Por que gestantes vão pouco ao dentista?

Uma nova pesquisa demonstrou que, embora muitas mulheres grávidas e novas mães sofram de problemas de saúde oral, um número considerável não visita o dentista regularmente. Mais de um terço das entrevistadas afirmaram não ter tido uma avaliação dental por mais de um ano. A pesquisa indicou também que os profissionais de saúde desempenham um papel fundamental na educação das mulheres sobre as formas de melhorar os hábitos da saúde oral.
 
A fim de obter uma percepção sobre os padrões de visita das mulheres ao dentista e o conhecimento sobre o impacto da saúde bucal no bem estar delas próprias e de seus bebês, Cigna Corp., uma empresa de serviços globais de saúde, realizou uma pesquisa on-line em agosto entre 801 mulheres grávidas e novas mães com idade entre 21e 45 anos.
 
Apenas 55 por cento das participantes da pesquisa classificaram sua saúde bucal como muito boa ou excelente e 76 por cento relataram problemas de saúde oral durante a gravidez, incluindo sangramento das gengivas, uma maior sensibilidade nos dentes e dor de dente. No entanto, apenas 43 por cento das mulheres grávidas declararam que tinham ido a exames dentários durante a gravidez, e 36 por cento disseram que não tinham ido ao dentista por mais de um ano. O custo do tratamento odontológico foi a principal razão para evitar visitas ao dentista, principalmente em mulheres grávidas sem seguro odontológico. No total, 33 por cento das mulheres inquiridas disseram que tinham pulado os exames dentários durante a gravidez, pois elas estavam preocupadas com o possível alto custo.
 
Além disso, a pesquisa indicou que intervenções direcionadas por profissionais médicos poderiam melhorar significativamente os hábitos de saúde oral das gestantes e novas mães. Apenas 44 por cento das participantes disseram que seu médico discutiu saúde oral com elas durante as visitas de rotina durante a gravidez. Cerca de 77 por cento destas mulheres visitaram o dentista ao passo que apenas 41 por cento das mulheres que não foram instruídas sobre saúde bucal com o seu médico assim o fez. Os profissionais médicos também podem desempenhar um papel chave nas condições de prevenção de saúde bucal associadas a certos medicamentos. Cerca de 31 por cento das mulheres grávidas e 29 por cento das novas mães estão em manutenção com medicamentos para doenças crônicas, como asma, diabetes e pressão arterial elevada, o que pode diminuir o fluxo salivar e, assim, aumentar o risco de cárie dentária e doença periodontal, por exemplo.
 
No que diz respeito aos hábitos de higiene oral diário de novas mães, os pesquisadores descobriram que 36 por cento escovavam os dentes e passavam fio dental com menor frequência desde o parto, 67 por cento das quais declararam não terem tempo para acompanhar sua higiene.
 
O relatório completo pode ser acessado e baixado no endereço www.cigna.com. 

Deixe uma resposta