Maior incidência de cáries em crianças pode estar ligada ao estresse materno

mãe estressada
Novas pesquisas têm relacionado estresse materno crônico a uma maior prevalência de cáries entre as crianças. O estudo, que foi conduzido por pesquisadores do King’s College de Londres e da Universidade de Washington, revelou ainda que os níveis de estresse crônico também influenciaram o comportamento das mães em cuidar, como aleitamento materno, visitas ao dentista, e dar café da manhã diariamente.
 
Embora este não seja o primeiro estudo a associar exposição materna ao estresse com as cáries na infância, é o primeiro a analisar a relação usando marcadores biológicos do estresse crônico, um incidente conhecido como carga alostática (AL).
 
A fim de medir o impacto do estresse materno na saúde bucal das crianças, os pesquisadores analisaram dados de 716 mães americanas de crianças de 2 a 6 anos. Os dados foram extraídos da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição 1988-1994. Os pesquisadores observaram que, apesar dos dados utilizados serem relativamente antigos, a disponibilização pública do arquivo permitiu uma oportunidade única para analisar pares mãe-filho de uma grande amostra de estudo realizada nos Estados Unidos.
 
Os achados mostraram que cáries foram mais comuns entre as crianças cujas mães tinham dois ou mais marcadores biológicos de AL em comparação com nenhum desses marcadores – 44,2 por cento contra 27,9 por cento. Além disso, eles identificaram que o AL materno foi associado com o status sócio económico, afetando comportamentos de cuidados, como aleitamento materno, visitas ao dentista, e dar o café da manhã diariamente.
 
“As mães de baixa renda foram significativamente menos prováveis em amamentar ou de terem levado seu filho ao dentista no ano anterior. Elas eram também menos prováveis de dar café da manhã ao seu filho do que as de alta renda. É importante para melhor compreender a dinâmica destas relações, para que nós possamos desenvolver programas eficazes de saúde pública e as suas intervenções,” Dr. Wael Sabbah, um professor sênior no Dental Institute no King’s College, observou.
 
No estudo, as mães que tiveram um ou mais marcadores de AL tiveram uma probabilidade significativamente menor de amamentar do que aquelas com um nível normal de AL. Este comportamento verificou o quanto afetou a prevalência da cárie dentária nas crianças, como as cavidades eram quase duas vezes mais comuns entre as crianças cujas mães não amamentaram do que aquelas cujas mães o fizeram – 62,9 por cento contra 37,1 por cento.
 
“Este estudo unicamente destaca a importância de se considerar a influência do nível socioeconômico e estresse materno na saúde bucal das crianças através da luta das mães para adotarem padrões saudáveis que são importantes preditores de cárie dentária, como escovar os dentes das crianças regularmente, manter hábitos alimentares saudáveis e fazer visitas regulares ao dentista para cuidados preventivos”, disse Erin E.. Masterson, um estudante de doutorado da Escola de Saúde Pública e Medicina Dentária da Universidade de Washington.
 
“A política que visa melhorar saúde dentária, particularmente a prevalência das cáries entre as crianças, deve incluir intervenções para melhorar a qualidade de vida das mães. Estresse materno crônico como um potencial fator de risco é algo que temos de considerar, para além das implicações mais vastas de bem-estar materno, social, e ambiente psicológico sobre a saúde dentária”, concluiu Dom Sabbah.
 
O estudo, intitulado “Carga Alostática Materna, Comportamentos de Cuidados, e Experiência de Cárie Dentária Infantil”, foi publicado on-line antes da impressão em 17 de setembro na American Journal of Public Health.

Deixe uma resposta