Qual a relação entre periodontite e o diabetes?

periodontite e o diabetesA Periodontite e o diabetes podem parecer patologias sem nenhuma ligação entre si. No entanto, a ciência nos mostra exatamente o contrário.
Hoje vamos descobrir qual a relação existente entre a periodontite e o diabetes. E o interessante é que vocês irão observar que é uma via de mão dupla.

Doença metabólica

A diabetes é uma doença metabólica, importante causa de morbidade e mortalidade.
Estimativas atuais indicam que 382 milhões no mundo sofrem de diabetes mellitus (8,3%). Esse número poderá chegar a incríveis 592 milhões em 2035.

Em 2013 estima-se que 5,1 milhões de pessoas com idade entre 20 e 79 anos morreram por consequência do diabetes.
O Brasil ocupa a quarta posição neste ranking mundial. Em 2013 a estatística reportou um total de 11,9 milhões de pacientes diabéticos.

O diabetes se caracteriza por níveis elevados de glicose no sangue. A hiperglicemia apresenta efeitos deletérios em várias partes do organismo humano.
Os efeitos danosos podem atingir o sistema vascular periférico, alterar resposta inflamatória e impactar o sistema imunológico.
Essas alterações resultam em danos à capacidade de regeneração tecidual.

Tipos de diabetes

Os tipos mais comuns de diabetes estão: o diabetes tipo I, tipo II e gestacional.

Diabetes tipo 1

Normalmente se manifesta durante a infância.
Pode estar relacionado com a produção de autoanticorpos que atuam no pâncreas. Isso gera redução da produção da insulina endógena.

Diabetes tipo 2

Está relacionado com a resistência das células à insulina e inicia-se normalmente na idade adulta.

Diabetes gestacional

Tem seu início durante a gravidez, podendo regredir após o parto.

Nos três principais tipos de diabetes, ocorre a redução da entrada de glicose nas células. Isso ocasiona um aumento do nível de glicose no sangue.
Os efeitos danosos de um quadro hiperglicêmico acabam modificando a susceptibilidade do indivíduo às infecções de um modo geral. Isso também vale para aquelas observadas na boca, como a periodontite.

A periodontite e o diabetes

A periodontite é uma infecção crônica que acomete as estruturas de suporte do dente. Quando não tratada pode levar à perda dentária. A periodontite é muito comum em indivíduos diabéticos.

Pacientes com glicose elevada podem apresentar muitos abcessos periodontais. Isso pode levar à destruição rápida do suporte ósseo ao redor dos dentes.
Em geral, nos diabéticos a resposta ao tratamento periodontal é pior do que aquela observada nos não diabéticos.

A periodontite favorece o aumento da glicemia no indivíduo diabético. Já o tratamento periodontal traz benefícios à estabilização da glicemia nesses indivíduos.
A periodontite faz parte das complicações mais comuns associadas ao diabetes.

Alterações bucais outras e bem comuns em pacientes diabéticos:

  • diminuição do fluxo salivar;
  • queimação da boca e/ou língua.

São condições que podem predispor às infecções oportunistas. Como por exemplo, infecção causada pelo fungo Candida albicans.
Outro aspecto a destacar é que a hiperglicemia presente no diabetes apresenta influencia sobre a flora bacteriana bucal.

periodontite e o diabetesRetroalimentação

Periodontite e o diabetes apresentam uma relação de mão dupla. Esse aspecto já foi destaque em um artigo anterior do blog Dentalis.

Pacientes diabéticos têm resposta imunológica deficiente. Apresentam alterações na vascularização periodontal, e nos níveis de glicose do sulco gengival. São condições que favorecem ou agravam um quadro de periodontite em pacientes com diabetes.

Nos últimos anos resultados de inúmeros estudos epidemiológicos indicaram que os dois tipos principais de diabetes (I e II) aumentam a prevalência, incidência e severidade da doença periodontal. Os mesmos estudos sugerem que tal condição sistêmica predispõem os indivíduos à periodontite.

Pacientes portadores de Diabetes tipo I apresentam maior risco de desenvolver doença periodontal com o passar da idade, gravidade e duração de seu estado diabético.

Ao mesmo tempo, outros estudos mostraram que são 3 a 4 vezes maiores as chances de indivíduos portadores de Diabetes tipo II desenvolverem periodontites severas.

Além disso, o diabetes quando associado a outras condições pode modificar o curso da doença periodontal. A taxa de progressão da periodontite pode aumentar 2,9 vezes, quando o indivíduo apresenta taxas de Hemoglobina glicada em níveis superiores a 6,5%. Em torno de 3,7 vezes, quando o paciente é diabético e fumante. E 4,1 vezes, quando mais de 30% dos sítios bucais apresentam sangramento.

Do outro ponto de vista, a inflamação gengival também dificulta a absorção de insulina. Isso pode ser uma fator gerador de uma descompensação glicêmica nos portadores de diabetes. Já quanto à perda dental, esses valores são de 3,1 vezes, quando as taxas de Hemoglobina glicada estão acima de 6,5%. E 4,1 vezes mais chance de perda dos dentes, quando o paciente é diabético e fumante.

Desconhecimento eleva riscos à saúde

Dados epidemiológicos indicam que a grande maioria dos pacientes com hiperglicemia desconhece a relação existente periodontite e o diabetes. Na grande maioria das vezes não vão regularmente ao dentista. Também não contam com o acompanhamento de um especialista em periodontia.
Muitas das vezes a doença periodontal, assim como o diabetes, age de forma silenciosa.
Uma vez diagnosticada a periodontite, já pode ser muito tarde, e pode resultar em perda dentária.

Prevenção e tratamento

O tratamento da periodontite pode reduzir os níveis de agentes inflamatórios. Por consequência também causar diminuição do nível de inflamação crônica tão comum a pacientes diabéticos.
Isso pode trazer benefícios tanto ao controle glicêmico como também na redução do dano a outros órgãos.

Concluindo

É fundamental que o dentista faça parte da equipe multidisciplinar responsável pelo acompanhamento de pacientes com diabetes. O objetivo não será apenas o de curar processos instalados, mas também da prevenção de danos.
Isso, sem dúvida, irá proporcionar melhor qualidade de vida a esses pacientes.

Dentalis software – garante mais tempo pra você e seus pacientes

Fontes: American Diabetes Association, Journal of Indian Society of Periodontology, cro sp, UFRGS, Revista Brasileira de Epidemiologia

 

Deixe uma resposta