Óxido Nitroso: uso em cirurgias odontológicas

O óxido nitroso foi descoberto por Joseph Priestley em 1786. 1 As propriedades analgésicas foram notadas por Davy, que relata sobre o alívio de sua dor de dente após uso de três a quatro inalações.

Mesmo após 162 anos de existência, o óxido nitroso é o agente inalatório ainda em uso pelos anestesiologistas.

O óxido nitroso é um gás anestésico que tem sido utilizado por mais de 160 anos para a indução e manutenção da anestesia em pacientes durante uma cirurgia. É conhecido também como “gás do riso” O óxido nitroso é um gás não inflamável e sem cor, com um ligeiro odor e sabor doce e agradável. O custo e a toxicidade baixas fazem com que o óxido nitroso seja comumente utilizado durante a anestesia geral. Entretanto, alguns estudos tem relatado que a adição de óxido nitroso possa ocasionar a efeitos prejudiciais.

Analgesia, diminuição do medo e ansiedade

A utilização do óxido nitroso se baseia numa técnica destinada a diminuir o medo e a ansiedade do paciente frente ao tratamento odontológico. A analgesia relativa é administrada através de uma mascara nasal desenvolvida para a odontologia e utiliza o gás oxido nitroso (N2O) em conjunto com oxigênio provocando leve e estável sedação no paciente. O N2O é utilizado sempre em proporção menor que o oxigênio, em dosagens pré determinadas, mantendo-se o paciente em estado de analgesia relativa, acordado, e tranqüilo, conversando normalmente com o profissional, tornando-se cooperativo durante o tratamento. Não há efeito colateral após a inalação, estando o paciente apto a realizar suas atividades normais como dirigir e trabalhar, o que não acontece com os ansiolíticos orais. É indispensável a presença de um especialista e que o procedimento seja realizado em local apropriado para oferecer rápido socorro ao paciente, pois imprevistos não estão descartados.
Isso motivou muitos anestesistas questionarem o uso contínuo e rotineiro nas mais diversas cirurgias.

Este estudo concluiu que é aconselhável evitar o uso do óxido nitroso em pacientes com função pulmonar pobre pré-existente ou com alto risco de náuseas e vômitos no pós-operatório.

Novo estudo

Um outro estudo recentemente publicado analisou as alterações cardíacas e respiratórias que ocorrem em pacientes submetidos a sedação inalatória consciente com óxido nitroso.

De acordo com os pesquisadores, o objetivo era determinar a eficácia e a segurança da sedação inalatória consciente com uma mistura de óxido nitroso e oxigênio em tratamentos de cirurgia oral, periodontais e implantologia em pacientes adultos com fobia ou ansiedade.

Conclusão

No âmbito deste estudo, foram envolvidos 60 pacientes com fobia e não cooperantes. Apesar de concluir que a sedação inalatória consciente com óxido nitroso é um método seguro e eficaz para conseguir obter a colaboração do paciente, evitando assim procedimentos de anestesia geral, os pesquisadores aconselham precaução com o estado de saúde dos pacientes, principalmente questões respiratórias.

Fontes: Cochrane, Saude Oral, Artigo: óxido nitroso: amigo ou inimigo?

Dentalis software – garante mais tempo pra você e seus pacientes

Deixe uma resposta