chicletes

Chicletes sem açúcar podem virar aliados na luta contra as cáries

chiclete sem açucarNo início deste ano, os resultados de um estudo do Reino Unido sugeriram que o Sistema de saúde britânico poderia economizar de modo substancial se chicletes sem açúcar fossem considerados como uma intervenção regular nos cuidados da saúde bucal. Expandindo o âmbito da pesquisa para uma escala global, a questão dos chicletes como prevenção às cáries dentárias foi questionada no encontro da Associação Internacional de Odontopediatria, que aconteceu de 26 a 28 de agosto em Taiwan.

No passado, vários estudos mostraram que mascar chiclete que não contém açúcar, particularmente após às refeições, pode reduzir o desenvolvimento de cáries. Por exemplo, os ácidos liberados das placas que causam cáries são removidos de modo significativo da boca através do mecanismo de aumento do fluxo salivar. Além disso, a saliva ajuda a remover os restos de alimentos das superfícies dos dentes, é eficaz na remineralização de esmalte danificado, e estimula a remineralização de cavidades em estágio inicial.

No encontro, que foi o primeiro encontro regional da organização no país, um fórum com especialistas internacionais abordou novamente a discussão sobre os potenciais benefícios dos chicletes sem açúcar na saúde bucal e os resultados dos ganhos econômicos em sistemas de saúde nacionais, reportou o China Post.

De acordo com o Dr Michael Dodds, cientista líder em saúde bucal na Wrigley Company Foundation, que apoiou a pesquisa do Reino Unido, o estudo mostrou que, se todas as crianças do país com 12 anos de idade mascassem chiclete sem açúcar três vezes ao dia, isso poderia ser equivaler a uma economia anual no sistema de saúde de € 9.7 milhões. No estudo, economias em potencial nas despesas voltadas aos cuidados bucais foram estimadas ao considerar os custos das restaurações e extrações dentárias causadas por cárie dentária e executados em setores primários da saúde e sob anestesia geral.

As descobertas do estudo, intitulado “Oral health promotion: The economic benefits to the NHS of increased use of sugarfree gum in the UK”, foram publicados on-line em 12 de fevereiro no British Dental Journal.

Expandindo o âmbito da pesquisa para uma escala global, Dodds apresentou uma nova pesquisa que será publicada nos próximos meses. Os resultados sugerem que Taiwan pode economizar até € 251 milhões por ano se todos os habitantes mascarem chiclete sem açúcar três vezes por dia, disse Dodds no encontro.

Resultados prévios confirmam evidências

Embora a Wrigley, uma empresa conhecida por sua vasta gama de marcas de chiclete, tenha apoiado a pesquisa, as novas descobertas foram baseadas em resultados científicos prévios. Por exemplo, pesquisadores da Universidade de Groningen descobriram que chicletes sem açúcar removeram até 100 milhões de bactérias em 10 minutos, fazendo disso algo útil a ser adicionado às medidas de higiene bucal como escovar os dentes e usar o fio dental.

Dentalis software – administra seu consultório garantindo mais tempo para o seu paciente

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Chicletes com Xilitol não protegem pacientes com aparelhos ortodônticos

aparelho ortodonticoa
 Pacientes com aparelhos ortodônticos fixos são mais propensos a problemas bucais como cárie dentária. Como o xilitol tem demonstrado ter qualidades preventivas, especialmente para as pessoas com risco de moderado a elevado de degradação, pacientes ortodônticos são muitas vezes aconselhados a mascar chicletes contendo xilitol ou rebuçados. Um estudo recente, no entanto, descobriu que o xilitol não possui nenhum benefício clínico ou bacteriano, nestes pacientes.
 
O estudo procurou investigar os efeitos a longo prazo do xilitol na saliva e placa estreptococos do grupo mutans , que desempenham um papel importante no desenvolvimento da cárie dentária. Ele incluiu 41 homens e mulheres adolescentes e jovens adultos com idades entre 12-30 anos que foram submetidos à tratamento ortodôntico com aparelhos fixos entre os meses de Janeiro e Dezembro de 2009.
 
Os participantes foram divididos em três grupos. Os membros do primeiro grupo consumiu seis pedaços de goma de mascar xilitol por dia durante três meses depois de cada refeição, resultando em um total ingestão diária de 6 g de xilitol. O segundo grupo ate 12 xilitol para mastigar hortelã por dia para o mesmo período, também resultando em um total ingestão diária de 6 g de xilitol. Os participantes do terceiro grupo serviram como controles e não receber qualquer xilitol. Além disso, todos os participantes foram instruídos em higiene bucal, limpeza regular e aplicação tópica de flúor.
 
Exame clínico de três, seis e 12 meses iniciais mostraram que todos os três grupos tiveram uma redução nos escores de placa. No entanto, não houve diferença significativa entre os grupos. Além disso, todos os grupos apresentaram uma redução em placa contagem de estreptococos do grupo mutans , com uma redução significativa no mint. Após três meses iniciais, o grupo controle apresentou valores mais baixos que os outros dois grupos. Os pesquisadores também não encontraram diferença significativa nos índices CPO-D ou suporte quebrado entre os grupos durante todo o período de estudo, indicando que o xilitol não aumentam o risco de desenvolver cáries ou debonded aparelhos ortodônticos.
 
Como a maioria das placa bacteriana falta a capacidade de fermentar o xilitol em cariogênicos produtos finais e ele poderia, assim, inibir crescimento bacteriano, um número de organizações recomendam o uso odontológico xilitol na prevenção da cárie dentária. O California Dental Association, por exemplo, considera a ingestão total de 5 g de xilitol sob a forma de pastilhas elásticas ou rebuçados três a cinco vezes por dia ideal.
 
No entanto, com base em suas conclusões, os pesquisadores foram capazes de defender o seu uso como medida de prevenção de cárie, uma vez que não fornecem qualquer benefício mensurável adicionais. Eles concluíram que higiene bucal instruções e flor aplicação foram eficazes em participantes do estudo acompanhado ou não o xilitol foi consumida.
 
O estudo, intitulado “consultório a longo-prazo e efeito antimicrobiano de xilitol em pacientes com aparelhos ortodônticos fixos,” foi publicado na edição de Outubro do Curso de Ortodontia oficial.
Posted by Victor in Estudos, 0 comments