Nova resina contra cáries recorrentes

resina contra cáries recorrentes

O resultado de um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Tel Aviv é o desenvolvimento de uma resina contra cáries recorrentes.

Os compósitos à base de resina contra cáries recorrentes, com a adição de nano conjuntos antibacterianos, podem inibir o crescimento de bactérias. Isso poderá garantir uma maior durabilidade das restaurações dentárias. Pode se tornar uma alternativa no tratamento de pacientes com cáries recorrentes. O que poderá prevenir eventuais tratamentos de canal e extrações dentárias.

Outros nano materiais com aplicações no âmbito da odontologia já foram destaque aqui no blog.
Já neste outro post apresentamos um outro trabalho que destaca o desenvolvimento de nanopartículas antibacterianas.

A cárie dentária está entre as doenças bacterianas mais disseminadas. Bactérias virulentas causam a acidificação do esmalte dentário e da dentina. Como consequência surge a cárie dentária secundária ou recorrente.

Resistência aos antibióticos

A resistência bacteriana aos antibióticos é hoje um dos problemas de saúde mais urgentes que a sociedade enfrenta. O desenvolvimento de novas terapias, como a resina contra cáries recorrentes, é uma necessidade e vem de encontro a uma demanda urgente.

Cavidades recorrentes

As resinas compostas fotopolimerizáveis e seus adesivos apresentam longevidade menor que a de vários materiais restauradores utilizados em Odontologia. Também apresentam altos índices de fratura e cáries secundárias. É comum a presença de infiltração salivar e crescimento bacteriano cariogênico e viral na interface do material restaurador/dente. Isso pode acabar originando a médio prazo cáries recorrentes, hipersensibilidade e inflamação pulpar.

As as resinas compostas têm sido a opção mais utilizada. Isso devido ao baixo custo, boa cor/estética, facilidade e rapidez de confecção, quando comparadas aos demais materiais.

As cáries recorrentes evidenciam a falha do material restaurador dentário. Afetam cerca de 100 milhões de pacientes por ano, a um custo estimado de mais de US $ 30 bilhões.

Restaurações de amálgama

Historicamente, o amálgama  – composto de ligas metálicas – foi utilizado para restaurações dentárias. Apresentavam algum efeito antibacteriano. Mas devido à cor das ligas, ao potencial de toxicidade do mercúrio e à falta de adesão ao dente, as resinas compostas se tornaram a escolha preferida de tratamento.
Infelizmente, a falta de propriedade antimicrobiana continuou sendo uma grande desvantagem de seu uso.

Resina contra cáries recorrentes

A resina contra cáries recorrentes é um material aprimorado. Esteticamente agradável e mecanicamente rígido. Ao mesmo tempo intrinsecamente antibacteriano devido à incorporação de nano conjuntos antibacterianos. A resina contra cáries recorrentes para preenchimento de cavidades apresenta atividade inibitória bacteriana. A resina contra cáries recorrentes também têm o potencial de dificultar substancialmente o desenvolvimento de cáries com essa característica.

Os pesquisadores estabeleceram as capacidades antibacterianas desta resina com antibióticos. E o fizeram a partir do desenvolvimento de métodos que incorporaram os nano componentes aos compósitos para restaurações dentárias.

Finalmente, avaliaram a capacidade antibacteriana desses compósitos de restaurações incorporadas com nanoestruturas. Assim como também a sua biocompatibilidade, resistência mecânica e propriedades óticas.

O trabalho é um bom exemplo das maneiras pelas quais características nano físicas biofísicas afetam o desenvolvimento de um material biomédico aprimorado em uma escala muito maior. É o que afirmou um dos cientistas envolvidos no estudo.

A natureza mínima do bloco de construção antibacteriano, sua alta pureza, baixo custo e facilidade de embutir em materiais à base de resina e biocompatibilidade. São características que permitem o fácil incremento dessa abordagem para o desenvolvimento de restauradores compostos de resina com antibióticos melhorados clinicamente disponíveis.

O que vem depois da resina contra cáries recorrentes

Os pesquisadores estão agora avaliando as capacidades antibacterianas de blocos de construção adicionais auto-organizáveis. Também se dedicam ao desenvolvimento de métodos para sua incorporação em vários materiais biomédicos, como curativos e estruturas de tecido.

resina contra cáries recorrentes

Composto mais resistente – outra novidade

Uma equipe de pesquisadores da Escola de Odontologia OHSU em Portland, Oregon, criou um material de preenchimento que é duas vezes mais resistente à quebra do que as resinas de preenchimento convencionais. O novo material utiliza o aditivo de tiouretano, que também está em revestimentos de proteção para carros e decks.

A equipe também desenvolveu um adesivo 30% mais forte após seis meses de uso do que os adesivos usados atualmente para manter os recheios no local. Este novo adesivo foi descrito em um estudo recente publicado na revista Dental Materials.

Combinados, o novo adesivo e o compósito são projetados para tornar restaurações dentárias mais duradouras.

O tempo de validade das restaurações

O fato é que as restaurações dentárias de hoje duram apenas sete a 10 anos antes de falharem. É o que afirma Carmem Pfeifer, DDS, Ph.D., autora correspondente dos estudos publicados em Scientific Reports e Dental Materials. Pfeifer é professora associada de odontologia restauradora (biomateriais e biomecânica) na Escola de Odontologia OHSU.

Elas racham sob a pressão da mastigação ou têm lacunas entre o preenchimento e o dente. Isso abri caminho para a infiltração de bactérias e a formação de uma nova cavidade. Toda vez que isso acontece, o dente sob as restaurações torna-se cada vez mais fraco. O que começa como uma pequena cavidade pode acabar com danos no canal radicular, um dente perdido ou até mesmo infecções mais graves.

Materiais mais fortes, menos problemas

Materiais dentários mais fortes significam que os pacientes não terão de receber reparos ou substituições com tanta frequência. Isso não só poupa dinheiro e aborrecimentos, mas também previne problemas mais sérios e um tratamento mais extenso.

O adesivo descrito no estudo da Dental Materials usa um tipo específico de polímero. É conhecido como (meta) acrilamidas – que é muito mais resistente a danos em água, bactérias e enzimas na boca. Isso quando comparado aos adesivos padrão usados atualmente na odontologia. O material composto descrito nos Relatórios Científicos usa tiouretano, que se sustenta muito melhor na mastigação.

Fontes: MedicalXpress, protesenews, Nature, Today’s RDH

Deixe uma resposta