Será possível regenerar o esmalte dentário?

esmalte dentário

O esmalte dentário é um dos tecidos mais duros do corpo humano.
Ele atua como uma camada protetora para os dentes. E dá ao nosso sorriso aquele brilho branco perolado.
Pesquisadores descobriram recentemente uma maneira de regenerar o esmalte dentário humano.
É um avanço científico sem precedentes conduzido por pesquisadores chineses.

Cientistas chineses desenvolveram um gel que contém aglomerados minerais naturalmente encontrados nos dentes.
O gel estimula o crescimento de cristais para restaurar a estrutura original do esmalte dentário.
O objetivo foi recuperar dentes parcialmente danificados por ataque ácido.
É um método ainda experimental não testado em humanos. Mas um dia isso pode significar uma mudança enorme de paradigma para a odontologia.
Especialmente em se tratando de muitos procedimentos odontológicos.

esmalte dentário

O que é o esmalte dentário

O esmalte dentário é a camada mais externa dos dentes. Protege os dentes brancos perolados do desgaste.
Quando a camada protetora é erodida, os dentes amolecem e se tornam vulneráveis ao desenvolvimento de cáries.

O esmalte dentário contém os mesmos minerais, cálcio e fosfato , encontrado nos ossos.
Porém o esmalte dentário tem diferenças em relação à composição dos ossos.
O esmalte contém relativamente mais minerais e os cristais de esmalte são organizados em um padrão geométrico complexo.
Sob um microscópio, os cristais de esmalte têm a forma de fitas longas ou fios de espaguete.
Esses fios de cristal são montados em grupos, como pacotes de espaguete seco, orientados a 60 graus um do outro.
Os aglomerados de fitas, que se entrelaçam como o favo de mel, são conhecidos como hastes e inter-hastes.
Quando destruído, esse tecido é difícil de recriar. Isso porque as células que formam o esmalte dentário morrem quando os dentes emergem das gengivas.

Por que o esmalte dentário sofre erosão?

Embora o esmalte seja muito duro, também é quebradiço e suscetível à erosão.
Isso ocorre quando o mineral do dente se dissolve na nossa saliva.
Nossa saliva está constantemente buscando estabelecer o equilíbrio entre elementos do mau e constituintes do bem.
Quando temos ácido na boca (um elemento ruim), o mineral na nossa saliva (um elemento bom) tenta se ligar a ele para neutralizar o ácido e impedir que ele cause danos. Isso é conhecido como tamponamento.
Se houver muito ácido ou a qualidade e a quantidade de nossa saliva forem inadequadas, ficaremos sem minerais para amortecer o “ataque ácido”.
Assim, em um esforço final para neutralizar a acidez em nossa boca, o mineral em nossos dentes se dissolverá em nossa saliva.
É assim que nossos dentes se desgastam e se tornam vulneráveis.

Como a erosão que vemos em nossas praias e leitos de rios, sob um microscópio, as superfícies de esmalte erodidas parecem comidas e irregulares.
Isso ocorre porque a erosão destrói a organização de cristais descrita acima.
Os produtos recomendados atualmente pelos dentistas reparam o esmalte. Porém não podem regenerar a estrutura cristalina complexa para recriar um brilho branco perolado.
É por isso que, no mundo todo, a comunidade odontológica está muito entusiasmada com esta pesquisa.

A erosão pode ser controlada?

Nossos dentes corroem quando comemos e bebemos alimentos ácidos.
Estão na lista de alimentos ácidos o vinho, bebidas com cola, sucos de frutas, balas azedas e bebidas energéticas e esportivas. Apesar da acidez presente no vinho, um estudo recente nos fala do aspecto favorável dessa bebida em relação à saúde bucal.
Como regra geral, qualquer coisa com sabor ácido é portando rica em acidez e perigosa.
É melhor evitar ou limitar alimentos e bebidas ácidas, sempre que possível. Pessoas com condições médicas, como bulimia ou refluxo ácido, podem estar em maior risco de deterioração dos dentes.
Se você sofre dessas condições, além de obter ajuda do seu médico, é melhor realizar exames odontológicos regulares.
Quando o nosso esmalte se deteriora, os dentes ficam mais amarelados.
Muitas vezes, também podemos sentir dor de dente ou sensibilidade. Isso acontece porque houve perda do isolamento natural do esmalte dentário.

Se os dentes estiverem erodindo um dentista tem de ser consultado.
Além de escovar e limpar os dentes, o profissional também dará outras recomendações:

  • enxaguar a boca com um colutório com bicarbonato e água salgada;
  • mascar chiclete sem açúcar para estimular o aumento da saliva rica em minerais;
  • usar um creme dental adequado. De preferência um creme especial e/ou enxaguatório bucal para ajudar a substituir o mineral perdido e reparar os dentes;
  • atrasar a limpeza dos dentes após um “ataque ácido” para evitar a remoção do esmalte amolecido.

esmalte dentário

Melhores alimentos para a saúde dos dentes

Maçãs

Uma maçã por dia pode manter as cáries afastadas! Mastigar maçãs e outras frutas fibrosas pode ajudar a remover a placa bacteriana dos dentes. É também uma fruta rica em vitaminas e minerais e ótima para um lanche rápido.

Água fluoretada

Quase toda a água potável contém flúor, mas algumas variedades engarrafadas não. É sempre uma boa ideia verificar para ter certeza.

Ovos

Os ovos são uma excelente fonte de cálcio, proteína e vitamina D, que são minerais importantes para a saúde bucal. A vitamina D é necessária para absorver o cálcio, que constrói e mantém dentes fortes e saudáveis.

Laticínios

Leite, queijo e iogurte são ricos em cálcio, caseína e fósforo. Excelentes na proteção dos dentes. Os nutrientes nos produtos lácteos podem neutralizar parte do ácido produzido pelas bactérias que formam a placa.

Aipo e cenoura

Assim como as maçãs, esses vegetais crocantes contêm muita água e requerem muita mastigação. Isso acaba funcionando como uma espécie de fricção sobre a superfície dos dentes. A água e as fibras desses vegetais equilibram os açúcares e ajudam a limpar os dentes. Além disso, o aipo tem fios fibrosos, agindo como uma espécie de fio dental de origem vegetal.

Brócolis e vegetais de folhas verdes

Brócolis e vegetais de folhas verdes podem proporcionar grandes benefícios para a saúde bucal. Isso por conta do seu alto nível de vitaminas e minerais. O ácido fólico encontrado em folhas verdes, como espinafre e couve. É conhecido por ajudar a melhorar a saúde dos dentes e gengivas.

Nozes e sementes

Nozes e sementes são também excelentes para a saúde bucal. Contém grandes quantidades de cálcio e fósforo, como nas amêndoas, amendoins e castanha de caju. Protegem os dentes reabastecendo-os com esses minerais. Excelentes para se contrapor aos ataques ácidos.

Piores alimentos para a saúde dos dentes

Bebidas açucaradas

Não é segredo que o excesso de açúcar é prejudicial à saúde e pode causar cáries.
As bactérias se alimentam do açúcar presente nos dentes e o transformam em ácido. Isso destrói o esmalte dos dentes e causa cáries.
Os ácidos e o açúcar encontrados nos refrigerantes carbonatados se combinam para causar ainda mais danos aos dentes. Até refrigerantes diet sem açúcar podem corroer o esmalte com o conteúdo ácido. Embora as bebidas esportivas não gaseificadas possam parecer opções saudáveis, elas ainda são ácidas e açucaradas.

Frutas cítricas e sucos

As frutas cítricas são fonte de vitamina C e nutrientes. São saudáveis de várias maneiras.
No entanto, o limão e a toranja, em particular, são altamente ácidos e podem corroer o esmalte dos dentes ao longo do tempo.

Os sucos, mesmo aqueles que afirmam ser 100% de frutas, geralmente contêm altos níveis de açúcar. O que pode causar danos aos dentes.

Balas caramelizadas

Comer toneladas de açúcar faz mal à saúde dos dentes e à saúde do corpo.
Pode causar cáries e ficar preso em fendas dos dentes. Balas mastigáveis, como caramelo, grudam nos dentes por um longo tempo. Isso pode dissolver o esmalte do dente.
Doces que são mastigáveis, açucarados e ácidos, como doces azedos, são os mais prejudiciais.
Muitas pessoas escolhem frutas secas como um lanche saudável, mas muitas frutas secas também são grudentas e contêm açúcar.

Batatas fritas, pão e massas

Amidos feitos de farinha branca são carboidratos simples. Eles se decompõem em açúcares simples, o que pode levar à cárie dentária. Comer batatas fritas para um lanche não é recomendado. Isso não apenas porque eles não fornecem valor nutricional, mas também porque o amido pode aderir aos dentes.
Em vez de pão e macarrão feitos com farinha branca, opte por opções de trigo integral.

Como os cientistas recriaram o esmalte dentário?

Em ensaios de laboratório, os dentes extraídos foram tratados com ácido para simular a erosão e depois pintados com um gel especial.
Este gel continha aglomerados de íons fosfato de cálcio. São agrupamentos minerais naturalmente encontrados nos dentes. Posteriormente foram misturados com um ingrediente chamado trietilamina (TEA). Os dentes tratados foram mantidos durante dois dias em um ambiente simulado semelhante à boca humana.
O esmalte previamente erodido foi verificado quanto ao crescimento, tamanho, forma e organização e composição. Essa verificação foi feita com o uso de microscópios especiais. Os cristais parecidos com espaguetes haviam crescido sem problemas.
Já os aglomerados de cristal haviam se orientado corretamente para formar a haste e o entrelaçamento do favo de mel.

Quando será possível regenerar o esmalte dentário?

Embora essa tecnologia seja muito promissora, a resposta curta por enquanto é “ainda não”.
Este estudo foi realizado apenas em dentes extraídos.
Os pesquisadores esperam testar seu método em camundongos e seres humanos muito em breve.
Uma das limitações significativas de se avançar para ensaios com animais e humanos é a toxicidade do ingrediente essencial, o TEA. Outro desafio é a espessura do esmalte que eles foram capazes de reparar em um nível microscópico, mas nem tudo são notícias ruins.
Os cientistas esperam encontrar uma maneira segura de usar o TEA. Isso com a intenção de aumentar a espessura do esmalte para fixar seções maiores de esmalte erodido.
Por enquanto, surge no horizonte a possibilidade de não se precisar mais se valer de obturações e restaurações.

Fontes: ScienceAdvances, LiveWell

Deixe uma resposta