O preocupante crescimento do câncer de orofaringe

No período entre 1999 a 2015, a boca e a garganta substituíram o colo do útero como o local de maior incidência do câncer associado à infecção pelo papilomavírus humano (HPV) nos Estados Unidos, com muito mais casos de câncer de orofaringe em homens do que em mulheres de acordo com Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

Mudança ao longo dos anos

A taxa de câncer do colo do útero caiu 1,6% ao ano nesse período, enquanto a taxa de câncer de orofaringe aumentou 2,8% ao ano entre homens e 0,6% ao ano entre mulheres, disse o CDC na edição do Morbidity and Mortality Weekly Report. A agência informa que o comportamento sexual pode ter sido o maior responsável pelo o aumento dos casos de câncer de orofaringe.

O HPV causa câncer cervical e alguns tipos de câncer orofaríngeo, vulvar, vaginal, peniano e anal, observa o relatório. O vírus é a infecção sexualmente transmissível mais comum nos Estados Unidos.

Para avaliar as taxas de câncer relacionadas ao HPV, o CDC usou dados de registros de câncer de base populacional que participam de programas do CDC do Instituto Nacional do Câncer. Juntos, os registros cobrem quase 98% da população dos EUA.

O total de casos de câncer ligados ao HPV atingiu a marca de 43.000

No geral, a contagem de novos casos de câncer relacionados ao HPV aumentou de 30.115 em 1999 para 43.371 em 2015, revelaram os dados divulgados pelos pesquisadores. O número de 2015 representou uma taxa de 12,1 casos por 100.000 pessoas, acima dos 11,2 por 100.000 em 1999.

O câncer de colo do útero foi o tipo mais comum de câncer ligado ao HPV em 1999, com 13.125 casos, enquanto os casos de câncer de orofaringe contaram 9.375, com 74% deles em homens. Em 2015, os casos de câncer de orofaringe superaram os casos cervicais em 18.917 a 11.788, com 82% (15.479) dos casos de orofaringe em homens.

Enquanto isso, as taxas de câncer anal aumentaram em homens (2,7% ao ano) e mulheres (0,8% ao ano), de acordo com o CDC. Além disso, as taxas de câncer de vulva aumentaram 1,3% ao ano, enquanto o câncer vaginal diminuiu 0,6% ao ano e as taxas de câncer de pênis ficaram estáveis. Cabe lembrar que a vulva é a parte externa dos órgãos genitais femininos. A vulva inclui a abertura da vagina, os lábios maiores, os lábios menores e o clitóris. Externamente é revestida por pelos pubianos.

O CDC disse que a queda no câncer do colo do útero continuou uma tendência que começou na década de 1950 como resultado do rastreamento do câncer. O câncer do colo do útero diminuiu mais entre os hispânicos, índios americanos, nativos do Alasca e negros do que em outros grupos, mas os hispânicos e negros ainda tinham taxas mais altas do que os brancos em 2015.

Comportamento sexual como fator de risco

A mudança dos comportamentos sexuais pode ter contribuído para o aumento dos cânceres orofaríngeo e anal, disse o CDC.

“O sexo oral desprotegido e o sexo anal receptivo são fatores de risco para a infecção pelo HPV”, afirma o relatório. “Os homens brancos têm o maior número de parceiros sexuais por via oral e relatam a prática do sexo oral em idade mais jovem em comparação com outros grupos raciais / étnicos; esses fatores de risco podem estar contribuindo para uma maior taxa de câncer orofaríngeo entre homens brancos do que outros raciais / grupos étnicos.”

A agência observou que o tabagismo é um fator de risco para câncer de orofaringe, mas o tabagismo tem diminuído, e outros estudos apontam para o HPV como a causa do aumento desses cânceres.

Para prevenir cânceres relacionados ao HPV e outras doenças, a vacinação contra HPV foi adicionada ao programa de imunização de rotina para mulheres americanas em 2006 e ao programa para homens nos EUA em 2011. O CDC disse que pode ser muito cedo para avaliar o impacto da vacinação contra HPV. cânceres invasivos, mas foram observadas reduções nas infecções cervicais por HPV, verrugas genitais e pré-cânceres cervicais.

A vacinação pública contra o HPV, promovida pelo Ministério da Saúde, teve início no Brasil em 2014 cobrindo meninas e meninos em diferentes faixas etárias.
Dados atualizados da atual campanha de vacinação podem ser acessados neste link – http://portalarquivos.saude.gov.br/campanhas/vacinahpv/ –

Em um comunicado à imprensa, o CDC afirmou que estudos sugerem que o HPV causa cerca de 79% de todos os cânceres em partes do corpo onde o HPV é frequentemente encontrado. A agência afirmou que a vacinação contra o HPV poderia prevenir 90% dos casos de câncer nos EUA causados ​​pelo vírus, ou 31.200 anualmente.

Número de indivíduos vacinados aumenta

Em um relatório separado da MMWR, os pesquisadores do CDC observaram que a adoção da vacina contra o HPV cresceu novamente de forma estável de 2016 para 2017, mas permanece bem abaixo dos níveis ideais.

Entre os adolescentes de 13 a 17 anos, o percentual dos que receberam pelo menos uma dose da vacina aumentou de 60,4% para 65,5%, e entre as meninas subiu de 65,1% para 68,6%. A cobertura completa (duas ou três doses, dependendo da idade da primeira dose) aumentou de 43,4% para 48,6% em ambos os sexos e de 49,5% para 53,1% nas meninas.

A meta da Healthy People 2020 para cobertura completa de vacina contra o HPV para meninas e meninos de 13 a 15 anos é de 80%. “O início da vacinação contra o HPV aumentou em média 5,1 pontos percentuais anualmente desde 2013”, observaram os autores do relatório.

O Ministério da Saúde brasileiro está preocupado com a baixa adesão à vacina do HPV e com a alta prevalência desse vírus entre a população. Os dados nacionais mostram que, de 2014 a 2017, não mais do que 4,9 milhões de meninas tomaram a segunda dose contra o HPV, totalizando 48,7% na faixa etária entre 9 e 14 anos. É bem pouco.

Se considerada apenas a primeira dose, o número chega a 8 milhões, o equivalente a 79,2%. Entre os meninos, 1,6 milhão – ou 43,8% do público-alvo – tomaram a primeira dose. Só que a proteção só é garantida com as duas injeções (elas são aplicadas com um espaço de seis meses).

A campanha do Ministério da Saúde convoca 10 milhões de adolescentes em todo o país. Devem se vacinar contra o HPV meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos (no ano passado, a faixa etária era entre 12 e 13 anos). As vacinas fazem parte do calendário de rotina disponível nas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS).

Sintomas de câncer de orofaringe

À medida que aumenta a expectativa de vida também se eleva a aparição desta enfermidade que, de maneira geral, é mais comum nos homens a partir dos 50 anos.

É importante conhecer seus sintomas iniciais, em especial porque podem ser confundidos com simples herpes, aftas ou uma infecção bucal.

O sintoma mais inicial do câncer de orofaringe é o desenvolvimento de pequenas feridas que nunca se curam

Por sua vez, também é habitual a aparição de manchas vermelhas ou brancas tanto na área da língua, na gengiva ou, inclusive, nos cantos dos lábios.

É importante estar consciente de que qualquer mudança não habitual que não melhore com o passar dos dias é um indicativo de risco e um profissional dentista ou médico precisa ser consultado pelo paciente.

Outra das características mais habituais do câncer de orofaringe é a dor ao mastigar ou tragar.

As pessoas que possuem dentadura postiça notam que, de um dia para o outro, suas próteses machucam, causam sangramentos e dor.

Até falar pode ser algo doloroso.

Mover a língua ou, inclusive, só com um toque na mandíbula aparece a dor.
Essa dor pode se irradiar até os ouvidos.

A sensação de ter “um nódulo” na garganta

Essa dificuldade para engolir, a sensação de ter sempre esse ardor tão habitual nas amígdalas ou, inclusive, chegar a tossir sangue em alguns casos, é algo que jamais deve ser descartado.

O mais importante é buscar um diagnóstico cedo e, para isso, é preciso estar atento a essas mudanças.

Perda de peso inexplicável

A maioria das enfermidades oncológicas inicia com perda de peso. No caso do câncer de orofaringe, é comum que a pessoa deixe de ter fome e, inclusive, não consiga mastigar de maneira normal.

Além disso, o sistema imunológico sempre está com as defesas baixas e isso fará, sem dúvidas, que se vá perdendo peso pouco a pouco.

Fontes: Center of Infectious Disease Research and Policy University of Minnesota , Medscape , Saúde Abril , Instituto Oncoguia, Hospital Leforte

Dentalis software – em sintonia com as novas tendências em odontologia do século 21

Deixe uma resposta