Por que o tempo parece passar cada vez mais rápido?

O tempo da mente e o tempo do relógio são duas coisas totalmente diferentes. Eles fluem em taxas variadas.
A passagem cronológica das horas, dias e anos nos relógios e calendários é um fenômeno estável e mensurável.
No entanto, nossa percepção do tempo muda constantemente, dependendo das atividades em que estamos engajados, da nossa idade e até mesmo de quanto estamos descansados.
Um artigo publicado na revista European Review, do professor de engenharia mecânica da Duke University, Adrian Bejan, explica a física por trás da mudança de sentidos do tempo e revela por que os anos parecem voar para as pessoas mais velhas.

Fluxo

Bejan é obcecado pelo chamado fluxo e, basicamente, acredita que os princípios da física podem explicar tudo. Ele já escreveu sobre como os princípios do fluxo na física ditam e explicam o movimento de conceitos abstratos, como a economia. No ano passado, ele ganhou a Medalha Benjamin Franklin do Franklin Institute por “suas contribuições interdisciplinares pioneiras… e pela teoria construtiva, que prevê o design natural e sua evolução nos sistemas de engenharia, científicos e sociais”. Em seu último artigo, ele examina a mecânica da mente humana e como estas se relacionam com a nossa compreensão do tempo, fornecendo uma explicação física para a nossa mudança de percepção mental à medida que envelhecemos.

O olho da mente

De acordo com Bejan – que revisou estudos anteriores em uma variedade de campos sobre o tempo, visão, cognição e processamento mental para chegar a sua conclusão – o tempo à medida que experimentamos representa mudanças percebidas nos estímulos mentais. Está relacionado com o que vemos. À medida que o tempo de processamento da imagem mental física e a rapidez das imagens ocorrem, a percepção do tempo também muda. E, em certo sentido, cada um de nós tem nosso próprio “tempo mental”, não relacionado com a passagem de horas, dias e anos em relógios e calendários, que é afetado pela quantidade de descanso que recebemos e outros fatores. Bejan é a primeira pessoa a ver a passagem do tempo através dessa lente em particular, diz ele, mas suas conclusões se baseiam em descobertas de outros cientistas que estudaram processos físicos e mentais relacionados à passagem do tempo.

Tempo físico vs Tempo da mente

Essas mudanças nos estímulos nos dão uma sensação de passagem do tempo. Ele afirma: “O presente é diferente do passado porque a visão mental mudou, não porque o relógio de alguém toca. O “tempo do relógio” que une todos os sistemas de fluxo ao vivo, animados e inanimados, é mensurável. O período de dia e noite dura 24 horas em todos os relógios, relógios de parede e torres de sino. No entanto, o tempo físico não é o tempo da mente. O tempo que você percebe não é o mesmo que o tempo percebido por outro.”

O tempo está passando pela visão de nossas mentes. Está relacionado ao número de imagens mentais que o cérebro encontra e organiza e ao estado de nossos cérebros à medida que envelhecemos. Quando ficamos mais velhos, a taxa na qual as mudanças nas imagens mentais são percebidas diminui devido a várias características físicas transformadoras, incluindo a visão, a complexidade cerebral e, mais tarde, a degradação dos caminhos que transmitem informações. E essa mudança no processamento de imagens leva à sensação de que o tempo fluindo mais rapidamente.

Movimento ocular sacádico

Este efeito está relacionado ao movimento ocular sacádico. Movimentos sacádicos são os deslocamentos que os olhos realizam, a cada segundo para a realização de uma tarefa onde seja necessária o controle ocular fino. Esses movimentos sacádicos ligam todas as fixações oculares entre si, possibilitando por exemplo, a leitura e a escrita. Tudo isso acontece inconscientemente, sem nenhum esforço de sua parte. Em bebês humanos, esses períodos de fixação são mais curtos do que em adultos.

Tempo mais lento para uns e rápido para outros

Existe uma relação inversamente proporcional entre o processamento de estímulos e a sensação de velocidade no tempo, diz Bejan. Então, quando você é jovem e experimenta muitos estímulos novos – tudo é novo – o tempo parece estar passando mais devagar. Conforme você envelhece, a produção de imagens mentais diminui, dando a sensação de que o tempo passa mais rapidamente.

A fadiga também influencia o movimento sacádico, criando sobreposições e pausas nestes movimentos oculares que levam a sinais cruzados. O cérebro cansado não consegue transferir as informações de forma eficaz quando está simultaneamente tentando ver e entender a informação visual. Ele foi projetado para fazer essas coisas separadamente.

Os caminhos da informação

Outro fator na passagem percebida do tempo é como o cérebro se desenvolve. À medida que o cérebro e o corpo se tornam mais complexos e há mais conexões neurais, os caminhos que a informação viaja são cada vez mais complexos. Eles se ramificam como uma árvore e essa mudança no processamento influencia nossa experiência do tempo, de acordo com Bejan.

Tempo mais rápido para os que veem mais devagar

Finalmente, a degradação do cérebro à medida que envelhecemos influencia a percepção. Estudos de movimentos oculares sacádicos em idosos mostram períodos mais longos de latência, por exemplo. O tempo em que o cérebro processa a informação visual fica maior, o que dificulta a resolução de problemas complexos pelos idosos. Eles “veem” mais devagar, mas sentem o tempo passar mais rápido, argumenta Bejan.

Bejan afirma: “Durante os últimos 20 anos, percebi como meu tempo está se esvaindo, mais e mais rápido e como estou reclamando que tenho cada vez menos tempo”, diz ele. É um sentimento que ele ouve ecoado por muitos ao seu redor.

Ainda assim, ele observa, não somos inteiramente prisioneiros do tempo. Os relógios continuarão marcando estritamente, dias passarão no calendário e os anos parecerão voar cada vez mais rápido a cada ano a mais que vivemos.

Fonte: Quartz

 

Deixe uma resposta