Atletas podem ter má saúde bucal

saúde bucal dos atletas de elite

Eles escovam os dentes frequentemente. No entanto, a saúde bucal de atletas pode não ser boa. Isso quando comparados ao restante da população.
É o que foi constatado em um trabalho recente publicado pela London’s Global University.

O mau uso do computador, também já foi noticiado aqui no blog Dentalis como um elemento que pode prejudicar muito a saúde bucal.

Os pesquisadores do UCL Eastman Dental Institute analisaram 352 atletas olímpicos e profissionais. Isso em 11 modalidades: ciclismo, natação, rugby, futebol, remo, hóquei, vela e atletismo.
Foram realizados check-ups dentais para atletas masculinos e femininos que verificavam cáries, saúde das gengivas e erosão ácida.

Os atletas também foram questionados sobre o que eles faziam para manter a boca, dentes e gengivas saudáveis.

Análises odontológicas

As análises odontológicas revelaram que de fato a saúde bucal de atletas de elite não é nada boa. Como aliás já relatado em um artigo de 2018.
Constatou-se que (49,1%) apresentavam cárie dentária não tratada.
A grande maioria mostrou sinais precoces de inflamação gengival. Quase um terço (32%) relatou que sua saúde bucal teve um impacto negativo em seu treinamento e desempenho.

Apesar do cuidado que têm com os dentes, atletas de elite têm problemas. Neste novo estudo 94% relataram escovar os dentes pelo menos duas vezes por dia. 44% relataram limpeza regular entre os dentes (uso do fio dental). São números bem superiores se comparados à população em geral. Ou seja: 75% para escovação duas vezes ao dia e 21% para uso do fio dental.

saúde bucal dos atletas de elite

Descobertas sobre a saúde bucal dos atletas de elite

A pesquisa evidenciou que os atletas usam regularmente bebidas esportivas (87%). Também barras energéticas (59%). E também géis energéticos (70%). Todos com capacidade de causar danos aos dentes.

Os atletas pesquisados mantém bons hábitos relacionados à saúde bucal. Escovam os dentes duas vezes por dia. Também visitam o dentista regularmente. Não fumam e têm uma dieta geral saudável.

No entanto, fazem uso de bebidas esportivas, géis e barras energéticas frequentemente durante o treinamento e a competição.
O açúcar nesses produtos aumenta o risco de cáries. A acidez deles aumenta o risco de erosão.
Isso pode estar contribuindo para os altos níveis de cáries e erosão dentária.

O estudo baseia-se em pesquisas realizadas pelo Centro desde as Olimpíadas de Londres 2012.
Resultados anteriores sugeriram que atletas de elite também podem enfrentar um risco elevado de doença bucal por causa da boca seca (xerostomia) durante o treinamento intensivo.

Disposição em melhorar a higiene dental

Os atletas pesquisados consideraram adotar hábitos de higiene bucal ainda melhores para resolver essa questão. Um estudo de intervenção já foi iniciado.

Os atletas demonstraram disposição em realizar mudanças de comportamento. Como por exemplo, o uso adicional de flúor no enxaguatório bucal. Também visitas ao dentista ainda mais frequentes. E redução na ingestão de bebidas esportivas, para melhorar a saúde bucal.

Estudo de intervenção

Posteriormente, com a participação de alguns atletas deu-se início a um estudo de intervenção. Isso como base na teoria moderna de mudança de comportamento.

O estudo de intervenção está em curso e em breve os resultados serão tornados públicos. Aí então saberemos o quanto as intervenções promovidas poderão melhorar a saúde bucal de atletas. Especialmente daqueles que encaram a prática esportiva de uma forma muito séria.

Fonte: UCL

Deixe uma resposta