boca seca

10 dicas simples para tratar a boca seca

boca seca

São muitos os problemas pra quem sofre de boca seca (xerostomia). São eles o maior risco de doenças de saúde mental, ansiedade social e menor capacidade de comer e falar. Estas são apenas algumas das realidades difíceis enfrentadas pelos que sofrem de xerostomia. Tudo isso de acordo com os resultados de um novo estudo.

Os relatos em primeira mão da pesquisa descrevem as várias barreiras físicas, emocionais e sociais enfrentadas por causa da condição.
Aqueles com a boca seca não conseguem produzir saliva suficiente.

Muitos participantes da pesquisa, como Fi (codinome), descrevem como a boca seca pode ser debilitante e como fica pior à noite. À noite é quando a boca produz menos saliva do que durante o dia. Fi diz: “Eu estava engasgado, acordando à noite. Foi a experiência mais assustadora que eu já enfrentei, e eu realmente pensei que iria morrer. ”

Outros relatos

Outros descrevem a sensação de acordar com a boca “parecendo papelão” e “desprovida de umidade”.
Jane acrescenta: “Meu pior momento é à noite porque, por algum motivo, isso me acorda.
Sinto enorme necessidade de tomar uma bebida. Isso realmente afeta você.

Diante dos achados do estudo, um dos pesquisadores considera surpreendente o quanto não se dá a devida importância à gravidade que a condição que a xerostomia pode representar. Os impactos da boca seca para o paciente são profundos e alteram a vida cotidiana.
Todos os pesquisadores relatam terem ficado abalados diante do relatos dos participantes e ao mesmo tempo chocados com a enorme gama de impactos que a xerostomia pode ter no dia a dia dos pacientes.

A boca seca se faz presente no dia a dia do paciente. É um elemento causador de limitações e sofrimento. E a pergunta que fica é por que pouco se faz a esse respeito? O número de pessoas com xerostomia é desconhecido. Alguns estudos estimam que uma a cada cinco pessoas sofra em algum grau dessa condição.
Como se pode ver a xerostomia é uma condição bem comum. Os efeitos na vida e no dia a dia de uma pessoa podem ser devastadores.

Boca seca – impacto no dia a dia

“Quando você considera os diferentes impactos que a boca seca tem na vida cotidiana e a constância deles, você começa a se perguntar por que ninguém fez nada a respeito.”Os impactos da xerostomia são tão profundos que os participantes relataram ficar longe de restaurantes porque os cardápios desconsideram sua condição. É como se todo o setor de restaurantes estivesse alheio à situação das pessoas com xerostomia.

O executivo-chefe da Fundação de Saúde Oral, Dr. Nigel Carter OBE, acredita que é preciso aumentar a conscientização sobre os desafios associados ao sofrimento da boca seca. Dr. Carter diz: “Condições como a boca seca ficam abaixo do normal. Passam despercebidos como problema, pois não são instantaneamente visíveis a olho nu. Apesar da falta de consciência, a boca seca é muito comum e os efeitos na vida de uma pessoa podem ser muito grandes.

Boca seca – Causas

A boca seca é um efeito colateral comum de diferentes medicamentos e também é causada pelo tratamento de câncer, como radioterapia e quimioterapia. Sintomas associados à boca seca tornam tarefas relativamente simples como comer ou falar extremamente difíceis. Isso também pode ter um impacto negativo na qualidade de vida, na confiança e na autoestima de uma pessoa.

Existe uma necessidade real e urgente de explorar o impacto da boca seca para as pessoas acometidas. Importante buscar meios para ajudar os pacientes a obter um melhor padrão de vida.

Infelizmente, atualmente não há cura para a boca seca.

A pesquisa

Na pesquisa em questão os entrevistados salientaram o quanto sua condição os deixou muito menos confiantes em situações sociais. Isso a ponto de sentirem-se desconfortáveis de comer em público e mesmo falar com outras pessoas.

Para alguns, a boca seca se tornou uma fonte de ansiedade e depressão. Fi (codinome) acrescenta: “Isso me fez sentir como se eu fosse um fracasso, me senti muito envergonhado e me fez sentir que não posso entender ou alcançar o que eu posso potencialmente fazer no mundo real. Você aprende a aceitar, mas tem momentos em que você se vê pensando….eu não mereço isso.

A boca seca é amplamente incompreendida ou mesmo ignorada. Como resultado, é provável que os pacientes se sintam da mesma maneira e busquem o isolamento como resultado. É importante suprimir os sintomas e tratar os efeitos psicológicos da boca seca sobre os pacientes.

Como saber se seu paciente sofre de xerostomia? Nesta matéria já postada aqui no blog Dentalis apresentamos um tutorial que irá facilitar facilitar a identificação dessa condição.

boca seca

O que fazer para aliviar os sintomas da boca seca

A melhor maneira de tratar a boca seca (xerostomia) depende do que está causando isso. Algumas medidas simples podem aliviar os sintomas da boca. Não esquecendo, no entanto, que pode ser um alívio temporário. Sem dúvida, o melhor remédio para a boca seca é a identificação de suas causas. Sequem algumas dicas simples que podem aliviar o problema:

  1. Chicletes sem açúcar: Mastigar chiclete sem açúcar estimula o fluxo de saliva. Para algumas pessoas, o xilitol, que geralmente é encontrado em chicletes sem açúcar, pode causar diarreia ou cãibras se consumido em grandes quantidades;
  2. Limite a ingestão de cafeína: A cafeína pode deixar a boca mais seca;
  3. Evite o uso de enxaguatórios bucais que contenham álcool: ajudam a desidratar a cavidade oral. Dem ser evitados;
  4. Pare de fumar: um dos muitos malefícios do cigarro é ser um fator que contribui para a desidratação da boca;
  5. Beba água regularmente;
  6. Salivas artificiais: são comercializadas na forma de spray ou gel. Esses lubrificantes aliviam o incômodo da boca seca e ajudam no combate a outros problemas bucais.
  7. Enxaguatório bucal projetado para a boca seca: escolha um que contenha xilitol, como o Biotene Dry Mouth Oral Rinse. É um produto que também oferece proteção contra a cárie dentária.
  8. Evite usar anti-histamínicos e descongestionantes vendidos sem receita: Eles podem piorar os sintomas.
  9. Respire pelo nariz, não pela boca;
  10. Adicione umidade ao ar à noite: através de um umidificador de ambiente.

Medidas adicionais

A saliva é importante para manter a saúde dos dentes e da boca. Se você costuma ter boca seca, adote essas medidas adicionais. Protegendo sua saúde bucal também auxilia no tratamento dessa condição:

  • Evite alimentos e bebidas açucarados ou ácidos: aumentam o risco de cáries;
  • Escove com um creme dental com flúor – previne cáries e garante uma boa saúde bucal;
  • Use um enxágue com flúor: especialmente antes de dormir;
  • Visite seu dentista pelo menos duas vezes por ano: para detectar e tratar cáries ou outros problemas dentários.

Se essas dicas anteriores não derem resultado, deve-se averiguar outras possibilidades.
A causa pode ser um medicamento ou outra condição. Os medicamentos são um dos maiores geradores de boca seca. Alívio a longo prazo dessa condição pode significar parar ou alterar o medicamento ou sua dosagem ou resolver problemas de saúde subjacentes.

Fontes: Wiley Online Library, Mayo Clinic, Oral Health Foundation
Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

Grande novidade no tratamento da xerostomia (boca seca)

tratamento da xerostomiaO tratamento da xerostomia (boca seca) pode estar em uma simples sequência de exercícios de dois minutos. É o que assegura um estudo recentemente lançado que realizou estudo com pacientes adultos mais velhos.

Com o avanço da idade o surgimento de xerostomia é relativamente comum. A boca seca pode desencadear problemas nos tecidos moles, cáries, doença periodontal e candidíase oral. A maior parte das substâncias químicas utilizadas no tratamento da xerostomia e seus sintomas podem causar efeitos colaterais. E isso pode acabar sendo um problema.

Exercício de alongamento – para tratamento da xerostomia

Pesquisadores da Yonsei University College of Dentistry, na Coreia do Sul, nos trazem uma grande novidade. Afirmam eles que simples exercícios de alongamento pode ser uma nova forma de tratamento da xerostomia e resolver muitos dos problemas causados por ela.

Nova técnica

Faz parte dessa técnica de tratamento da xerostomia os alongamentos lábios, língua e bochechas. Também são executados exercícios para os músculos mastigatórios e de deglutição.

O estudo

Foram avaliados por esse estudo um total de 84 indivíduos com idade igual ou superior a 65 anos. Todos praticaram os alongamentos e exercícios duas vezes por dia durante uma semana como tratamento da xerostomia. Todos tiveram o acompanhamento de um especialista. Os pesquisadores posteriormente avaliaram o desempenho mastigatório dos indivíduos através do teste de avaliação ‘mixing ability index’.

Além disso, também analisaram os níveis de hidratação da língua e mucosa bucal. Finalmente realizaram o teste repetitivo de deglutição de saliva.

Com base nestes testes, os pacientes foram divididos em dois grupos. Em um deles foram agrupados aqueles que apresentavam boas condições de saúde bucal, e em outro, aqueles que não apresentavam uma boa condição.

Resultados

Pacientes do grupo que apresentavam boas condições de saúde bucal obtiveram resultados ainda melhores. Após a realização da série de exercícios o mixing ability index aumentou em 6%.
Já os pacientes que apresentavam uma condição de saúde bucal ruim a melhora foi surpreendente.
Após a realização da série de exercícios o mixing ability index aumentou em 16%. O grau de hidratação da língua aumentou em 3%.
Imediatamente após a intervenção 25% dos pacientes com saúde bucal ruim evoluíram para as condições de boa saúde bucal do outro grupo. Após uma semana de prática esse mesmo índice subiu para 40%.
Todos os avaliados afirmaram sentir menos desconforto e melhoria do quadro após esse experimento na busca do tratamento da xerostomia.tratamento da xerostomia

Cuidados com a saúde bucal na terceira idade

Cuidados com a higiene bucal combinado a consultas regulares com o dentista podem garantir dentes e gengivas saudáveis na terceira idade.
Uma atenção especial, no entanto, deve-se ter em relação a problemas com próteses dentárias, muito comuns a esse público.

Doenças crônicas, como diabetes e cardiovasculares, podem ser agravadas por uma saúde bucal deficiente.

Além das consequências físicas, a perda parcial ou total dos dentes traz também consequências emocionais.
A ausência de dentes causa enorme impacto na autoestima e a capacidade de mastigação torna-se mais reduzida. Isso acaba afetando as escolhas alimentares. Por consequência podem surgir deficiências nutricionais. E, consequentemente, o aparecimento de outras doenças.

Importante salientar que o avanço da idade requer do dentista uma atenção muito especial com esses pacientes. Isso devido ao risco aumentado para condições como doença periodontal, cáries radiculares, xerostomia, alterações funcionais da cavidade oral e câncer oral.

Pacientes da terceira idade em geral fazem uso de muitos medicamentos para tratamento de problemas diversos de saúde. Muitos desses medicamentos podem ser geradores de problemas para a saúde bucal. Como por exemplo a xerostomia (boca seca). Diante dessa condição, o dentista é o profissional mais habilitado a prestar as orientações devidas para correção dessa disfunção. Neste artigo anterior do blog Dentalis já destacamos os riscos do aparecimento da xerostomia como consequência do uso de muitos medicamentos.tratamento da xerostomia

Doenças mais comuns na terceira idade

Mal de Parkinson

Doença que se caracteriza por uma desordem progressiva dos movimentos. O Mal de Parkinson é um distúrbio cerebral que provoca deterioração progressiva, com rigidez muscular e tremores involuntários. É uma doença mais comum de ser observada a partir de 60 anos. Porém pode ocorrer também a partir dos 35 anos.
O Mal de Parkinson apresenta rigidez muscular, lentidão dos movimentos, andar arrastando os pés, postura inclinada para frente e dificuldade em engolir alimentos.
É uma doença progressiva e influencia a sociabilidade do indivíduo. Pode ser acompanhada de estado depressivo, dificultando o nível interesse do paciente pela vida. Pode ser geradora de problemas para o relacionamento familiar e social.

Tratamento

O processo não tem como ser revertido, mas sim retardado. Isso pode ser feito através pelo uso de medicamentos, fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional.

Alzheimer

É uma doença degenerativa do cérebro. Se caracteriza pela perda progressiva das habilidades de pensar, raciocinar, memorizar, afetando as áreas da linguagem e produzindo alterações no comportamento. Manifesta-se com mais frequência a partir dos 65 anos de idade.

Sua origem tem relação com certas alterações nas terminações nervosas e nas células cerebrais que interferem nas funções cognitivas.

As funções cognitivas servem de suporte para todas as operações mentais. São elas que nos permitem captar, elaborar e expressar sentimentos e opiniões. Sua origem está nas conexões dos neurônios.

Sintomas

Esquecimento de fatos ou obrigações recentes. O indivíduo acometido por este mal mantém a memória remota, mas tem dificuldades em lembrar episódios recentes. Relembra de situações do passado e as comenta como se estivessem acontecendo no momento.

Tratamento

Não possui cura até o momento. O tratamento medicamentoso se destina a controlar os sintomas e proteger pessoa doente dos efeitos produzidos pela doença.
O Alzheimer não afeta apenas o paciente, mas também as pessoas que lhe são próximas em termos emocionais, físicos e financeiros.

Hipertensão Arterial

A hipertensão arterial é uma doença crônica caracterizada pela elevação da pressão arterial igual ou acima de 140/90 (14 por 9). Isso quando verificada em várias medições e em horários diferentes do dia.

Não é uma doença exclusiva de idosos, podendo se manifestar em pessoas de todas as idades.
No entanto, estudos demonstraram que cerca de 65% dos idosos são hipertensos.
O controle adequado da doença reduz significativamente os ataques cardíacos e os derrames cerebrais na população idosa.

A hipertensão arterial pode ser originada ter origem genética. Porém muitas vezes está associada a alguns estilos de vida como sedentarismo, hábitos alimentares inadequados, fumo, e estresse emocional.

Tratamento

Alteração de hábitos de vida deletérios, seguir uma dieta pobre em gorduras e sal e rica em fibras. Praticar atividades físicas regulares, evitar o fumo, controlar o estresse emocional, dentre outras precauções.

Osteoporose

A osteoporose é uma doença silenciosa dos ossos e pouco sintomática. Afeta a estrutura dos ossos tornando-os frágeis e diminuindo sua capacidade de suportar o peso corporal. Atinge cada vez mais pessoas e atualmente estima-se que perto de 10% da população brasileira sofra do problema. Por ter menor resistência a traumas, são fraturas comuns no idoso, principalmente no fêmur, quadril, coluna e punho.

Exames como densitometria óssea podem diagnosticar a presença de osteopenia e osteoporose
Sintomas comuns: Dores nas costas ou pescoço. Coluna vertebral com alguma deformidade. Fraturas fáceis.

Cuidados importantes

Prevenção desde a juventude. Dieta balanceada com ingestão de alimentos ricos em cálcio e vitamina D. Exercícios físicos regulares visando estabilização nas articulações. Controle postural para evitar traumas em desequilíbrio. Diminuir a ingestão de álcool e tabagismo.

Dentalis software – a escolha certa em software para odontologia

Fonte: Dovepress, Portal Educação
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Xerostomia: um risco para pacientes mais velhos causado por certos medicamentos

Para adultos mais velhos, hipofunção da glândula salivar pode ser um efeito colateral de medicamentos prescritos.

A condição pode levar à cárie dentária, disgeusia (perda de paladar), machucado na mucosa oral, e candidíase oral, entre outros. Em uma revisão sistemática e meta-análise, os pesquisadores têm procurado saber mais sobre a ligação entre medicamentos e boca seca em adultos mais velhos. Eles descobriram que o uso de medicamentos foi significativamente associado com hipofunção da glândula salivar e xerostomia em adultos mais velhos.

Até o momento, poucos estudos têm investigado a gravidade da medicação -vir a induzir a boca seca e as sequelas associadas. Pesquisador pós doutorado, Dr. Edwin Tan da Monash University, na Austrália, trabalhou em estreita colaboração com pesquisadores da Karlstad University e do Academic Center for Geriatric Dentistry, ambos na Suécia, para títulos e resumos em um total de 1.544 estudos investigando o uso de medicamentos como uma exposição e xerostomia ou hipofunção da glândula salivar como desfechos adversos a medicamentos. No final, 52 foram considerados elegíveis para inclusão na revisão final e 26 na meta-análise.

Medicamentos associados à xerostomia

Nos estudos de intervenção incluídos, medicamentos urológicos, antidepressivos e psicolépticos foram significativamente associados com a boca seca em adultos com mais de 60 anos de idade. Nos estudos observacionais, o número de medicamentos e as várias classes de medicamentos foram significativamente associados com hipofunção da glândula salivar e xerostomia. Medicamentos usados para tratar incontinência urinária tiveram quase seis vezes mais probabilidade de causar boca seca do que um placebo.

Os cientistas recomendaram que a investigação futura desenvolva um valor mensurável para o risco para a xerostomia induzida por medicação para ajudar com a prescrição e gestão de medicação. Eles também sugeriram que os profissionais de saúde devem acompanhar regularmente e rever todos os medicamentos para identificar possíveis efeitos colaterais e para ajustar as doses de medicamentos ou alterar quando necessário.

O estudo, intitulado “Medicamentos que causam boca seca como um efeito adverso em idosos: Uma revisão sistemática e meta-análise”, foi publicado on-line antes da impressão no Journal of the American Geriatrics Society.​

Posted by Victor in Estudos, 0 comments