cânceres

Cigarro eletrônico causa câncer bucal? O que diz nova pesquisa

Os cigarros eletrônicos estão se tornando cada vez mais populares. Embora sejam vistos por alguns como uma alternativa mais segura ao fumo, seus efeitos ainda são relativamente desconhecidos.

Apresentando suas descobertas no 256º Encontro Nacional e Exposição da Sociedade Americana de Química em Boston, pesquisadores do Centro de Câncer Maçônico da Universidade de Minnesota em Minneapolis descreveram como os cigarros eletrônicos podem modificar o DNA das células orais e aumentar os riscos de câncer.

“Está claro que mais carcinógenos surgem da combustão do tabaco em cigarros comuns do que do vapor dos cigarros eletrônicos”, disse a principal pesquisadora do projeto, Dra. Silvia Balbo. “No entanto, não sabemos realmente o impacto da inalação da combinação de compostos produzidos por este dispositivo. Só porque as ameaças são diferentes, não significa que os cigarros eletrônicos sejam completamente seguros ”.

Metodologia

Para caracterizar as exposições químicas durante a vaping (a inalação e exalação do vapor de cigarros eletrônicos), os pesquisadores recrutaram cinco usuários de cigarros eletrônicos. Eles coletaram amostras salivares antes e depois de uma sessão de vaping de 15 minutos e analisaram as amostras quanto a substâncias químicas que danificam o DNA. Para avaliar os possíveis efeitos a longo prazo do vaping, a equipe avaliou os danos do DNA nas células das bocas dos voluntários. Os pesquisadores usaram métodos baseados em espectrometria de massa que haviam desenvolvido anteriormente para um estudo no qual avaliaram os danos orais do DNA causados pelo consumo de álcool.

Em uma coletiva de imprensa realizada em uma reunião, o pesquisador Dr. Romel Dator disse: “Após 15 minutos de contato com os vapores, os níveis de acroleína dos usuários de cigarros eletrônicos aumentaram na saliva em 30 a 60 vezes”. Em seu estudo, Dator e Balbo identificaram um total de três compostos prejudiciais ao DNA, formaldeído, acroleína e metilglioxal, cujos níveis aumentaram na saliva após o contato com os vapores. O perigo é quando os químicos tóxicos reagem com o DNA e causam danos. Se a célula não reparar o dano para que a replicação normal do DNA possa ocorrer, pode ocorrer câncer. Ou seja o potencial dos cigarros eletrônicos de virem a provocar câncer bucal é muito grande.

Cigarros convencionais vs cigarros eletrônicos

Os pesquisadores planejam acompanhar este estudo preliminar com uma pesquisa mais extensa envolvendo mais usuários e controles de cigarros eletrônicos. Eles também querem ver como o nível de adultos de DNA difere entre usuários de cigarros eletrônicos e fumantes regulares de cigarros. “Comparar cigarros eletrônicos e cigarros de tabaco é como comparar maçãs e laranjas. As exposições são completamente diferentes”, disse Balbo. “Ainda não sabemos exatamente o que esses dispositivos de cigarros eletrônicos estão fazendo e que tipo de efeitos eles podem ter na saúde, mas nossas descobertas sugerem que é preciso olhar mais de perto”.

Cigarros eletrônicos no mundo

Nos países onde a venda do cigarro eletrônico é liberada, as empresas “capturaram” novos consumidores direcionando o foco a pessoas cada vez mais jovens. “O apelo desses produtos é maior entre os jovens e as crianças. O tabagismo pode ser considerado uma doença pediátrica, pois o início do consumo ocorre antes dos 18 anos.

A viciante nicotina

A nicotina é viciante, e pesquisas sugerem que ela pode ser tão viciante quanto heroína, cocaína e álcool.

“Eu não inalo” é uma afirmação comum entre os usuários de charutos ou de cigarros eletrônicos. No entanto, a nicotina tem duas maneiras de ser absorvida: inalação através dos pulmões e absorção através do revestimento da boca. Como há contato direto com os lábios, a boca, a língua e a garganta, essas áreas ficam expostas aos produtos químicos que causam câncer.

Aqui estão algumas dicas que possam auxiliar dependentes em nicotina a colocar um ponto final no vício:

  • Definir uma data e começar a reduzir antes de seu início;
  • Listar as razões pelas quais a pessoa deseja fato parar
  • Dizer às outras pessoas que o usuário está abandonando o vício;
  • Identificar gatilhos: estresse, certas situações sociais, beber café ou álcool
  • Encontrar outras atividades como caminhar ou buscar um novo hobby ou interesse
  • Participar de um programa de suporte ao término da dependência ao tabagismo
Fonte: International Journal of Molecular Sciences e Oral Cancer Foundation
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Polêmica: pessoas mais altas têm maior risco para o câncer

Para a maioria dos cânceres, o risco de adquirir a doença aumenta fortemente com a idade.

Mas, e quanto ao efeito de ter mais células no corpo? Em outras palavras, será que as pessoas mais altas podem ser mais propensas ao câncer porque têm mais células?

A resposta é sim, garante o professor Leonard Nunney, um biólogo evolucionário da Universidade da Califórnia (EUA).

23 categorias de câncer

Nunney examinou dados de quatro projetos de rastreio – exames preventivos – de larga escala cobrindo 23 categorias de câncer.

Cada um desses estudos estabeleceu que os indivíduos mais altos têm um maior risco de adquirir o câncer, com o risco geral aumentando em cerca de 10% a cada 10 centímetros de aumento da altura.

Outros pesquisadores contestaram essa ideia, propondo que os fatores que agem no início da vida – nutrição, saúde, condições sociais – influenciam independentemente a altura e o risco de câncer.

Mas Nunney diz que seus dados não confirmam essa hipótese.

“Eu testei a hipótese alternativa de que a altura aumenta o número de células e que ter mais células aumenta diretamente o risco de câncer. Os dados apoiaram fortemente esta hipótese simples. Para a maioria dos cânceres, a intensidade do efeito da altura é previsível a partir do aumento do número de células,” disse ele.

Os resultados foram publicados na revista científica Proceedings of the Royal Society B.

Posted by Victor in Estudos, 0 comments