90% dos casos de câncer são causados por estilo de vida e não genética

estilo de vida
Cortando os fatores externos e ambientais tais como fumar, beber, exposição ao sol e poluição do ar, nove em cada dez casos de câncer poderiam ser evitados, concluiu nova investigação. Na sequência dos resultados do estudo, influências externas parecem ter um impacto muito maior do que se pensava anteriormente, o que significa que muitos cânceres podem ser mais evitáveis se são feitas mudanças no estilo de vida.
 
Pesquisas anteriores sugeriram que as mutações randômicas das células desempenharam um papel significativo no desenvolvimento de tumores, uma descoberta apelidada de “hipótese da má sorte”. No entanto, um novo estudo da Universidade Stony Brook em Nova York sugere que a incidência de câncer é demasiado elevada para ser explicada pelas simples mutações na divisão celular.
 
Embora alguns cânceres raros possam ser conduzidos por mutações genéticas, as doenças mais prevalentes são ligadas a fatores ambientais, encontrou o estudo. Segundo o Dr. Yusuf Hannun, um pesquisador de câncer na Universidade Stony Brook, os novos resultados fornecem evidências de que fatores intrínsecos de risco contribuem apenas modestamente para o risco de câncer global, variando entre 10 e 30 por cento. Estes números são suportados por estudos anteriores que demonstraram como os imigrantes se movendo de países com baixa incidência de câncer para países com uma elevada incidência de câncer, logo desenvolvem as mesmas taxas de tumor, sugerindo que os riscos são ambientais em vez de genético ou biológico.
 
O prof. Paulo Pharoah, Professor de Epidemiologia do Câncer na Universidade de Cambridge, disse: “Estes achados não têm quaisquer implicações para o tratamento do câncer, mas eles não nos dizem que a maior parte dos cânceres seriam evitáveis se soubéssemos todos os fatores de risco extrínsecos que causam doenças”.

O que os estudos mostram

 Vários estudos têm demonstrado que alguns tipos de câncer são afetados por fatores externos muito mais do que outros. No câncer colorretal, por exemplo, 75 por cento do risco de desenvolver a doença se acredita ser ligado à dieta. Considerando que, 86 por cento do risco de câncer de pele é baixo para a exposição solar e 75 por cento de chances de desenvolver câncer de cabeça e pescoço é devido ao tabaco e álcool, sugere a pesquisa.
 
A nível mundial, uma estimativa de 8,2 milhões de pessoas morreram de câncer em 2012, de acordo com as estatísticas do Cancer Research UK. Mais da metade das mortes por câncer a nível mundial ocorreu em países com baixo ou médio nível do Índice de Desenvolvimento Humano. Quanto à mortalidade por diferentes tipos de câncer, pulmão, fígado, estômago e intestino são as causas mais comuns de morte por câncer no mundo, sendo responsáveis por quase metade de todas as mortes por câncer.
 
O estudo intitulado “Contribuição substancial de fatores extrínsecos de risco ao desenvolvimento do câncer”, foi publicado online em 16 de dezembro na revista Nature.

Deixe uma resposta