Como o exercício pode melhorar a saúde bucal?

exercício pode melhorar a saúde bucal
Saber que o exercício pode melhorar a saúde bucal pode à princípio parecer um tanto estranho, não é mesmo?
O exercício, como sabemos, tem muitos benefícios documentados, incluindo sua capacidade de reduzir o risco de doenças cardíacas, obesidade, diabetes tipo 2 e alguns tipos de câncer.
Pesquisas indicam que o exercício pode melhorar a saúde bucal.
Um estudo publicado no Journal of Dentistry mostrou que a atividade física pode melhorar a saúde bucal, no caso, a periodontal.
Para ser mais preciso, as pessoas que se exercitavam regularmente tinham uma probabilidade 54% menor de desenvolver periodontite em comparação com aquelas que levavam vidas sedentárias.
A Pesquisa Nacional de Exame de Saúde e Nutrição também revelou que as pessoas que se exercitam três vezes por semana ou menos também poderiam obter benefícios, o que significa que têm uma probabilidade 33% menor de desenvolver periodontite.

Índice de massa corporal (IMC) e saúde bucal

Existe um vínculo importante entre o Índice de Massa Corporal (IMC) dos indivíduos e sua saúde bucal.
Um estudo publicado no Journal of Periodontology descobriu que pessoas que mantêm um peso normal e praticam a quantidade recomendada de exercício tiveram uma probabilidade 40% menor de desenvolver periodontite.
Outros comportamentos que melhoram a saúde se relacionam ao consumo de uma dieta saudável ao estilo mediterrâneo, com baixo teor de açúcar refinado e alto teor de fibras, frutas, vegetais e gorduras saudáveis.

Exercício pode melhorar a saúde bucal – como dar início

A quantidade recomendada de exercícios para melhorar a saúde bucal varia de acordo com a idade.
Para a maioria dos adultos saudáveis, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos recomenda cerca de 150 minutos de exercício cardiovascular moderado ou 75 minutos de exercício cardiovascular vigoroso.
O treinamento de força também é fundamental pelo menos duas vezes por semana para os principais grupos musculares.
As pessoas que estão começando devem fazê-lo lentamente, aumentando os tempos e intensidades do treino à medida que progridem.
Aqueles que levantam pesos devem fazê-lo usando um treino aprovado pelo seu instrutor. É bem natural sentir um pouco de dor quando o indivíduo começa a fazer treinos com pesos. Isso se deve ao acúmulo de ácido lático. O alongamento e o aquecimento antes dos exercícios não podem ser esquecidos.

Recíproca também é verdadeira

Sabemos que o exercício pode melhorar a saúde bucal, mas a recíproca também é verdadeira.
Ou seja, cuidar dos dentes pode ajudar a proteger seu coração e, portanto, sua capacidade de permanecer em forma e ativa.
Um estudo recente da Sociedade Europeia de Cardiologia descobriu que escovar os dentes frequentemente está associado a um menor risco de fibrilação atrial e insuficiência cardíaca.
Um possível motivo, segundo os cientistas, é que a escovação frequente reduz a quantidade de bactérias que vivem nas bolsas entre os dentes e as gengivas. Isso mantém as bactérias afastadas da corrente sanguínea.

Nem de mais, nem de menos

 Apesar dos benefícios que o exercício pode ter para a saúde bucal, deve-se evitar os excessos.
Isso porque treinar exaustivamente pode acabar contribuindo para o surgimento de problemas de saúde bucal. Nesse rol podemos listar cáries, por exemplo, decorrentes de erosão do esmalte dental.
Isso porque algumas das principais causas de fraqueza no esmalte estão relacionadas ao consumo de bebidas esportivas ácidas e ao hábito de respirar com a boca aberta durante o treino.
De forma geral, o exercício pode melhorar a saúde bucal. Especialmente a saúde das gengivas.
No entanto, quando realizado intensivamente, pode acabar corroendo o esmalte dental.
Em vez de desistir do exercício, os atletas simplesmente precisam tomar cuidado para evitar bebidas ácidas e respirar pelo nariz. A respiração pela boca pode diminuir a saliva, deixando o esmalte exposto a bactérias nocivas.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware,  no Face @Dentalis.Software e no Twitter @Dentalisnet

Fonte: PubMed

Deixe uma resposta