Flúor na água pode prejudicar adolescentes e bebês

flúor na água

A exposição ao flúor na água pode levar a uma redução na função renal e hepática entre adolescentes. Isso de acordo com um estudo publicado por pesquisadores do Monte Sinai no Environment International em agosto.

O estudo

O estudo examinou a relação entre os níveis de flúor na água potável e sangue com a saúde renal e hepática entre os adolescentes.
A amostragem utilizada foi daqueles adolescentes que participaram da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição. Esse é um grupo de estudos que avalia a saúde e bem-estar nutricional nos Estados Unidos.

Descobertas

As descobertas mostraram que a exposição ao flúor na água pode contribuir para mudanças complexas na função renal e hepática entre os jovens nos Estados Unidos. Naquele país 74% dos sistemas públicos de água adicionam flúor em benefício da saúde dental.

A água fluoretada é a principal fonte de exposição ao flúor nos EUA. Os resultados também sugerem que os adolescentes com pior função renal ou hepática podem absorver mais flúor em seus corpos.

Flúor na água – uma exposição crônica

Outros estudos já demonstraram que uma exposição aumentada do flúor na água em animais e adultos pode resultar em toxicidade renal e hepática.
Este estudo, no entanto, avaliou os efeitos potenciais da exposição crônica de flúor na água em baixos níveis entre os jovens.
O organismo de uma criança excreta apenas 45% do flúor através dos rins que vai parar na urina. Enquanto o organismo dos adultos o elimina a uma taxa de 60%. A maior parte do flúor circulante é acumulado nos rins dos adultos.

Nível ideal de flúor na água – uma questão que precisa ser estudada mais a fundo

Os benefícios odontológicos da adição do flúor são inegáveis e amplamente estabelecidos. O que se está questionando agora é a adequação da adição generalizada de flúor na água ou no sal na América do Norte. As descobertas deste estudo sugerem que pode haver potenciais problemas de saúde renal e hepática a serem considerados. Isso ao se avaliar o uso de flúor na água e níveis apropriados em intervenções de saúde pública. Estudos prospectivos são necessários para examinar o impacto da exposição crônica ao flúor na água em baixo nível nas funções renal e hepática.

Metodologia do estudo

O estudo analisou o flúor medido em amostras de sangue de 1.983 adolescentes. Também o teor de flúor na água da torneira nas casas de 1.742 adolescentes. As concentrações de flúor na água da torneira se mostraram geralmente baixas. No entanto, existem vários mecanismos pelos quais até baixos níveis de exposição ao flúor podem contribuir para a disfunção renal ou hepática.

Esses dados recentes foram combinados com estudos prévios sobre a exposição na infância a níveis mais elevados de flúor.
A partir disso conclui-se que há uma relação dose dependente entre flúor e indicadores de função renal e hepática.

Os achados, se confirmados em outros estudos, sugerem que pode ser importante considerar a função renal e hepática das crianças na elaboração de diretrizes e recomendações de saúde pública quanto aos níveis de adição de flúor na água.

Os riscos associados ao excesso de flúor na água

Efeitos colaterais potenciais à saúde incluem danos no sistema renal, danos ao fígado, disfunção tireoidiana, doença óssea e dentária e metabolismo proteico debilitado.

flúor na água

Adição de flúor na água – um risco para bebês

Um estudo realizado na Universidade de York (Canadá) fez uma descoberta preocupante. Descobriu que os níveis de flúor na urina de gestantes eram duas vezes mais altos naquelas que moram em cidades onde o flúor é adicionado à água potável.

É o primeiro estudo na América do Norte a verificar como o flúor na água contribui para os níveis urinários de flúor elevados em mulheres grávidas.
A pesquisa foi realizada como parte de um estudo maior. Estudo esse que investiga se a exposição precoce ao flúor pode afetar o cérebro dos fetos em desenvolvimento.

Descobriu-se que o flúor na água potável era a principal fonte de exposição para mulheres grávidas que viviam no Canadá. As mulheres que vivem em comunidades fluoretadas têm duas vezes a quantidade de flúor na urina que as mulheres que vivem em comunidades não fluoretadas.

Efeitos do flúor adicionado sobre a gestação – o estudo

No estudo foram recrutadas 2.001 mulheres grávidas entre 2008 e 2011. As mulheres moravam em 10 grandes cidades em todo o Canadá. Sete das cidades (Toronto, Hamilton, Ottawa, Sudbury, Halifax, Edmonton e Winnipeg) adicionaram flúor à água municipal, enquanto três (Vancouver, Montreal e Kingston) não o fizeram.

Amostras de urina foram coletadas durante cada trimestre da gravidez para mais de 1.500 mulheres. Os níveis de flúor nas estações municipais de tratamento de água que forneciam água para a casa de cada mulher foram obtidos. Informações sobre a demografia, estilo de vida e histórico médico de cada mulher também foram coletadas.

Além do flúor na água

Além da água fluoretada, as fontes de flúor incluíam cremes dentais, enxaguantes bucais, bem como bebidas processadas e alimentos, especialmente aqueles feitos com água fluoretada.
Além da água, produtos como chá já foram encontrados anteriormente com altas concentrações de flúor natural.

Neste estudo, o nível de flúor na água foi o principal determinante do nível de flúor na urina das mulheres. Maior consumo de chá preto também foi correlacionado com níveis mais elevados de flúor na urina em mulheres grávidas.

Coincidência de valores

Os níveis de flúor entre as mulheres grávidas que vivem em comunidades fluoretadas no Canadá foram semelhantes aos níveis relatados em um estudo anterior de mulheres grávidas que vivem na Cidade do México, onde o flúor é adicionado ao sal de cozinha.

Risco de QI menor

É uma descoberta preocupante. Isso porque a exposição pré-natal ao flúor na amostra mexicana está associada com menor QI em crianças. Novas evidências também demonstram uma ligação entre altos níveis de flúor na gravidez e comportamentos desatentos entre crianças no mesmo México.

Vários pesquisadores estão investigando a hipótese de que a exposição pré-natal ao flúor em crianças canadenses resulte em deficits de QI. Como semelhante ao estudo mexicano.

Flúor adicionado na água desde da década de 40

O flúor foi adicionado à água potável em comunidades canadenses e americanas desde a década de 1940. O objetivo foi o de utilizá-lo como uma forma de prevenção da cárie dentária.
Hoje, cerca de 40% dos canadenses e 74% da população dos EUA em abastecimento público de água recebem água fluoretada.

Fontes: ScienceDaily, MedicalXpress

Deixe uma resposta