Descoberta ligação entre bactérias da boca e enxaqueca

mulher com enxaquecaDores de cabeça e enxaquecas em particular são problemas comuns, afetando o bem estar e a qualidade de vida de milhões de pessoas em todo o mundo. Novas pesquisas tem demonstrado que as pessoas que sofrem de enxaquecas têm consideravelmente mais bactérias na sua boca com a capacidade de modificar os nitratos do que pessoas que não sofrem de enxaquecas.

Para o estudo, os pesquisadores sequenciaram bactérias em 172 amostras orais e 1.996 amostras fecais e constataram que espécies bacterianas foram encontradas em diferentes quantidades entre as que dão enxaqueca ou não. Uma nova análise das amostras orais mostrou que genes que codificam nitrato, nitrito e enzimas relacionadas com óxido nítrico foram significativamente mais abundantes nas que dão enxaqueca.

Os compostos que contêm nitrato têm sido identificados como gatilhos para cefaléia comum. Eles podem ser encontrados em alimentos como carnes processadas e os vegetais de folha verde e em certos medicamentos. Bactérias orais podem reduzir os nitratos a nitritos e quando circulantes no sangue, estes nitritos podem então ser convertidos para o óxido nítrico, sob certas condições.

Embora os resultados indiquem que existe uma potencial ligação entre bactérias redutoras de nitrato na cavidade oral e enxaquecas, são necessárias novas investigações para verificar se essas bactérias são uma causa ou resultado de enxaquecas, ou estão indiretamente ligadas de alguma outra forma, disseram os pesquisadores.

Enxaqueca: 1 bilhão de pessoas sofrem em todo o mundo

De acordo com a Migraine Research Foundation (Fundação de Pesquisa de Enxaqueca), cerca de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo (38 milhões nos Estados Unidos somente) sofrem de enxaqueca. É portanto a terceira doença mais prevalente no mundo. No entanto, mais de metade de todos os doentes de enxaqueca nunca são diagnosticados, bem como a grande maioria não procura cuidados médicos.

O estudo intitulado “Enxaquecas são correlacionados com os níveis mais altos de nitrato-, nitrito e óxido nítrico na redução micróbios orais na American Gut Project Cohort”, foi publicado on-line no dia 18 de outubro em mSystems, uma revista de acesso aberto publicada pela American Society for Microbiology. Ele foi realizado na Universidade da Califórnia, na Faculdade de Medicina de San Diego. ​

Deixe uma resposta