Medicamentos de uso cotidiano podem ser geradores de depressão

Medicamentos de prescrição comum podem apresentam potencial gerador de depressão e para o aumento dos índices de suicídios? Mais de 33% dos americanos tomam medicamentos de prescrição médica que têm como um de seus efeitos colaterais a depressão, assegura um estudo recente, e os usuários desses fármacos apresentam taxas de depressão mais elevadas em relação aos que não as tomam.

O estudo indica que o risco aumenta a cada medicamento adicional que o usuário passa a fazer uso, e muitos pacientes têm prescrição para mais de um deles.

Cerca de 200 desses medicamentos amplamente consumidos em todo o mundo podem causar depressão, inclusive os mais comuns como inibidores da bomba de prótons (usados para o tratamento de gastrite/refluxo) como o Omeprazol, beta bloqueadores (para o tratamento das arritmias/hipertensão), contraceptivos, anticonvulsivantes como a gabapentina, corticosteroides como prednisona ou prednisolona e doses elevadas de ibuprofeno.

“Foi surpreendente e ao mesmo tempo preocupante ver que muitos medicamentos têm como efeito colateral a depressão ou sintomas suicidas, considerando o enorme problema da depressão e das taxas de suicídios nos Estados Unidos”, afirmou Dima Mazen Qato, professora da Universidade de Illinois, autora principal do estudo.

Risco maior associado à dose e ao número de fármacos

Ela reconheceu que o trabalho se limita a apontar apenas uma correlação. “Nós não provamos que o uso desses medicamentos pode levar uma pessoa saudável a apresentar depressão ou sintomas suicidas”, salientou. “Mas percebemos um preocupante padrão de resposta relativa à dose: quanto mais desses medicamentos que apresentam tais efeitos adversos as pessoas tomam simultaneamente, maior o risco de depressão”.

Amostra de pacientes representativa

Os pesquisadores analisaram os medicamentos usados por uma amostra representativa de mais de 26 mil adultos americanos de 2005 a 2014. Entre os pacientes que usaram uma droga que pode causar depressão como efeito colateral, mas que não estavam tomando um medicamento antidepressivo, 6,9% tiveram depressão, enquanto a taxa de depressão dos pacientes que tomavam uma ou mais drogas com o efeito colateral foi de 15,3%. Por outro lado, os pacientes que não estavam tomando nenhuma dessas drogas apresentaram uma taxa de depressão de 4,7%.

Os pesquisadores levaram em conta outros fatores de risco que podem provocar depressão.

“O estudo é um lembrete importante de que todos os medicamentos acarretam riscos, e a maioria dos remédios têm riscos raros, mas sérios – entretanto é mais uma razão pela qual mesmo medicamentos comumente usados, como os betabloqueadores ou os inibidores da bomba de prótons, não deveriam ser usados de maneira despreocupada”, disse Caleb Alexander, codiretor do Centro para a Segurança e Eficácia dos Medicamentos, e não estava envolvido no estudo.

Philip R. Muskin, secretário da Associação Americana de Psiquiatria, disse que os profissionais da área da saúde precisam ter em mente tais efeitos colaterais quando prescrevem os medicamentos e perguntar aos pacientes se eles têm um histórico pessoal ou familiar de depressão. Mas afirmou que é difícil dizer se o aumento do uso das drogas, bem como a combinação de drogas com efeitos colaterais que incluem a depressão, teve impacto na sociedade.

Uma grande dúvida persiste

“Tem havido um aumento da taxa de suicídio, que nós saibamos”, afirmou Muskin. “Estará isso relacionado ao uso desses medicamentos? A resposta honesta é que nós não sabemos. Poderia interferir? A resposta honesta é sim, é claro que poderia”.

Fontes: matéria originalmente postada no New York Times, e no Brasil pelo Estadão​.

Dentalis Software – a sua melhor escolha em software para odontologia

Deixe uma resposta