Descoberta ligação entre o microbioma da língua e o câncer de pâncreas

O câncer de pâncreas é tipicamente uma forma agressiva da doença, com uma taxa de sobrevida de apenas 5 anos.
Diagnosticar o câncer de pâncreas em seus estágios iniciais pode ajudar as pessoas a receber tratamento mais rapidamente, mas que tipo de teste funcionaria melhor?

O National Cancer Institute (NCI) –  – relatou que aproximadamente 1,6% dos adultos nos Estados Unidos receberão um diagnóstico de câncer no pâncreas durante sua vida.

Eles também estimam que existiam 55.440 novos casos de câncer pancreático no país somente em 2018.

O NCI observa que a taxa de sobrevivência de 5 anos para pessoas que foram submetidas a tratamento para câncer de pâncreas é de apenas 8,5%.

Isso significa que é de extrema importância que os pesquisadores encontrem tratamentos mais eficazes e melhores formas de identificar a presença dessa forma de câncer em seus estágios iniciais.

A importância do diagnóstico precoce

O diagnóstico precoce do câncer de pâncreas pode ajudar a acelerar o acesso de uma pessoa ao tratamento adequado e aumentar a probabilidade de um resultado positivo.

No entanto, como esse tipo de câncer apresenta poucos sintomas no seu início, ele pode ficar sem ser diagnosticado por um longo tempo.

Microbiota da língua – ferramenta de diagnóstico

Em um estudo recente, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Zhejiang, em Hangzhou, na China, investigou como a microbiota da língua humana poderia atuar como uma ferramenta de diagnóstico para o câncer de pâncreas.

As descobertas dos pesquisadores – que eles relatam no Journal of Oral Microbiology – apontam para dizer diferenças nas populações bacterianas em línguas de pessoas saudáveis versus aquelas de pessoas com câncer pancreático em estágio inicial.

Mudanças específicas nas bactérias orais

Neste estudo, os pesquisadores trabalharam com 30 indivíduos que já haviam recebido o diagnóstico de câncer de pâncreas em seus estágios iniciais, bem como 25 indivíduos saudáveis que atuavam como grupo controle.

Todos os participantes tinham entre 45 e 65 anos, não apresentavam outros problemas de saúde (incluindo problemas de saúde bucal) e nenhum tomava antibióticos ou qualquer outra classe de medicamento durante 3 meses antes do início do estudo.

Os cientistas coletaram amostras de revestimento da língua de cada participante e, em seguida, usaram técnicas especializadas de sequenciamento de genes para analisar sua abundância bacteriana.

Descobertas

Após essa análise, a equipe descobriu que indivíduos com câncer de pâncreas tinham uma microbiota de língua muito diferente, em comparação com seus pares saudáveis. Especificamente, pessoas com câncer pancreático tinham baixos níveis de bactérias Haemophilus e Porphyromonas, mas altos níveis de Leptotrichia e Fusobacterium.

“Embora mais estudos confirmatórios sejam necessários, nossos resultados se somam à crescente evidência de uma associação entre rupturas no microbioma e câncer pancreático”, observa o principal autor do estudo, Dr. Lanjuan Li.

“Se uma associação entre as bactérias discriminatórias e o câncer de pâncreas for confirmada em estudos maiores, isso poderia levar ao desenvolvimento de novas ferramentas preventivas ou de diagnóstico precoce baseadas em microbiomas para a doença”, acrescenta.

O sistema imunológico pode ser a chave do problema

Quanto ao motivo pelo qual as pessoas com câncer de pâncreas podem ter um modelo distinto de microbioma oral, os pesquisadores especulam que o desenvolvimento de câncer no pâncreas pode afetar o sistema imunológico.

Por sua vez, essas mudanças no sistema imunológico podem facilitar o crescimento de certas bactérias sobre outras.

Determinar a ligação exata entre esta forma de câncer e o conteúdo do microbioma bucal exigirá mais pesquisas. No entanto, os cientistas esperam que o estudo atual os tenha colocado no caminho certo para desenvolver melhores ferramentas de diagnóstico e novas abordagens terapêuticas.

Estudos existentes já sugeriram que existe uma conexão entre a saúde do pâncreas e a abundância bacteriana no intestino e que a comunicação entre os dois é estabelecida através do sistema imunológico.

No entanto, esta é a primeira vez que os pesquisadores analisaram como as bactérias na língua de uma pessoa podem indicar a presença de câncer pancreático.

Fonte: Medical News Today

Deixe uma resposta