Bactéria associada à doença periodontal pode interferir com a gravidez de mulheres jovens

O estudo foi publicado na revista científica Journal of Oral Microbiology e contou com a participação de 256 mulheres entre os 19 e os 42 anos de idade que haviam deixado de recorrer a todos os métodos contraceptivos com o objetivo de engravidar.

Além de entrevistas sobre o histórico médico, hábitos de consumo de tabaco, higiene bucal, consultas odontológicas e situação socioeconômica, o estudo colocou seu foco sobre o estado de saúde bucal de cada uma das pesquisadas, através de check-ups dentários que avaliaram a presença de cáries dentárias e de doença periodontal.

Por outro lado, e para detectar a presença de patóegenos associados com a doença periodontal, cada uma das pacientes pesquisadas foi submetida a uma coleta de saliva e a exames ginecológicos. Depois, cada uma das pacientes foi acompanhada durante um período de 12 meses para verificar se haviam engravidado ou não.

Resultados

Os resultados agora conhecidos mostram que a presença do agente patogênico “Porphyromonas gingivalis” na saliva revelou-se mais comum entre as pacientes que não engravidaram do que nas pacientes que acabaram por engravidar no decorrer do estudo (8,3% vs 2,1%). Além disso, é importante dizer que os níveis de anticorpos salivares contra esse agente patogênico eram significativamente superiores nas mulheres que não engravidaram.

Deixe uma resposta