Ligação entre saúde bucal e estado cognitivo: ainda incerto

idoso sendo atendidoUm número de estudos têm sugerido que a higiene oral e visitas regulares ao dentista pode desempenhar um papel no abrandamento do declínio cognitivo com o envelhecimento. Porém a associação entre saúde oral e cognição não é totalmente entendida. Uma revisão sistemática publicada recentemente realizada na Universidade de Duke nos Estados Unidos demonstrou agora que a evidência de que um causa o outro não é definitivo.
“Evidências consultórios sugerem que a frequência de problemas de saúde oral aumenta significativamente na deficiência cognitiva em idosos, especialmente aqueles com demência,” disse o prof. Bei Wu, um gerontologista da Escola de Enfermagem da Duke. “Além disso, muitos dos fatores associados com má saúde oral, tais como a má nutrição e doenças sistêmicas como diabetes e doença cardiovascular, também estão associados com uma pobre função cognitiva”.

Análise de estudos

Wu e seus colegas analisaram 56 estudos transversais e longitudinais relevantes publicados entre 1993 e 2013. Enquanto alguns estudos encontraram que medidas de saúde oral, tais como o número de dentes, o número de cavidades e a presença de doença periodontal foram associados com um risco aumentado de declínio cognitivo ou demência, outros não foram capazes de confirmar qualquer associação. Da mesma forma, declínio cognitivo não foi consistentemente associado com maior perda de dentes ou número de dentes cariados. Os pesquisadores afirmaram que é provável que as limitações metodológicas podem desempenhar um papel importante para explicar as conclusões inconsistentes.
“Não há evidências suficientes até o momento para concluir que existe a associação causal entre a função cognitiva e saúde bucal”, Wu concluiu. “Para a futura pesquisa, recomendamos que investigadores recolham dados de uma maior amostra representativa da população, use avaliações cognitivas padrão e medidas de saúde oral e use análises de dados mais sofisticadas”.
É previsto que a população de americanos com 65 anos de idade ou mais duplique nas próximas duas décadas para cerca de 72 milhões. Até 2030, adultos mais velhos representarão cerca de 20 por cento da população dos Estados Unidos. De acordo com estimativas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, mais de 16 milhões de pessoas nos Estados Unidos têm comprometimento cognitivo.
O estudo intitulado “Associação entre saúde bucal e estado cognitivo: Uma revisão sistemática”, foi publicado on-line em 1 de abril no Journal of the American Geriatrics Society antes da versão impressa.

Deixe uma resposta