a fatores de risco comuns tanto à doença periodontal quanto à hipertensão, como hábito de fumar ou obesidade.

Em muitos países do mundo, a saúde bucal não é verificada regularmente. É onde a doença periodontal pode permanecer sem tratamento por muitos anos.
A hipótese é que essa situação de inflamação bucal e sistêmica e resposta a bactérias se acumule sobre os fatores de risco existentes.

Doença periodontal pode gerar pressão alta, ou seria o contrário?

Até o momento se supõe que a doença periodontal possa ser um fator de risco para a pressão alta.
No entanto, a relação pode existir de maneira inversa. Ou seja, a hipertensão pode ser um fator de risco para essa doença bucal.

Mais pesquisas são necessárias para verificar se os pacientes com pressão alta têm uma probabilidade aumentada de doença periodontal.

Parece prudente fornecer conselhos de saúde bucal para os hipertensos “, observa o pesquisador sênior.

O que é consenso entre os especialistas

Está claro que mais pesquisas são necessárias para examinar se os pacientes com pressão alta têm uma probabilidade aumentada de doença periodontal.
Desde já, no entanto, é recomendável reforçar a importância dos cuidados com a saúde bucal entre os hipertensos.

A pressão alta atinge 1 bilhão de pessoas no mundo todo. É um triste e preocupante quadro que dados recentes revelam.

Esse é um tema que muito nos preocupa aqui no Dentalis. Já alertamos os leitores de nosso blog em uma matéria anterior sobre essa preocupante relação entre a doença periodontal e hipertensão.

Em nosso próximo post vamos trazer uma matéria com 15 dicas simples de como manter baixa a sua pressão arterial.
Convidados você a ficar sintonizado com tudo o que acontece no blog Dentalis.

Fonte: MedicalNewsToday,

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Cinco formas de deixar os dentes mais brancos

dentes brancos

Morangos, cenouras e queijo podem ajudar a manter seus dentes brancos. Estranho à primeira vista, mas tem uma explicação pra isso.

No entanto, vale sempre lembrar: não se pode negligenciar a escovação e a ida ao dentista regularmente.

Um estudo do Padjadjaran Journal of Dentistry trouxe uma descoberta interessante.
Descobriu que o suco de morango apresentou um efeito clareador em dentes manchados pelo café.
Os morangos contêm ácido málico, que tem um efeito clareador sobre os dentes.
O mesmo vale para as maçãs, que não contêm apenas ácido málico, mas também muita água. Isso ajuda na remoção dos restos de comida e resíduos nos dentes. Vegetais duros e crocantes, como cenoura e aipo, também apresentam igual efeito de limpeza.

O queijo como clareador

Comer queijo é outra maneira de limpar e manter os dentes brancos.
Ao mesmo tempo os minerais naturais que ele contém podem fortalecer o esmalte dentário.
O queijo é rico em cálcio, o que traz benefícios para os dentes.
Os queijos mais brancos costumam ser os melhores e mais eficazes. Como o queijo cheddar, por exemplo. Isso porque suas demais propriedades de limpeza estão relacionadas a sua consistência mais dura. Isso quer dizer que queijos mais macios, como brie por exemplo, não são a melhor escolha para quem quer manter seus dentes brancos.

Boa higiene dental é essencial

A maneira mais simples e eficaz de manter os dentes brancos é praticar uma boa higiene bucal.
No mínimo, isso significa escovar os dentes pelo menos três vezes ao dia e sempre após a ingestão de alimentos ou bebidas açucaradas.
Existem evidências de que as escovas de dentes elétricas são melhores, principalmente aquelas com cabeças pequenas.
Mas, muito mais importante que o instrumento utilizado é a técnica de escovação.
Em primeiro lugar dedicando tempo adequado para escovação dos dentes. Procurando manter um ângulo de 45 graus da cabeça de escovação em relação às gengivas. E sempre lembrando da importância do uso regular do fio dental e das escovas interdentais.
Os enxaguatórios bucais com flúor têm uma ação complementar no processo de higienização oral.

Bicarbonato de sódio – Dentes brancos

Um estudo comparativo realizado em 2011 trouxe um outro dado interessante.
Constatou que os cremes dentais contendo bicarbonato de sódio eram significativamente mais eficazes na prevenção de manchas e clareamento dos dentes do que os cremes dentais comuns à base de sílica.

Pode-se misturar uma colher de chá de bicarbonato de sódio com um copo pequeno de água. Ou mesmo aplicá-lo diretamente nos dentes usando uma escova de dentes também pode acabar removendo algumas manchas.

No entanto, não se pode esquecer que o bicarbonato de sódio tem uma ação abrasiva.
Ele pode acabar danificando o esmalte do dente. Seu uso deve ser apenas ocasional.

Consultar o dentista: sempre a melhor das decisões

Para dentes com manchas, a melhor das decisões é marcar uma consulta com um dentista.
É ele o profissional mais habilitado e preparado para limpar e manter seus dentes brancos.
As técnicas de clareamento empregadas são eficazes e em pouco tempo ótimos resultados podem ser alcançados.
Evite comprar produtos no comércio on-line que prometem soluções mágicas.
Muitos desses produtos contém altos níveis de peróxido de hidrogênio que podem trazer prejuízos para o esmalte dentário.

O motivo por trás das manchas nos dentes

As manchas nos dentes podem ser divididas em dois tipos conforme a sua origem:

  • Manchas extrínsecas: Oriundas da nicotina, café, chás, vinho e alimentos coloridos. Podem ser eliminadas na profilaxia dental;
  • Manchas intrínsecas: Originadas pelo uso de medicamentos, traumas, idade. Obtém-se bons resultados com o clareamento dental. Alguns casos pode não apresentar bons resultados, como em manchas ocasionadas pelo consumo de tetraciclina. Também problemas relacionados à formação do dente ou no constituição do esmalte podem não apresentar ótimos resultados com o clareamento dental.
  • Manchas presentes no esmalte dentário: são aquelas manchas superficiais. Respondem bem à microabrasão. Somem na profilaxia dental;
  • Manchas presentes na dentina: são aquelas manchas mais profundas. Podem ser tratadas com clareamento dental (peróxido).

dentes brancos

Avaliação do paciente antes do clareamento

É fundamental conversar com o paciente e alertá-lo para o que o clareamento dental poderá ou não fazer pelos seus dentes.
Pacientes com restaurações de resina, terão de realizar a troca das mesmas após o clareamento dental.

Dentes amarelados tendem a responder bem ao clareamento. Por outro lado, dentes acizentados ou azulados podem não clarear o suficiente.

É importante esclarecer o paciente dos riscos do clareamento não apresentar todos os resultados esperados. Importante também seja convidado a assinar um termo de consentimento formal para início do tratamento.

Tipos de clareamento

Clareamento no consultório

  • Externo: para dentes vitais. Utiliza-se peróxido de carbamida e peróxido de hidrogênio;
  • Interno: para dentes não vitais. Utiliza-se perborato de sódio ou peróxido de hidrogênio.

Clareamento caseiro

  • Externo: para dentes vitais. Utiliza-se peróxido de carbamida e peróxido de hidrogênio;
  • Interno: para dentes não vitais. Utiliza-se peróxido de carbamida.

Agentes clareadores

  • Peróxido de hidrogênio: Ácido, como um Ph muito baixo (1,8 a 3,5). Tem potencial de causar maior sensibilidade. Devido a sua maior acidez e risco de sensiblidade é utilizado no consultório odontológico.
  • Peróxido de Carbamida: é o peróxido de hidrogênio combinado com um carbopol (gel). Age mais lentamente no processo de clareamento.

Aqui no blog Dentalis já noticiamos a respeito de um método novo de clareamento dental que utiliza apenas a luz, e que não emprega nenhum tipo de gel. Em um outro estudo foi utilizado com sucesso a luz azul para clarear os dentes.

Fontes: The Guardian, Profissão Dentista
Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Descoberta: detecção precoce do câncer em exame de sangue

detecção precoce do câncer

Você já deve ter ouvido falar sobre detecção precoce do câncer. Mas esta detecção precoce do câncer é tema desse artigo é simplesmente revolucionária.

Um novo exame de sangue em desenvolvimento mostrou capacidade de rastrear vários tipos de câncer com um alto grau de precisão.

Os pesquisadores do Instituto de Câncer Dana-Farber são os autores de uma descoberta revolucionária.
Revolucionária porque pode permitir a detecção precoce do câncer em seus estágios mais iniciais.
O resultado do trabalho por eles desenvolvido foi apresentado na Sociedade Europeia de Oncologia Médica (ESMO) 2019 .

Sequenciamento de DNA

Esse novo exame, desenvolvido pela GRAIL, usa a tecnologia de sequenciamento de DNA de última geração. Seu objetivo é pesquisar a presença de minúsculas marcas químicas (metilação) no DNA. Essas marcas determinam se os genes são ativos ou inativos.

O teste foi aplicado em um total de quase 3.600 amostras de sangue. Alguns dessas amostras eram de pacientes com câncer, outras de pessoas que não foram diagnosticadas com câncer no momento da coleta de sangue.

O teste detectou com sucesso presença de câncer nas amostras de pacientes com câncer e identificou corretamente o tecido de onde o câncer se originou.

Especificidade elevada

A especificidade do teste foi alta. Ou seja, a sua capacidade de retornar um resultado positivo somente quando o câncer está realmente presente.
Assim como sua capacidade de identificar o órgão ou tecido de origem.

O novo teste faz a busca por DNA que células cancerígenas lançam na corrente sanguínea quando morrem.

As chamadas “biópsias líquidas” detectam mutações genéticas ou outras alterações no câncer relacionadas ao câncer. Já essa nova tecnologia se concentra nas modificações do DNA conhecidas como grupos metil. Grupos metila são unidades químicas que podem ser ligadas ao DNA, em um processo chamado metilação, para controlar quais genes estão “ativados” e quais estão “desativados”.

Os padrões anormais de metilação acabam sendo, em muitos casos, mais indicativos de câncer – e qual tipo de câncer – do que as mutações.

Padrões de metilação é a chave

O novo teste concentra-se em partes do genoma, onde padrões anormais de metilação são encontrados nas células cancerígenas.

Ficou comprovado que os ensaios baseados em metilação superam as abordagens tradicionais de sequenciamento de DNA. Isso para detecção de múltiplas formas de câncer em amostras de sangue.

Os resultados do novo estudo demonstram que esses ensaios são uma maneira viável de realizar a pesquisa do câncer na população. E também colaborar para a detecção precoce do câncer.

O estudo

No estudo, os pesquisadores analisaram o DNA de forma isolada. Ou seja, o DNA que já havia sido confinado às células, mas que entrara na corrente sanguínea após a morte das mesmas em 3.583 amostras de sangue. O total analisado incluiu 1.530 amostras de pacientes diagnosticados com câncer e 2.053 de pessoas sem câncer.

As amostras de pacientes compreenderam mais de 20 tipos de câncer. Pacientes com cânceres de mama com receptor de hormônio negativo, colorretal, esôfago, vesícula biliar, estômago, cabeça e pescoço, pulmão, leucemia linfoide, mieloma múltiplo, ovário e câncer de pâncreas.

Grau de acerto

A especificidade geral foi de 99,4%, significando que apenas 0,6% dos resultados indicaram incorretamente que o câncer estava presente.

A sensibilidade do ensaio para a detecção de um câncer pré-especificado de alta mortalidade (a porcentagem de amostras de sangue desses pacientes que apresentaram resultado positivo para câncer) foi de 76%. Dentro deste grupo, a sensibilidade foi de 32% para pacientes com câncer em estágio I; 76% para aqueles com estágio II; 85% para o estágio III; e 93% para o estágio IV.

A sensibilidade em todos os tipos de câncer foi de 55%, com aumentos similares na detecção por estágio.
Para os 97% das amostras que retornaram um resultado de tecido de origem, o teste identificou corretamente o órgão ou tecido de origem em 89% dos casos.

Esperança de cura – detecção precoce do câncer

A detecção precoce do câncer é sem dúvida a melhor arma que hoje dispomos para vencer a batalha contra o câncer diante da diversidade com que ele se apresenta.
A detecção precoce do câncer pode salvar vidas uma vez que dará mais tempo para que os tratamentos disponíveis possam apresentar resultados efetivos contra essa grave doença.

detecção precoce do câncer

Prevenção do câncer – 7 medidas simples para diminuir seu risco

Você provavelmente já ouviu relatos conflitantes sobre a prevenção do câncer.
Às vezes, uma dica específica de prevenção do câncer recomendada em um estudo é desaconselhada em outro.

Muitas vezes, o que se sabe sobre a prevenção do câncer ainda está evoluindo.

No entanto, já é um consenso que as chances de desenvolver câncer são afetadas pelas escolhas de estilo de vida que você faz.
Mudanças simples no seu estilo de vida podem acabar fazendo toda a diferença.
Apresentamos aqui algumas dicas bem simples para prevenção do câncer que você pode incorporar no seu dia a dia.

1. Fuja do cigarro

O tabagismo coloca você em rota de colisão com o câncer. O hábito de fumar tem sido associado a vários tipos de câncer. São eles, os cânceres de pulmão, boca, garganta, laringe, pâncreas, bexiga, colo do útero e rim.
O hábito de mascar o tabaco tem sido associado ao câncer de boca e do pâncreas.

Mesmo que você não fume, a exposição à fumaça do cigarro (fumante passivo) pode aumentar o risco de câncer de pulmão.

Evitar o cigarro – ou decidir parar de usá-lo – é uma fundamental na prevenção do câncer.

Existem tratamentos e recursos medicamentosos para auxiliar os fumantes a abandonarem a dependência da nicotina. Muitas das vezes a busca por ajuda profissional é altamente recomendável.

2. Alimentação saudável

Embora fazer seleções saudáveis no supermercado e na hora das refeições não garanta a prevenção do câncer, isso pode reduzir o risco. Considere estas sugestões:

  • Coma muitas frutas e legumes;
  • Baseie sua dieta em frutas, legumes e outros alimentos de fontes vegetais – como grãos integrais e feijões;
  • Evite a obesidade: procure se alimentos mais leves e com baixo teor calórico. Evite açúcar refinado e gordura de origem animal.
  • Moderação com o álcool: Se for consumir álcool o faça com moderação. O risco de vários tipos de câncer – incluindo câncer de mama, cólon, pulmão, rim e fígado – aumenta com a quantidade de álcool que você bebe e com o tempo que vem sendo ingerido em excesso.
  • Limite o consumo de carnes processadas: Um relatório da Agência Internacional para Pesquisa do Câncer, a agência de câncer da Organização Mundial da Saúde, concluiu que o consumo de grandes quantidades de carne processada pode aumentar o risco de certos tipos de câncer. Mulheres que seguem uma dieta mediterrânea com azeite de oliva extra virgem e castanhas podem ter um risco reduzido de câncer de mama. A dieta mediterrânea concentra-se principalmente em alimentos à base de plantas, como frutas e legumes, grãos integrais, legumes e nozes. As pessoas que seguem a dieta mediterrânea fazem escolhas saudáveis: escolhem gorduras do bem, como azeite, em vez de manteiga, e peixe, em vez de carne vermelha.

3. Mantenha um peso saudável e seja fisicamente ativo

Manter um peso saudável pode diminuir o risco de vários tipos de câncer, incluindo câncer de mama, próstata, pulmão, cólon e rim.

A atividade física também conta. Além de ajudá-lo a controlar seu peso, a atividade física por si só pode diminuir o risco de câncer de mama e câncer de cólon.

Os adultos que participam de qualquer quantidade de atividade física obtêm benefícios à saúde.

Para usufruir dos benefícios da prática de atividade física adotar uma rotina saudável é essencial. Assim, procure reservar pelo menos 150 minutos por semana para uma atividade aeróbica moderada ou 75 minutos por semana de atividade aeróbica vigorosa.

Você também pode fazer uma combinação de atividade moderada e vigorosa.
Como objetivo geral, inclua pelo menos 30 minutos de atividade física em sua rotina diária – e se você puder fazer mais, melhor ainda.

4. Proteja-se do sol

O câncer de pele é um dos tipos mais comuns de câncer – e um dos mais evitáveis. Seguem algumas dicas.

  • Evite o sol do meio-dia: Fique longe do sol entre as 10h e as 16h, quando os raios do sol são mais fortes.
  • Fique na sombra: Quando estiver ao ar livre, fique na sombra o máximo possível. Óculos de sol e um chapéu de abas largas também ajudam.
  • Cubra as áreas expostas: Use roupas largas e bem tecidas que cubram o máximo possível de sua pele. Opte por cores vivas ou escuras, que refletem mais radiação ultravioleta do que os pastéis ou o algodão branco.
  • Não economize no protetor solar: Use um filtro solar de amplo espectro com um FPS de pelo menos 30, mesmo em dias nublados. Aplique protetor solar generosamente e aplique novamente a cada duas horas – ou mais frequentemente se estiver nadando ou suando.
  • Evite o bronzeamento artificial: as câmaras de bronzeamento artificial são tão prejudiciais quanto a luz solar natural em seus horários de intensidade máxima.

5. Não esqueça de se vacinar

A prevenção do câncer inclui proteção contra certas infecções virais. Duas vacinas que não podem faltar:

  • Hepatite B: A hepatite B pode aumentar o risco do desenvolvimento do câncer de fígado. A vacina contra a hepatite B é recomendada para certos adultos de alto risco – como adultos sexualmente ativos, mas que não mantêm relações mutuamente monogâmicas, pessoas com infecções sexualmente transmissíveis, pessoas que usam drogas intravenosas, e assistência médica ou profissionais de segurança pública que possam ser expostos a sangue ou fluidos corporais infectados.
  • HPV: O HPV é um vírus sexualmente transmissível que pode levar ao câncer de colo uterino e de outros órgãos genitais, bem como a células escamosas da cabeça e pescoço. A vacina contra o HPV é recomendada para meninas e meninos. A Food and Drug Administration dos EUA aprovou recentemente o uso da vacina Gardasil 9 para homens e mulheres com idades entre 9 e 45 anos.

6. Evite comportamentos de risco

Procure evitar comportamentos de risco que podem levar a infecções que, por sua vez, podem aumentar o risco de câncer.

  • Pratique sexo seguro: Limite o número de parceiros sexuais e use camisinha ao fazer sexo. Quanto mais parceiros sexuais você tiver em sua vida, maior a probabilidade de contrair uma infecção sexualmente transmissível – como HIV ou HPV. Pessoas que têm HIV ou AIDS têm um risco maior de câncer de ânus, fígado e pulmão. O HPV é mais frequentemente associado ao câncer do colo do útero, mas também pode aumentar o risco de câncer do ânus, pênis, garganta, vulva e vagina.
  • Não compartilhe agulhas: Compartilhar agulhas com pessoas que usam drogas intravenosas pode levar ao HIV, bem como à hepatite B e hepatite C. Isso pode aumentar o risco de câncer de fígado. No caso de dependência química, recomenda-se a busca por ajuda profissional.

7. Vá ao médico e faça exames regularmente

Autoexames e exames regulares para vários tipos de câncer – como câncer de pele, cólon, colo do útero e mama – podem aumentar as chances de descoberta do câncer mais cedo. Exames são fundamentais na detecção precoce do câncer.
Como já vimos anteriormente, a detecção precoce do câncer é o melhor de todos os remédios para a sua prevenção. Isso porque as chances do tratamento ser bem sucedido passam a ser muito grandes.

Fontes: The Oral Cancer Foundation, Mayo Clinic
Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

Sorrisos perfeitos existem: conheça as facetas dentárias

facetas dentárias

As facetas dentárias são finas próteses de resina ou porcelana. Apresentam grande resistência à mastigação.
Aderem à superfície dentária, cobrindo o dente.

Dão ao sorriso uma aparência atrativa e natural. São excelentes corrigir dentes manchados, fraturados, desiguais, desalinhados.
E até mesmo para fechar aquelas áreas de espaço extra entre dois ou mais dentes (diastemas). São soluções perfeitas para todos esses casos.

As facetas dentárias são um dos tratamentos mais procurados nos últimos anos. A odontologia estética é um segmento em franca expansão no âmbito da odontologia.

Facetas dentárias são também utilizadas para dissimular problemas variados.
Problemas oriundos de patologias como a cárie, desgaste do esmalte dentário, alterações da cor ou deficientes restaurações anteriores. As facetas dentárias melhoram visivelmente – e com resultados imediatos – o aspecto dos dentes.

Sua colocação é possível tanto na parte superior como inferior da arcada dentária. São aderidas por meio de uma resina especial.
Já nos molares e pré-molares, são em geral colocadas coroas dentárias devido à sua dureza e durabilidade.

Facetas dentárias, é importante salientar, não são indicadas para solucionar doenças bucodentárias. Elas simplesmente mascaram os problemas.

Portanto, antes da sua colocação, quaisquer anomalias têm de ser corrigidas. Isso evita riscos potenciais e problemas futuros.

Finalidades e usos das facetas dentárias

No âmbito a odontologia estética, as facetas dentárias têm as seguintes funções:

  • Cobrir espaços inter dentários, desvios;
  • Ocultar fraturas, imperfeições e fendas;
  • Dissimular dentes tortos, sobrepostos ou apinhados. Porém em casos muito graves, um tratamento ortodôntico será necessário;
  • Embelezar o sorriso melhorando a cor e tornando a dentição muito mais branca.

Colocação de facetas dentárias

A colocação de facetas dentárias não é dolorosa. Em determinados momentos do procedimento, porém, pode gerar um certo incômodo. Naquelas situações passíveis de dor, é aplicada anestesia local quando necessária. É uma situação possível, porém não habitual.

Tipos de facetas dentárias

Os dois materiais mais comumente usados na fabricação das facetas dentárias são a resina e a porcelana.

Facetas de porcelana

As facetas dentárias de porcelana são uma solução utilizada para melhorar a estética bucal.
São utilizadas geralmente para reparar imperfeições graves. Elas permitem corrigir problemas de tamanho, forma ou coloração dos dentes.
Apresentam muitas vantagens: não mudam de cor, não perdem o brilho, não se desgastam e melhoram a aparência do sorriso.

Para a sua colocação, é preciso desgastar ligeiramente a peça dentária.
São necessárias ao menos três sessões de atendimento odontológico.

Na primeira sessão é feita uma avaliação e moldagem. Pode ser através scanner bucal ou pelo método tradicional.As alterações necessárias nos dentes são feitas por meio de um programa de computador ou pelo protético, que faz os dentes em cera.

Se o molde for feito pelo protético, copiam-se os dentes em cera que são reproduzidos em resina bisacrílica na boca.

Se for realizado por meio de scanner bucal, as alterações dentárias são feitas no computador.

O dentista conversa com o paciente sobre cor, formato, tamanho e posição dos dentes.

Ao final, envia-se o modelo para o protético para que o mesmo seja manualmente reproduzido. Já no caso do scanner bucal, o envio se faz para uma fresadora e esta reproduz nos mínimos detalhes o que foi planejado.

Esse é o procedimento padrão na grande maioria dos países.

Aplicação das facetas de porcelana

Uma vez as facetas estando prontas, segue-se a fase de colocação. É sempre recomendável que o dentista realize uma prova junto com o paciente para se certificar de que as facetas de porcelana estão adequadas.

Para a colocação das facetas de porcelana é necessário se fazer um desgaste no dente (frente do mesmo). Um desgaste leve, irá possibilitar a colocação sem necessidade de anestesia.

Para casos que requeiram um desgaste mais profundo, o ideal é se valer da anestesia. Isso para evitar que o produto utilizado na preparação do dente (ácido) possa atingir a dentina. Isso evitará qualquer tipo de dor e desconforto para o paciente.

Três sessões

Em geral, são necessárias ao menos três sessões para a colocação das facetas de porcelana.
A primeira delas para produzir os dentes em resina bisacrílica e ver se atendo as necessidades do paciente.
A segunda sessão para o preparo e moldagem dos dentes. E uma terceira sessão para colocação destinada à prova dos dentes.

A etapa de prova é importante tendo em vista que a odontologia estética implica em atender aos requisitos do dentista e anseios do paciente.

Após as eventuais alterações feitas pelo protético, virá a etapa de colocação das facetas de porcelana.

facetas dentárias

Dissilicato de lítio

O dissilicato de lítio é sem duvida um material revolucionário. Ele possibilita a realização de tratamentos estéticos de uma forma simples e eficiente através da cimentação adesiva.
O dissilicato tem um alto poder de aderência ao esmalte e dentina. Permite que o dentista realize uma série de procedimentos odontológicos. Possibilita restaurações muito finas e resistentes sem risco de quebras e descolamentos.

Facetas de resina

São confeccionadas numa única sessão pelo dentista. São mais rápidas e baratas. No entanto, a médio prazo, perdem o brilho. Também podem sofrer ligeiras alterações de cor, desgastam-se e podem mesmo fraturar-se. Retoques são necessários no período de cinco a oito anos.

Vantagens das facetas de porcelana

  • Dão uma aparência natural ao dente;
  • O tecido gengival tolera bem a porcelana;
  • Facetas de porcelana são resistentes a manchas;
  • A cor do revestimento da porcelana pode ser selecionada de forma a tornar os dentes escuros mais brancos;
  • As facetas de porcelana geralmente não exigem a modelagem extensa antes do procedimento como no caso das coroas. São uma alternativa mais resistente e estética.

Desvantagens das facetas de porcelana

  • É um processo irreversível;
  • As facetas de porcelana são mais caras que as facetas de resina;
  • Embora muito resistentes, as facetas de porcelana são suscetíveis a lascas ou rachaduras;
  • O desgaste feito do esmalte dental para colocação das facetas pode aumentar a sensibilidade a alimentos e bebidas quentes e frias;
  • As facetas podem não corresponder exatamente à cor dos outros dentes. Além disso, a cor da faceta não pode ser alterada uma vez no local. Se o paciente planeja clarear os dentes, precisa fazê-lo antes da colocação das facetas;
  • Embora não seja provável, as facetas podem desalojar e cair.
    Para minimizar esse risco é importante adotar alguns cuidados.Assim, evite morder as unhas, mastigar lápis ou tampa de caneta, gelo ou outros objetos duros. Não exercer pressão excessiva sobre os dentes;
  • Os dentes com facetas ainda podem sofrer cáries. Nesse caso podem necessitar de uma cobertura total do dente com uma coroa;
  • As facetas não são uma boa opção para indivíduos com dentes pouco saudáveis.Por exemplo, aqueles com cárie ou doença gengival ativa, dentes enfraquecidos (como resultado de cáries, fraturas, obturações dentárias grandes). E também para aqueles que possuem uma quantidade inadequada de esmalte na superfície dos dentes;
  • Não é recomendável a indivíduos que sofrem de bruxismo. Isso porque apertar e ranger os dentes podem causar rachaduras ou lascas.
Fontes: Dentaleader,Webmd, minha vida

 

Posted by Victor in Dicas, 0 comments
Load more