O doce do bem que pode ser saudável para os dentes

doce do bem

Será que existe mesmo um doce do bem?

Afinal, doces e cáries sempre estiveram atrelados em nossa mente como uma péssima combinação.
Desde crianças somos alertados de que não devemos comer doces em excesso. Isso por que muitos doces podem causar cáries.

Doces e cáries – tem uma bactéria no meio dessa história

Na verdade, não são exatamente os doces que causam cáries, mas sim as bactérias na superfície do dente que causam as cáries.

Sabe-se que reduzindo a quantidade de bactérias causadoras de cáries, o número de cáries deverá diminuir.

E cáries podem se transformar num problema ainda mais grave. Isso dado o risco de serem a origem da periodontite.

Doces do bem – sua origem

Profissionais da empresa de biotecnologia de Berlim Organobalance desenvolveram um doce do bem que pode fazer isso. Este doce do bem contém bactérias mortas que se ligam às bactérias com maior probabilidade de causar cáries. Os indivíduos que comeram o doce do bem apresentaram níveis reduzidos de bactérias “ruins” na boca. A pesquisa aparece em “Probióticos e proteínas antimicrobianas“.

Ação das bactérias nos dentes

Depois de comer, as bactérias aderidas à superfície dos dentes liberam ácido. Lentamente, esse ácido dissolve o esmalte dos dentes. À medida que o esmalte se desgasta, podem surgir cáries.

A cepa de bactérias com maior probabilidade de causar cáries é o estreptococo mutans.
Quando você mastiga, você derrama estreptococos mutans na sua saliva. Engolir ou cuspir a saliva remove algumas bactérias da boca depois do término da mastigação.
No entanto, as bactérias restantes se conectam novamente aos dentes.

Lactobacillus paracasei – a bactéria do bem

Pesquisadores observaram que uma outra bactéria, o Lactobacillus paracasei, reduz os níveis de estreptococos mutans e diminui o número de cáries em ratos. Essa bactéria é encontrada naturalmente no kefir.
Um açúcar na superfície de L. paracasei se liga a estreptococos mutans.
Essa ação impede que os estreptococos mutans se reconectem aos dentes.

A pesquisa

Para verificar se a L. paracasei poderia ajudar a prevenir cáries nas pessoas, os pesquisadores desenvolveram um doce sem açúcar contendo amostras das bactérias mortas pelo calor. Eles então testaram o doce em um grupo de 60 voluntários. Um terço comeu balas com um miligrama de L. paracasei, um terço comeu balas com dois miligramas e um terço comeu balas que tinham o mesmo sabor, mas não continham bactérias.

Resultado do experimento

Cada um dos indivíduos comeu cinco doces durante um período de um dia e meio. No final do experimento, cerca de três quartos dos voluntários que haviam comido balas com bactérias tinham níveis significativamente mais baixos de estreptococos mutans na saliva do que no dia anterior. Indivíduos que consumiram balas com dois miligramas de bactérias apresentaram uma redução nos níveis de estreptococos mutans logo depois já de comer o primeiro doce.

Doce do bem que evita cáries

Os pesquisadores apontam que eles, usando bactérias mortas, foram capazes de evitar problemas que as bactérias vivas poderiam ter causado. Matar o L. paracasei não destrói o açúcar presente em sua superfície que se liga aos estreptococos mutans.
A L. paracasei também não se liga a bactérias orais benéficas.
Isso faz com que seja uma melhor escolha para prevenção de cáries do que outros probióticos.

O que vem por aí

O uso da bactéria L. paracasei em sua forma inativa (morta) em balas ou chicletes abre um novo caminho. Quando produtos como esse se tornarem realidade em nossos mercados a associação doces e cáries poderá, ao menos, ser vista com olhar mais crítico. Afinal, existirão ainda doces que poderão servir de substrato para bactérias causadoras de cáries.

E outros que, ao contrário, poderão justamente serem chamados de doce do bem, pois poderão prevenir as cáries ao invés de causá-las. Certamente serão uma melhor opção do que o uso indiscriminado de adoçantes artificiais que, apesar de não cariogênicos, podem trazer consequências.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware,  no Face @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fonte: National Center for Biotechnology Information

Deixe uma resposta