Descoberta que pode dar fim à placa dental bacteriana

Um grupo de pesquisadores das faculdades de Ciências e Tecnologia (FCTUC) e de Medicina (FMUC) da Universidade de Coimbra anunciaram em Dezembro de 2018 o desenvolvimento de uma tecnologia baseada em uma molécula orgânica natural com capacidade de impedir a formação de placa bacteriana, processo que leva ao desenvolvimento das cáries dentárias.

A placa dental é um biofilme estrutural e funcionalmente organizado. A placa se forma de forma ordenada e possui uma composição microbiana diversificada que, em saúde, permanece relativamente estável ao longo do tempo (homeostase microbiana).

As espécies predominantes de sítios doentes são diferentes daquelas encontradas em locais saudáveis, embora os patógenos possam ser detectados em números baixos em locais normais. Na cárie dentária, há uma mudança em direção à dominância da comunidade por espécies acidogênicas e tolerantes ao ácido, como os streptococcus mutans e os lactobacilos, embora outras espécies com características relevantes possam estar envolvidas.

Biofilme

As estratégias para controlar a cárie podem incluir a inibição do desenvolvimento de biofilme (por exemplo, prevenção de ligação de bactérias cariogênicas, manipulação de mecanismos de sinalização celular, administração de antimicrobianos eficazes, etc.), ou aumento das defesas do hospedeiro. Além disso, essas abordagens mais convencionais poderiam ser aumentadas pela interferência nos fatores que permitem que as bactérias cariogênicas escapem dos mecanismos homeostáticos normais que restringem seu crescimento na placa e competem com os organismos associados à saúde. Evidências sugerem que condições regulares de baixo pH na placa selecionam os estreptococos mutans e os lactobacilos.
Portanto, a supressão do catabolismo de açúcar e produção de ácido pelo uso de inibidores metabólicos e adoçantes artificiais não fermentáveis ​​em salgadinhos, ou a estimulação do fluxo de saliva, poderia auxiliar na manutenção da homeostase na placa bacteriana.

Placa bacteriana

A placa dentária se forma por meio de uma sequência ordenada de eventos, resultando em uma comunidade microbiana rica em espécies, estruturalmente e funcionalmente organizada. Estágios distintos na formação da placa incluem: formação de película adquirida; adesão reversível envolvendo interações físico-químicas fracas e de longo alcance entre a superfície celular e a película, o que pode levar a uma fixação mais forte mediada por receptor-adesão; co-adesão resultando na ligação de colonizadores secundários a células já aderidas; multiplicação e formação de biofilme (incluindo a síntese de exopolissacarídeos) e, ocasionalmente, descolamento. O aumento do conhecimento sobre os mecanismos de fixação e co-adesão bacteriana pode levar a estratégias para controlar ou influenciar o padrão de formação de biofilme.

Os análogos podem ser sintetizados para bloquear a adesão ou co-adesão do receptor de adesina, e as propriedades das superfícies de colonização podem ser quimicamente modificadas para torná-las menos propícias à colonização microbiana. No entanto, as células podem expressar vários tipos de adesina, de modo que, mesmo se uma adesina principal estiver bloqueada, outros mecanismos de ligação podem ser invocados. Além disso, embora a adesão seja necessária para a colonização, as proporções finais de uma espécie dentro de um biofilme de cultura mista, como a placa dentária, dependerão, em última análise, da capacidade de um organismo de crescer e superar as células vizinhas.

Homeostase bacteriana

Uma vez formada a placa, sua composição de espécies em um local é caracterizada por um grau de estabilidade ou equilíbrio entre as espécies componentes, apesar de estresses ambientais regulares menores, por exemplo, de componentes dietéticos, higiene bucal, defesas do hospedeiro, mudanças diurnas no fluxo de saliva, Esta estabilidade (denominada homeostase microbiana) não é devida a qualquer indiferença biológica entre os organismos residentes, mas é devido a um equilíbrio imposto por inúmeras interações microbianas, incluindo exemplos de sinergismo e antagonismo.

Estes incluem interações bioquímicas convencionais, tais como as necessárias para catabolizar glicoproteínas hospedeiras complexas e para desenvolver cadeias alimentares, mas, além disso, pode ocorrer sinalização célula-célula mais subtil. Essa sinalização pode levar à expressão gênica coordenada dentro da comunidade microbiana, e essas estratégias de sinalização estão sendo vistas atualmente como alvos potenciais para novas terapias.

Mudança de paradigma

A metodologia criada pelos pesquisadores portugueses se chama ‘biolocker‘ deverá chegar ao mercado dentro de dois anos segundo seus desenvolvedores, o que representará uma mudança de paradigma na higiene bucal, prevenindo a formação precoce da placa bacteriana, sem efeitos antimicrobianos, ao contrário das soluções de cuidados orais clássicas.

Os cientistas portugueses explicam que os atuais métodos de tratamento eliminam as boas e as más bactérias, o que pode danificar a flora bucal, que é extremamente benéfica para a saúde geral do organismo.

A inovação está neste momento em processo de registro de patente internacional e se distingue, sobretudo, pela capacidade de bloquear as principais interações bacterianas que ocorrem após a ingestão de alimentos, ou seja, impossibilita a ação das bactérias que lideram o processo de formação da placa bacteriana, as designadas colonizadoras iniciais.

“Como estas bactérias (gênero streptococcus) funcionam como alicerce, ao retirar a âncora impedimos que todas as bactérias consigam se fixar”, acrescentam ainda os cientistas de Coimbra.

Fontes: Universidade de Coimbra e NCBI
Dentalis software – garante mais tempo pra você e seus pacientes

Deixe uma resposta