Conheça o novo e revolucionário tratamento da periodontite

tratamento da periodontiteO tratamento da periodontite vem se tornando uma prioridade por conta do enorme crescimento de casos no mundo inteiro.
De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, cerca de metade de todos os americanos terão doença periodontal em algum momento de suas vidas.

A doença periodontal é caracterizada por gengivas inflamadas e perda óssea ao redor dos dentes.
A condição pode causar mau hálito, dor de dente, gengivas sensíveis e, em casos graves, perda de dentes. Os estágios da doença periodontal, numa ordem crescente de gravidade são gengivite, periodontite e periodontite em estágio avançado. Buscar técnicas que modernizem o tratamento da periodontite ganha ares de prioridade.

Estudos recentes mostraram um aumento do número pacientes com periodontite. Também há estudos mostrando da doença periodontal com o Alzheimer. Uma pesquisa brasileira trouxe novidades no âmbito do tratamento da periodontite como você pode conferir neste outro artigo do blog Dentalis.

Os três estágios da doença periodontal, numa ordem crescente de gravidade, são gengivite, periodontite e periodontite avançada.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade da Califórnia (UCLA) desenvolveu um método novo e revolucionário de tratamento da periodontite. É uma metodologia que promove a regeneração do tecido gengival e do osso de uma forma individualizada. Ou seja, respeita características biológicas e mecânicas adaptadas às características de cada indivíduo.

Atualmente o tratamento da periodontite se dá através da Regeneração Tecidual Guiada (RTG), porém esta apresenta algumas desvantagens.

Tratamento da periodontite – Regeneração Tecidual Guiada (RTG) de forma resumida

A RTG se baseia na utilização de membranas biocompatíveis com a finalidade de impedir a migração dos tecidos conjuntivo e epitelial para a ferida. Isso permite que células do ligamento periodontal repovoem a região e regenerem o aparato de inserção do dente.

A RTG tem sido utilizada em diversas situações clínicas para facilitar o reparo de defeitos ósseos e periodontais.

Membranas não reabsorvíveis

São utilizadas em sua maioria membranas de Politetrafluoretileno expandido (e-PTFE) e de Celulose (filtro de Millipore).

As principais vantagens no uso de membranas não absorvíveis são:

  • Total controle do tempo de permanência da membrana na ferida cirúrgica;
  • Possibilidade da membrana ser totalmente removida no caso de uma infecção.

As principais desvantagens do uso de membranas não absorvíveis são:

  • A necessidade de uma segunda cirurgia;
  • Ausência de incorporação ao tecido hospedeiro;
  • Tendência à infecção pós-operatória;
  • Recessão gengival quando aplicadas no tratamento periodontal.

Membranas reabsorvíveis

São aquelas membranas à base de colágeno, ácido polilático biodegradável, malha de poliglactina, de cortical óssea humana e de cortical óssea bovina.

As principais vantagens do uso de membranas reabsorvíveis são:

  • São reabsorvíveis, não necessitando de uma segunda cirurgia para a sua retirada;
  • Fácil manipulação e manutenção;
  • Apresentam em geral um bom prognóstico de pós-operatório.

As principais desvantagens do uso de membranas reabsorvíveis são:

  • Reabsorção muito rápida;
  • Tendência ao colapso em defeitos infra-ósseos;
  • Pobre visibilidade quando molhada;
  • Possíveis reações alérgicas locais.

Técnica inovadora e segura para tratar periodontite

A ideia dos pesquisadores foi buscar o desenvolvimento de uma nova classe de membranas. Membranas com propriedades de regeneração óssea e tecidual. Ao mesmo tempo buscou-se o desenvolvimento de um revestimento flexível que pudesse aderir a uma variedade de superfícies biológicas.

A equipe também criou uma maneira de prolongar o cronograma de entrega da droga. O que é essencial para a cicatrização eficaz de feridas. Isso tudo com o objetivo maior de obtenção de uma via rápida e segura para o tratamento da periodontite.

tratamento da periodontiteA pesquisa

O estudo foi realizado com um polímero e revestimento de polidopamina aprovado pelo FDA. Esse polímero possibilita uma excelente adesão em condições úmidas. Assim ajuda a promover a mineralização da hidroxiapatita e a consequente aceleração da regeneração óssea.

Os pesquisadores começaram o estudo com um polímero e revestimento de polidopamina aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) para ajudar na adesão celular. Isso permite excelente adesão em condições úmidas e ajudou a promover a mineralização da hidroxiapatita para acelerar a regeneração óssea. Depois de identificar uma combinação ótima para sua nova membrana, os pesquisadores usaram eletrofiação para unir o polímero com o revestimento de polidopamina.

O primeiro passo é identificar a combinação ideal para a nova membrana. A partir daí os pesquisadores usaram eletrofiação para unir o polímero com o revestimento de polidopamina. A eletrofiação ou electrospinning é uma técnica de produção de fibras com diâmetros em escala nanométrica.

A eletrofiação é um método de produção onde, simultaneamente, gira duas substâncias ao mesmo tempo com cargas positivas e negativas a uma velocidade rápida. Esse movimento resulta numa fusão gerando uma nova substância.

Para melhorar as características estruturais e superficiais de sua nova membrana, os pesquisadores usaram gabaritos de malha de metal em conjunto com a eletrofiação para criar diferentes padrões.

No caso micro padrões, semelhantes à superfície da gaze ou de um waffle.
Isso permite criar um micropadrão na superfície da membrana. Assim é possível localizar a adesão celular e manipular a estrutura da membrana.

Os pesquisadores buscam criar uma membrana que aumente a regeneração do tecido periodontal e seja absorvida pelo corpo quando a cicatrização estiver completa.

Resultados da pesquisa

A pesquisa evidenciou a possibilidade de imitar a complexa estrutura do tecido periodontal. Uma vez colocada, a membrana complementa a função biológica correta de cada lado.

As membranas criadas membranas foram capazes de retardar a infecção periodontal. Além disso, também promover a regeneração óssea e tecidual. E finalmente, permanecer no local por tempo suficiente para prolongar a entrega de medicamentos úteis.

Os estudiosos veem esta descoberta sendo aplicada em outras condições além da própria periodontite. Especialmente condições que que necessitem de tratamento acelerado de feridas e terapias de liberação prolongada de medicamentos.

Outros problemas que a periodontite pode gerar no organismo

Condições cardiovasculares

As bactérias podem viajar pela corrente sanguínea e se fixar no tecido cardíaco. Lá elas pode contribuir para aumento da inflamação local, favorecendo o depósito de gordura (placas de ateroma).

Pneumonia

As bactérias da periodontite podem migrar para os pulmões. Dependendo da imunidade do paciente ocasionar a conhecida pneumonia.

Problemas gastrintestinais

A conhecida bactéria H. pylori pode estar instalada na boca. De lá, ela pode migrar para o estômago, causando diversos problemas.

Diabetes

As bactérias presentes numa periodontite elevam o grau de inflamação do organismo. Essa condição predispõe ao risco do desenvolvimento de um quadro de diabetes.

Doenças articulares

Bactérias da periodontite produzem metabólitos com o potencial de desencadear ou mesmo agravar quadros inflamatórios das articulações.

Sinusite

As bactérias da periodontite podem migrar para a mucosa dos seios da face. Isso pode ocasionar sinusite.

Parto prematuro

Bactérias presentes num quadro de periodontite podem migrar para corrente sanguínea. Essa condição pode predispor a gestante a um parto prematuro.

Dentalis Software – colabora com o seu sorriso e de seus pacientes

Fontes: ACSNano , USP Biblioteca Digital, blog profAlessandraAreas , ScienceDaily

Deixe uma resposta