Microbiota bucal e câncer de pâncreas: uma relação preocupante

diagrama da microbiotaO câncer pancreático tem um diagnóstico muito pouco favorável: 93% dos pacientes morrem dentro de cinco anos após o diagnóstico. Reconhece-se agora que a microbiota bucal desempenha uma função significativa na saúde humana.

Estudos recentes mostraram que uma saúde oral debilitada e a presença de anticorpos circulantes selecionando determinados patógenos orais estão associadas a um maior risco de câncer pancreático.

Os resultados recentemente publicados desde o acompanhamento até um estudo de controle de caso de grande envergadura fornecem novas perspectivas sobre esse assunto.

Metodologia

√ Foram selecionados 361 casos com adenocarcinoma pancreático e 371 casos de controle de dois estudos de coorte (The American Cancer Society Cancer Prevention Study II e The National Cancer Institute Prostate, Lung, Colorectal and Ovarian Cancer Screening Trial) para participarem deste estudo.

√ A composição da microbiota bucal foi analisada usando amostras de limpeza oral pré-diagnóstico, usando o gene de RNA ribossomático 16S das bactérias.

√ Endpoint primário: a ligação entre a microbiota bucal e o risco de câncer pancreático.

Resultados

√ A presença de Porphyromonas gingivalis e Aggregatibacter actinomycetemcomitans foi associada a um risco maior de câncer pancreático: 1,60 [IC 95%: 1,15-2,22]; OR: 2,20 [IC 95%: 1,16-4,18].

√ Embora a associação entre a presença de A. actinomycetemcomitans e o risco de câncer pancreático tenha tendido a ser mais elevada em indivíduos que bebiam álcool do que naqueles que não bebiam (OR: 3,03 [IC 95%: 1,31-7,03] vs. OR: 0,47 [IC 95%: 0,13-1,72]), não se comprovou que esta diferença fosse estatisticamente significativa (p = 0,086). De igual modo, não foi comprovado que a associação entre a presença deste patógeno e o risco de câncer pancreático em fumantes seja estatisticamente significativa em comparação com não fumantes.

√ Contudo, a presença de Fusobacterium e Leptotrichia foi associada a um risco reduzido de câncer pancreático, por aumento porcentual em sua OR de abundância relativa: 0,94 [IC 95%: 0,89-0,99].

Limitações

√ A amostra oral em um determinado momento reduziu a possibilidade de analisar a dinâmica entre o desenvolvimento da microbiota bucal e o desenvolvimento de câncer pancreático.

√ Os dados sobre doença periodontal não são significativos.

√ Os participantes selecionados (predominantemente participantes caucasianos, voluntários, etc.) poderiam resultar em viés de seleção.

Observação

Este estudo fornece mais evidência sobre o papel da microbiota bucal na etiologia do câncer pancreático.

Dentalis Software – organização, eficiência e qualidade – tudo o que você quer para o seu consultório

Deixe uma resposta