cuidados

Coronavírus: o que vai mudar na sua próxima consulta ao dentista

Coronavírus: o que vai mudar na sua próxima consulta ao dentista

consulta ao dentista

Da próxima vez que você for a uma consulta ao dentista pode ser muito diferente do que você está acostumado.
As máscaras cirúrgicas darão lugar aos respiradores N95, a broca odontológica estará em silêncio e as revistas da sala de espera terão sumido.

Faz quatro décadas que a epidemia da Aids mudou a odontologia. Foi quando os dentistas passaram a usar luvas e óculos de proteção pela primeira vez. Agora, o novo coronavírus está desafiando o setor novamente a intensificar seus padrões de higienização.
Isso ocorre à medida que os pacientes iniciam o retorno aos cuidados de rotina em meio a uma pandemia global.

Paciente na consulta ao dentista – segurança garantida

Os dentistas são realmente ótimos no controle de infecções e estão preparados para garantir segurança a seus pacientes.

A Administração de Segurança e Saúde Ocupacional dos EUA considera a odontologia um “risco muito alto” para a transmissão de coronavírus. Mesmo assim não existem registros de Covid-19 associados a ambientes odontológicos ou entre dentistas, de acordo com o CDC americano.

Em março, quando a pandemia começou a aumentar nos EUA, a maioria dos consultórios se limitava apenas ao atendimento de emergências.

Para estabelecer um “novo normal” à medida que os pacientes retornam, o CDC e o Departamento de Saúde Pública da Califórnia emitiram orientações em 3 e 7 de maio passado. Eles renovaram as rotinas, incluindo exames pré-atendimento, quais ferramentas usar e como o ar é filtrado dentro consultórios.

Por que os dentistas precisam adotar precauções extras

Sabe-se que o coronavírus se espalha por gotículas respiratórias emitidas quando uma pessoa infectada espirra, tosse ou fala.

No entanto, muitos procedimentos odontológicos padrão que utilizam instrumentos ultrassônicos podem causar aerossolização do vírus criando um spray contendo uma mistura de água, saliva e outros detritos, de acordo com o CDC.

Quando o coronavírus se torna aerossolizado, as grandes gotas que caem rapidamente no chão ou em outras superfícies podem ficar no ar por períodos mais longos.

Devido ao risco de aerossolização do vírus, o CDC recomenda a manutenção adequada dos sistemas de ventilação quando da reabertura dos consultórios odontológicos.

Uma medida simples é procurar abrir as janelas para promover a circulação de ar sempre que possível.
Para o caso de procedimentos que ocorra a geração de aerossóis, o CDC recomenda que os consultórios façam uso de filtros de ar portáteis HEPA.
Os filtros reduzem a contagem de partículas e filtram o ar na sala mais rapidamente.

Partículas em aerossol em suspensão no ar

Caso existam partículas aerossolizadas não filtradas, o que se deve fazer?
Nesse caso, o CDC recomenda que os funcionários aguardem 15 minutos após a saída do paciente da sala. Depois disso pode-se seguir os protocolos de desinfecção das superfícies.

Consulta ao dentista – Triagem prévia dos pacientes

É importante salientar da real necessidade que se faça uma triagem prévia dos pacientes antes do atendimento. Isso já foi salientado por nós aqui no blog Dentalis.

Essa triagem prévia pode ser feita através de contato telefônico antes do atendimento.
Na ligação os pacientes podem ser questionados se apresentaram sintomas relacionados à infecção
últimos 14 dias.
Bem como o qualquer contato com pessoas positivas para Covid-19.

Quando os pacientes chegam ao consultório do dentista, eles são examinados novamente com as mesmas perguntas e medida a temperatura.
Diante da suspeita do paciente ter uma infecção ativa por Covid-19, o atendimento odontológico deve ser suspenso.

Máscaras são sempre necessárias dentro do consultório tanto para funcionários como pacientes. Com exceção, é claro, quando o paciente estiver sendo atendido.
É importante o consultório dispor de máscaras faciais extras em caso de necessidade.

Recomenda-se também que as cadeiras na sala de espera estejam afastadas pelo menos 2 metros uma das outras. Importante também que as consultas sejam escalonadas afim de impedir aglomerações na sala de espera.

Recomendações extras durante o atendimento

Devido ao risco de aerossolização do vírus, alguns cuidados devem ser adotados.
É recomendável limitar o uso de certos instrumentos odontológicos.
Instrumentos como brocas ultrassônicas, ferramentas de polimento e a seringa de ar/água que possam misturar água com a saliva na boca aberta do paciente devem ser evitadas.

Para o caso de um atendimento de limpeza, como uma profilaxia dental, o que fazer?
Nesse caso, deve-se optar pelo uso de instrumentos manuais em vez do ultrassom, ou uma combinação de ambos.
Importante salientar que o uso de ferramentas manuais pode levar mais tempo, mas é igualmente eficaz.

Para outros procedimentos que requerem o uso de ferramentas ultrassônicas, os dentistas são aconselhados a usar um dique de borracha para isolar o dente. Nesse caso o dentista irá precisar do auxílio de um assistente. No procedimento, o dentista, equipado com EPI, incluindo máscara N95, executará o procedimento. Ao mesmo tempo, um assistente, similarmente protegido, se colocará ao lado do paciente, segurando um dispositivo de sucção de alta evacuação.
O canudo branco grande tem a capacidade de aspirar de 90% a 95% do jato de água que sai da boca do paciente.

Adotando todas as precauções, desde a triagem antes da consulta ao uso de EPI e cuidados no tratamento a segurança no atendimento estará assegurada. Com os devidos cuidados a consulta ao dentista a consulta ao dentista voltará a ser uma realidade para as pessoas que estavam afastadas dos consultórios por medo ou desinformação.

Fonte: MedicalXpress
Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Bebidas doces podem aumentar o risco de morte

bebidas doces

Bebidas doces fazem mal à saúde. Esse é um alerta que dentistas e médicos fazem para seus pacientes há muito tempo. Também há muitos anos que esses profissionais recomendam que seus pacientes limitem ao mínimo possível o consumo de bebidas doces. Aqui no blog Dentalis já postamos um artigo alertando para os riscos do consumo em excesso de bebidas doces.
Um novo estudo deu muitas razões para dizer reafirma um não ao açúcar.

Uma nova pesquisa agora associa o consumo de bebidas doces a um risco aumentado de morte por causas variadas.

O estudo

O estudo envolveu um total de mais de 450.000 pessoas na Europa. Mostrou que aqueles que tomavam dois ou mais refrigerantes por dia corriam um risco maior de morte por doenças cardíacas, intestinais e derrames.

Neste estudo os pesquisadores pesquisaram o consumo de refrigerantes do Reino Unido, França e Espanha.

Os resultados indicam que uma dieta repleta de açúcar é extremamente prejudicial ao nosso bem-estar.
No Reino Unido, por exemplo, Observa-se uma das maiores taxas de consumo de açúcar do mundo.
O Brasil certamente apresenta valores semelhantes ou até quem sabe maiores.

Este estudo nos alerta para a gravidade da questão que chega a ser assustadora. Ou seja, que quantidades demasiadas de açúcar podem ser extremamente prejudiciais a nossa saúde.

O açúcar adicionado é o principal culpado quando se trata de várias doenças crônicas importantes. Aí podemos incluir as cáries, o diabetes e doenças cardíacas.
O preço cobrado é altíssimo e simplesmente não pode ser ignorado. É preciso fazer mais para reduzir o consumo de açúcar e incentivar alternativas mais saudáveis.

A cárie dentária na infância e a obesidade são duas questões comuns na Europa e Brasil. Em grande parte decorrentes do consumo de de altos níveis de açúcar.

Bebidas doces, açúcar e problemas de saúde

O estudo, publicado na JAMA Internal Medicine, descobriu que as bebidas doces estavam associados a mortes por doenças digestivas, como doenças intestinais.
Os refrigerantes adoçados artificialmente ou ‘diet‘ estavam fortemente ligados a mortes por doenças circulatórias, como doenças cardíacas e derrames.

Escovar os dentes regularmente com creme dental com flúor, é um aspecto fundamental da boa saúde bucal. Por outro lado não pode impedir a ocorrências de cáries dentárias causadas pelo consumo excessivo de açúcar.

O importante é os pais realizarem trocas simples na alimentação de seus filhos todos os dias. Assim, levar as crianças a consumir versões mais saudáveis de alimentos e bebidas já é um primeiro e grande passo. Isso já poderá de forma simples reduzir significativamente a ingestão de açúcar.

Cuidar de nós mesmos é observar nossa alimentação de cada dia. Alimentar-se com qualidade significa criar novos hábitos saudáveis, deixando para trás comidas e bebidas que podem ser fontes de doenças.

Imposto sobre o açúcar

No Reino Unido já existe o imposto sobre o açúcar. Representa uma intervenção do governo na busca da redução da quantidade de açúcar nas prateleiras dos supermercados e dos lares britânicos.
Dentre os próximos passos, eles pretendem tornar alimentos mais saudáveis mais baratos nas gôndolas dos supermercados.

Interessante será observar o impacto que tais medidas terão sobre a qualidade e expectativa de vida dessas populações nos próximos anos.

Fonte: JAMA
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Dentista: como se proteger de eventuais processos judiciais

processos judiciais

Os dentistas, assim como outros profissionais, devem estar vigilantes sobre os tipos de situações que podem levar a processos judiciais contra dentistas.
Quando em geral os pacientes acusam os dentistas de negligência, estão alegando que os serviços ou conselhos do dentista violaram um padrão profissional de atendimento.

Em outras palavras, seu trabalho falhou em atender a expectativas razoáveis com base em seu treinamento e experiência profissional.

Dentistas são profissionais de saúde especializados no diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças, lesões, danos ou perda de dentes, gengivas e boca.

Os dentistas podem tratar dentes mal alinhados com aparelhos ou outros dispositivos. Eles podem preencher, remover ou substituir os dentes naturais ausentes, doentes ou danificados por restaurações artificiais, coroas, pontes, dentaduras ou implantes dentários.

Desde exames e profilaxias até o preenchimento de cavidades e canais radiculares, o dentista fornece serviços inestimáveis para seus pacientes.

A saúde bucal é extremamente importante. O trabalho do dentista é garantir que os dentes dos pacientes tratados estejam e permaneçam fortes e saudáveis.

O número de atendimentos odontológicos no Brasil nos últimos anos vem crescendo grandemente.
Isso é excelente, pois demonstra que nossa população está mais preocupada em cuidar de sua saúde bucal.

Por outro lado tem sido cada vez mais frequente ver pacientes insatisfeitos entrando na Justiça com processos judiciais contra dentistas.

A solução?

Interrompa os processos judiciais antes que eles aconteçam.
Abaixo, compartilhamos algumas dicas sobre como fazer exatamente isso.

Quais situações levam a processos judiciais contra dentistas

Normalmente as alegações dizem respeito à qualidade do trabalho executado pelo dentista. É importante perceber que muitas reivindicações não têm absolutamente nada a ver com o trabalho executado pelo dentista.

As alegações de práticas que mais motivam ações judiciais contra dentistas incluem:

Falha em fornecer aos pacientes todas as informações necessárias

Por exemplo, um paciente pode alegar que o dentista não descreveu completamente todas as opções de tratamento possíveis e os riscos associados. O que poderia significar que o paciente não pôde tomar uma decisão adequada.

Falha nos tratamentos ou procedimentos

Isso pode incluir reivindicações de danos ou lesões dentárias de restaurações danificadas, canais radiculares, implantes, facetas, coroas e muito mais.

Os pacientes também podem alegar que o dentista não detectou cárie ou outro problema durante um exame oral de rotina. E isso desencadeou problemas maiores, mais graves e caros. Um procedimento odontológico que resultou em séria infeção é um exemplo. À propósito, aproveito para compartilhar com vocês medidas de controle de infecção no atendimento odontológico disponíveis neste link.

Conselho profissional questionável

Os pacientes podem alegar que o dentista não forneceu um conselho profissional sólido. Eles também podem alegar que o dentista não encaminhou o paciente a um especialista quando necessário.

Responsabilidade por produtos

Os dentistas podem ser responsabilizados pelo uso de produtos, dispositivos orais e materiais defeituosos. Isso mesmo que o dentista não tenha fabricado os itens em questão.

Danos em nervos

Reivindicações comuns alegam que um dentista danificou o nervo lingual ou nervo alveolar inferior enquanto fazia anestesia ou durante remoção dental.

Erros de diagnóstico

Os pacientes podem alegar que o dentista diagnosticou uma condição incorretamente. Ou seja, que o dentista fez um diagnóstico tardio ou que não conseguiu diagnosticar a patologia a tempo de barrar sua evolução.

processos judiciais

O que os dentistas podem fazer para evitar ações judiciais

A melhor maneira de “vencer” processos judiciais contra dentistas é interrompê-los antes que aconteçam.

Aqui seguem algumas dicas para evitar e prevenir incomodações:

1. Comunique-se claramente com seu paciente antes do tratamento

Nunca inicie o tratamento de pacientes até ter certeza de que eles entendam exatamente o que você fará e os possíveis riscos envolvidos.

Não tome como certo que seus pacientes tenham conhecimento prévio de procedimentos odontológicos.

Fale claramente e não deixe de incentivá-los a fazer perguntas.

Você pode até pedir que seus pacientes assinem um termo de consentimento que declare entender o tratamento e seus riscos.

2. Fique atento a consultas perdidas ou canceladas

Seu consultório ou clínica deve ter um protocolo por escrito para acompanhar pacientes que perdem ou cancelam uma consulta.
Isso mesmo que seja apenas uma profilaxia a cada seis meses.
Uma consulta perdida significa que você pode perder a oportunidade de diagnosticar uma condição grave o mais rápido possível.
Condição essa que o deixa vulnerável a futuras alegações de negligência.

3. Fique na sua zona de conforto

Se os pacientes chegarem a você com um problema que você não se sinta confortável em diagnosticar ou tratar, encaminhe-os a um especialista em quem você confia.

Se você decidir prosseguir com um procedimento e venha a falhar, os pacientes (e seus advogados) podem argumentar que um especialista seria uma rota mais segura. E que assim você deveria tê-los orientado nesse sentido.

4. Mantenha registros precisos

Embora possa parecer trabalhoso, procure manter registros dos claros dos atendimentos realizados. Alguma coisa saiu errado? Anote, para não esquecer. Detalhe as providências tomadas.
Se houver uma complicação ou se o paciente descobrir mais tarde, a reação pode ser surpresa, raiva ou uma reclamação contra a prática do dentista.

5. Nunca apague nada no prontuário do paciente

Não apague nada, nem mesmo erros no prontuário do paciente.
Se o dentista acidentalmente registrar um erro em um gráfico, basta riscá-lo e anotar que é um erro.

Se esse paciente entrar com uma ação judicial posteriormente e seus registros forem examinados, parecerá suspeito se as entradas tiverem sido apagadas.

processos judiciais

Apólice de seguro para você e/ou sua clínica

Apesar de todas essas precauções, é uma boa ideia e recomendável  para os dentistas contratarem uma apólice de seguros de Responsabilidade Civil.

A cobertura de um seguro pode ajudar o dentista a encontrar um advogado afeito a questões da odontologia e a pagar os custos associados a uma ação judicial. Isso inclui honorários da defesa, honorários judiciais, acordos e julgamentos.

Frente às incertezas, se você contar com um seguro individual e/ou para sua clínica odontológica as coisas podem ficar muito mais fáceis.

Por que clínicas odontológicas também necessitam de um seguro?

Todos os dentistas empresários precisam contar com certas modalidades de seguro comercial e uma boa corretora.

Não são apenas tipos específicos de cobertura obrigatórios, mas também que garantam proteção contra eventuais ações judiciais.

São riscos inerentes à profissão. Na falta de um seguro, as despesas podem alcançar valores exorbitantes. Tentar cobrir esses custos por conta própria pode trazer ao dentista empresário muitas incomodações e dificuldades.
A contratação de uma apólice de Responsabilidade Civil pode proporcionar ao dentista segurança e tranquilidade.

O seguro de sua clínica odontológica o ajudará a cobrir o custo de quaisquer contratempos que possam surgir. Estando devidamente segurado, em vez de ter que pagar por despesas decorrentes de processos judiciais por conta própria, a companhia de seguros pagará por você.

Em outras palavras, o seguro pode ajudá-lo a evitar sérios problemas financeiros. É uma necessidade absoluta para o dentista de forma individual e também para o proprietário de uma clínica odontológica.

Nós do Dentalis pesquisamos pra vocês e no segmento de seguros para dentistas encontramos uma corretora especialista em questões voltadas para a odontologia que temos a satisfação em recomendar.

Se você já quiser fazer uma cotação (sem compromisso) de uma apólice de seguro para você e/ou sua clínica basta acessar este link.

Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Saúde bucal durante a gravidez: saiba como manter

saúde bucal durante a gravidez

Como manter a saúde bucal durante a gravidez. É uma questão importante para se refletir.
A gestação traz muitas mudanças ao corpo da mulher. É altamente recomendável que a mulher não se esqueça de cuidar da sua saúde bucal durante a gravidez. É fundamental tratar de eventuais cáries dentais e quaisquer outros problemas.

Para tanto é importante que a mulher não deixe de visitar seu dentista durante esse período.
Estando grávida a mulher deve avisar seu dentista. Isso porque nem todos os tratamentos e procedimentos odontológicos podem ser realizados durante esse período.

Gravidez e gengivite

A inflamação e sangramento das gengivas (gengivite) são comuns e podem comprometer a saúde bucal durante a gravidez.
Alterações nos níveis hormonais no corpo da mulher podem causar aumento da circulação sanguínea na área da gengiva. Isso pode agravar o risco de sangramento.
Essas alterações também podem facilitar o acúmulo de placa bacteriana na linha das gengivas. Mais um fator que pode comprometer a saúde bucal durante a gravidez. Isso porque aumenta a probabilidade de infecção bacteriana.

É importante que a mulher cuide bem das suas gengivas mesmo antes de engravidar. Escovar e usar o fio dental pelo menos três vezes ao dia. E visitar seu dentista para uma limpeza profissional é essencial.

Dicas simples para manter a saúde bucal durante a gravidez

Desenvolver o hábito de fazer bochechos com água salgada para manter as gengivas limpas. Procurar ter uma dieta mais saudável sem alimentos refinados e açucarados e doces que promovam o acúmulo de placa bacteriana.
Evitar a todo custo uma infecção. É que muitos antimicrobianos e medicamentos outros podem ser perigosos e evitados durante esse período. Alguns antibióticos quando consumidos durante a gestação podem aumentar o risco de aborto espontâneo.
São medidas simples que poderão garantir uma adequada saúde bucal durante a gravidez.

Gravidez e cárie dentária

Em razão do acúmulo mais facilitado da placa bacteriana nas gengivas e nos dentes, a cárie também pode surgir.
O enjoo matinal (que pode incluir episódios de vômito) também pode promover cáries. Isso porque cria um ambiente ácido que corrói o esmalte dos dentes.

Problemas bucais não são apenas um problema para as mães, mas também para o bebê. É que problemas como periodontite e cáries aumentam o risco de nascimento prematuro, diabetes gestacional e pré-eclâmpsia. A pré-eclâmpsia é uma condição perigosa caracterizada por pressão alta, altos níveis de proteína na urina e inchaço nas extremidades.

Tumores da Gravidez

Algumas mulheres desenvolvem nódulos não-cancerígenos chamados erroneamente de “tumores da gravidez”, que na verdade não são perigosos.
Esses minúsculos pedaços formam-se entre os dentes e aparecem com mais frequência durante o segundo trimestre. Também chamado de “granuloma piogênico”, eles podem sangrar facilmente e causar desconforto.
O dentista pode recomendar a remoção. Porém, se eles não causam incômodo à gestante, o melhor é aguardar. É que na grande maioria das vezes esses caroços desaparecem espontaneamente depois da mulher ter dado à luz.

Dentes soltos

Os dentes podem se soltar durante a gravidez. Isso pode ocorrer mesmo que as gengivas da gestante sejam saudáveis. É que os níveis mais elevados de progesterona e estrogênio podem afetar os ligamentos que sustentam os dentes.
Mais uma vez, essa condição é temporária e não leva à perda do dente.

Mais uma vez é importante que a mulher, para garantir sua saúde bucal durante a gravidez, consulte seu dentista sobre o desconforto causado por dentes soltos.

A alteração dos níveis hormonais traz um risco maior de várias condições. Dentre elas, o aumento do volume das gengivas e dentes soltos. Uma boa limpeza profissional irá garantir que as gengivas e dentes da gestante não apresentem placa. A consulta odontológica também poderá garantir que quaisquer sinais de cáries ou doenças nas gengivas sejam tratados com medicamentos e técnicas seguras.
Se a mulher está pensando em engravidar ou já está esperando um bebê, deve transformar em prioridade a sua saúde bucal durante a gravidez.

saúde bucal durante a gravidez

Suplementos durante a gravidez: o que é seguro e o que não é

A gravidez pode ser uma das experiências mais excitantes e felizes na vida de uma mulher. No entanto, também pode ser um momento confuso e complicado para algumas futuras mães.
A internet, revistas e anúncios inunda as mulheres com conselhos sobre como se manter saudável.
A maioria das mulheres sabe que mariscos com alto teor de mercúrio, álcool e cigarros estão fora dos limites durante a gravidez.
Porém muitas mulheres não sabem que algumas vitaminas, minerais e suplementos de ervas devem também ser evitados. Informações sobre quais suplementos são seguros e quais não são seguros. Muitas vezes, isso varia entre as fontes, tornando as coisas ainda mais complicadas.
Este complemento do artigo detalha quais suplementos são considerados seguros durante a gravidez. E também explica por que alguns suplementos devem ser evitados.

Consumir os nutrientes certos é importante em qualquer etapa da vida. Isso é especialmente crítico durante a gestação. É que mulheres grávidas precisam nutrir a si mesmas e seus bebês em desenvolvimento.

Gravidez aumenta a necessidade de nutrientes

Durante a gravidez, a ingestão de macronutrientes de uma mulher precisa crescer significativamente. Macronutrientes incluem carboidratos, proteínas e gorduras.
Por exemplo, o consumo de proteína precisa aumentar de 0,8 gramas por kg de peso corporal para mulheres não grávidas para 1,1 gramas por kg de peso corporal para mulheres grávidas .No entanto, a necessidade de micronutrientes, que incluem vitaminas, minerais e oligoelementos, aumenta ainda mais do que a necessidade de macronutrientes.

Vitaminas e minerais suportam o crescimento materno e fetal em todas as fases da gravidez. São obrigados a apoiar funções críticas, como crescimento celular e sinalização celular.
Algumas mulheres são capazes de atender a essa demanda crescente apenas através de uma dieta bem planejada, rica em nutrientes. Outras, no entanto, não conseguem.

Mulheres grávidas que podem precisar tomar suplementos vitamínicos e minerais. Conheça as razões

  • Deficiências nutricionais: Um exame sanguíneo pode revelar que a gestante apresenta deficiência de uma vitamina ou mineral. A correção dessas deficiências é fundamental. Isso evita a falta de nutrientes como o folato, que tem sido associada a defeitos congênitos.
  • Hiperemese gravídica: Esta complicação na gravidez é caracterizada por náuseas e vômitos intensos. Pode levar a perda de peso e deficiências nutricionais.
  • Restrições dietéticas: Mulheres que seguem dietas específicas, incluindo veganos e pessoas com intolerâncias alimentares e alergias. Nesses casos podem precisar suplementar com vitaminas e minerais para evitar deficiências de micronutrientes .
  • Tabagismo: É absolutamente crítico que as mães evitem cigarros durante a gravidez. Aquelas que não conseguem parar de fumar têm uma maior necessidade de nutrientes específicos, como vitamina C e folato.
  • Gravidezes múltiplas: As mulheres que vão dar à luz mais de um bebé têm necessidades mais elevadas de micronutrientes do que as mulheres que gestam um bebê. A suplementação é frequentemente necessária para garantir uma nutrição ideal para a mãe e seus bebês.
  • Mutações genéticas como MTHFR: MTHFR é um gene que converte folato em uma forma que o corpo pode usar. Mulheres grávidas com essa mutação genética podem precisar suplementar com uma forma específica de folato para evitar complicações.
  • Dieta pobre: ​​Mulheres que com dietas inadequadas são aquelas que consomem alimentos com baixo teor de nutrientes. Nesse caso se faz necessária a suplementação de vitaminas e minerais para evitar deficiências.

Especialistas, como os do Congresso Americano de Obstetrícia e Ginecologia fazem uma importante recomendação. Eles recomendam que todas as gestantes tomem um suplemento pré-natal de vitamina e ácido fólico. É aconselhável preencher lacunas nutricionais e prevenir defeitos congênitos como a espinha bífida.

Consumo de chás à base de ervas medicinais durante a gravidez

Além dos micronutrientes, os chás e suplementos de ervas são populares.

Um estudo descobriu que cerca de 15,4% das mulheres grávidas nos EUA usam suplementos de chás e ervas medicinais.

De forma alarmante, mais de 25% dessas mulheres não informaram o médico que estavam tomando.

Não dispomos de dados oficiais para o nosso país. Mas esse percentual aqui no Brasil acredito eu deve ser superior ao verificado nos EUA.

Embora alguns suplementos de ervas possam ser seguros durante a gravidez, há muitos que podem trazer problemas.

Embora algumas ervas possam ajudar com complicações comuns da gravidez, como náusea e dor de estômago, algumas podem ser prejudiciais à mãe e ao feto. O risco é grande, pois existem ervas medicinais com propriedades abortivas.

Assim, deve-se tomar todo o cuidado no consumo de chás e qualquer tipo de insumo de origem vegetal desconhecida.

Fontes: Dental News, healthline
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Gravidez: como cuidar dos dentes e evitar o parto prematuro

parto prematuroParto prematuro é um risco significativamente maior que paira sobre mulheres grávidas com gengivas doentes. Isso é o que revelaram os resultados de um novo estudo.

A pesquisa descobriu que mulheres que iniciaram o trabalho de parto prematuro apresentavam uma vez e meia mais chances (45%) de ter doença gengival que as mulheres que tiveram uma gravidez normal (29%).

O estudo também descobriu que as taxas de parto prematuro eram mais comuns em mulheres com cárie dentária ou obturações não tratadas.

A pesquisa em questão destaca o impacto que a saúde bucal pode ter no bem-estar geral.

parto prematuroDoença gengival e parto prematuro

A saúde da nossa boca pode ter uma influência direta em muitas partes da nossa saúde geral. Isso inclui as chances de um nascimento mais seguro.

Muitas mulheres acham mais difícil manter uma boa saúde bucal durante a gravidez. Isso ocorre porque as alterações hormonais durante esse período podem deixar as gengivas mais vulneráveis ​​à placa e mais propensas a ficarem doloridas e inchadas. Eles podem até sangrar.

Como parte do estudo, os pesquisadores examinaram as gravidezes e a saúde bucal de quase 150 mulheres.

Eles descobriram que as mulheres que entraram em trabalho de parto prematuro apresentam percentuais de saúde da gengiva quatro vezes menores do que aquelas que tiveram um parto normal. Gestantes que entraram em trabalho de parto prematuro também apresentavam oito vezes mais índice de placas.

Para garantir que a sua gravidez seja o mais suave possível, é importante a grávida dar à sua boca o melhor cuidado.

A gestante deve manter uma forte rotina de saúde bucal, escovando os dentes duas vezes por dia com um creme dental com flúor e limpando entre os dentes diariamente com fio dental e escovas interdentais.

Visitas periódicas ao dentista também são altamente recomendáveis.

O fumo e o consumo de álcool também aumentam a chance de doença gengival e têm um efeito adverso no desenvolvimento do feto.

Tanto o fumo quanto o álcool podem levar os bebês a nascer com baixo peso e ter saúde bucal deficiente. Podem inclusive comprometer o desenvolvimento do esmalte dentário.

parto prematuro

Dicas de como garantir a saúde bucal durante a gravidez (perguntas e respostas)

Por que os cuidados com a saúde bucal da gestante e do bebê são tão importantes?

A saúde bucal da mulher pode sofrer durante a gravidez. Também é importante especial atenção com a saúde bucal tanto da mãe quanto do bebê nos primeiros meses de vida da criança.
Isso para evitar a doença gengival da gestante e o risco de um parto prematuro. E também ajudar a garantir que mãe e bebê tenham bocas saudáveis no futuro.

Preciso consultar meu dentista durante a gravidez?

Sim. Devido às alterações hormonais durante a gravidez, a saúde bucal de algumas mulheres precisa de mais cuidados durante esse período. Por exemplo, você pode notar que suas gengivas parecem sangrar mais facilmente. Visitas regulares ao dentista também garantem a futura mamãe a diminuição do risco de um parto prematuro.

Por que minhas gengivas estão sangrando?

Você pode notar que suas gengivas ficam doloridas e inchadas durante a gravidez e podem sangrar. Isto se deve a alterações hormonais no seu corpo. Significa que a gestante deve manter seus dentes e gengivas limpos e visitar seu dentista regularmente. Você também pode precisar de consultas com seu dentista para uma limpeza profilática evitando assim a formação de placa bacteriana e tártaro. Além, é claro também o aconselhamento sobre como cuidar dos dentes em casa. Uma boa profilaxia dental também aumenta as chances da gestante não entrar em trabalho de parto prematuro.

O tratamento odontológico é seguro durante a gravidez?

Sim. Não deve haver problemas com o tratamento de rotina. Se você não tem certeza do que o seu tratamento envolveria, converse sobre todas as opções com o seu dentista. Algumas diretrizes atuais sugerem que restaurações de amálgama antigas não devem ser removidas durante a gravidez. E também que novas não devem ser colocadas. Fale com seu dentista sobre ter um tipo diferente de preenchimento se você não tiver certeza.

E se a gestante necessitar de radiografias odontológicas?

Normalmente, os dentistas evitam radiografias odontológicas durante a gravidez das pacientes. No entanto, se a gestante necessitar de tratamento de canal, talvez seja necessário fazer um raio X.

A gravidez causa danos aos dentes?

Não. Não é verdade que a gravidez cause problemas nos dentes devido à falta de cálcio, ou que a gestante perderá um dente para cada criança que tiver (pura lenda).

E quanto ao hábito de fumar e beber álcool durante a gestação?

Fumar e beber na gestação pode resultar em um bebê abaixo do peso e também afetar a saúde bucal do feto. Um bebê abaixo do peso é mais propenso a ter dentes ruins porque o esmalte dentário pode não se formar adequadamente. Vale lembrar que os dentes do futuro adulto já estão crescendo nas mandíbulas, abaixo dos dentes do bebê, quando ele nasce. Portanto, alguns bebês cujas mães fumam e bebem durante a gravidez terão dentes adultos mal formados também.

Quando os dentes do bebê aparecerão?

O bebê deve começar a dentição por volta dos 6 meses de idade e continuar até que todos os 20 dentes de leite apareçam. Por volta dos 6 anos, os dentes adultos começarão a aflorar. Isso continuará até que todos os dentes adultos, exceto os dentes do siso, tenham aparecido por volta dos 14 anos de idade.

E como fica a dieta durante a gestação?

A gestante deve ter uma dieta saudável e equilibrada que tenha todas as vitaminas e minerais que ela e seu bebê precisam.

A gestante precisa ter uma boa dieta para que os dentes do bebê possam se desenvolver. O cálcio, em particular, é importante para garantir ossos fortes e dentes saudáveis. O cálcio está no leite, queijo e outros produtos lácteos.

No caso de enjoos matinais, a gestante pode acabar comendo “pouco e com frequência”. Se a gestante tem vomitado seguidas vezes é importante enxaguar a boca com água para evitar que a acidez do vômito comprometa os dentes. Tente evitar comidas e bebidas açucaradas e ácidas entre as refeições. Isso ajudará na proteção de seus dentes.

O processo de dentição é doloroso?

A maioria das crianças sofre algumas dores iniciais. Bebês podem apresentar temperatura alta quando estão dentados e suas bochechas podem ficar vermelhas e quentes ao toque.

Existem géis de dentição especiais que a mãe pode usar para ajudar a reduzir a dor. Há alguns que contêm analgésico. Você pode aplicar o gel com o dedo e massageá-lo suavemente nas gengivas do bebê.

Anéis de dentição também podem ajudar a acalmar o bebê. Certos anéis de dentição podem ser resfriados na geladeira, o que pode ajudar. Mas, como as dores iniciais podem variar, é melhor verificar com seu dentista ou pediatra.

Quando levar o bebê ao dentista pela primeira vez?

É melhor discutir isso com seu dentista inicialmente. Mas você pode levar seu bebê para seus próprios check-ups de rotina. Isso pode ajudar o bebê a ir se acostumando com o ambiente. Seu dentista será capaz de oferecer conselhos e prescrever medicamentos para dores iniciais, e terá prazer em responder qualquer dúvida que possa ter. Os check-ups do bebê podem começar a qualquer momento a partir dos 6 meses ou a partir do momento em que os dentes começam a aparecer.

A amamentação pode afetar os dentes do bebê?

O leite materno é o melhor alimento para os bebês. É recomendável que a mãe dê apenas o leite materno durante os primeiros seis meses de vida.

Aos seis meses de idade, os bebês podem começar a comer alguns alimentos sólidos. Deve-se manter a amamentação ou dar substitutos do leite materno (ou ambos), após os primeiros seis meses.

Mais pesquisas são necessárias para averiguar se os açúcares naturais no leite materno causam cáries nos bebês.
No entanto, é consenso que o leite materno é o melhor alimento para a criança. Se os dentes do bebê forem mantidos limpos, é improvável que a cárie dentária seja um problema.

E quanto a mamadeira?

Ao alimentar com uma mamadeira deve-se ter o cuidado de esterilizá-la corretamente. Alguns substitutos do leite materno contêm açúcar e os dentes do bebê devem ser limpos após a última mamada durante a noite.
Nunca adicione açúcar ou coloque bebidas açucaradas na mamadeira.
Leite e água são as melhores bebidas para os dentes do bebê. A mamadeira com bebidas contendo açúcar pode levar à ‘cárie de mamadeira‘.

Quando se deve parar com a mamadeira?

Parar a mamadeira antecipadamente pode ajudar a impedir que o bebê desenvolva problemas odontológicos. Tente fazer com que seu bebê beba leite ou água em uma xícara ou recipiente quando tiver cerca de seis meses de idade. Ou quando for capaz de sentar e conseguir realizar tal atividade sozinho.

Quais alimentos sólidos são melhores o bebê?

Alimentos salgados, como queijo, macarrão e legumes são melhores do que alimentos doces. Alimentos que não contêm açúcar são melhores para os dentes do seu bebê. Pergunte ao seu dentista para obter mais conselhos sobre uma dieta equilibrada para o seu bebê.

Se o seu filho tomar uma bebida entre as refeições, é importante restringir apenas à água ou leite. Bebidas açucaradas ou ácidas podem causar cáries.

Quando devo começar a limpar os dentes do bebê?

Os bebês obviamente não são capazes de limpar seus próprios dentes. Já as crianças precisarão de ajuda para se certificar de que as limpam adequadamente até que tenham cerca de 7 anos de idade. Assim que a dentição começar, você deve começar a limpar os dentes do seu filho.

Como devo limpar os dentes do bebê?

Assim que os primeiros dentes de leite começarem a aparecer, você deve começar a limpá-los.

A princípio, você pode achar mais fácil usar um pedaço de gaze ou pano limpo em volta do seu dedo indicador. Quanto mais dentes aparecerem, você precisará usar uma escova de dentes para bebês.

Use uma porção de creme dental com flúor e massageie suavemente em torno dos dentes e gengivas.

Pode ser mais fácil limpar os dentes se você segurar a cabeça do bebê nos braços à sua frente.

À medida que a criança cresce, pode ser difícil fazê-lo dessa maneira, mas você pode gradualmente dar mais responsabilidade pela limpeza dos dentes para a criança. É importante limpar os dentes duas vezes ao dia com um creme dental que contenha pelo menos 1000 ppm (partes por milhão) de flúor. Após 3 anos, use uma pasta de dentes que contenha de 1350 a 1500 ppm. Você deve se certificar ao final de que eles cuspam fora o excesso de pasta de dentes, e que não engulam quantidade alguma, se possível.

E se o bebê chupar o dedo ou precisar de uma chupeta?

O reflexo de sucção aparece no bebê já na décima oitava semana de vida uterina. É um reflexo de sobrevivência, já que o bebê precisa sugar para se alimentar.

Além disso, sugar dá prazer ao bebê. Assim, o bebê precisa sugar para saciar sua fome e para atender sua necessidade de sucção. Aí entra a questão da chupeta.

Se puder, evite que seu bebê use chupeta e desestimule-o a prática de chupar o dedo. Ambas podem, eventualmente, causar problemas no crescimento e desenvolvimento dos dentes. O que pode gerar a necessidade de tratamento odontológico quando a criança ficar mais velha.

Chupeta ortodôntica: é uma alternativa que vale a pena?

Tanto a chupeta comum quanto a ortodôntica trazem, sim, prejuízos ao desenvolvimento da criança. Ambas produzem alterações nos arcos dentais e na musculatura facial da criança. A diferença entre elas está na gravidade dos danos causados.

E se o bebê vier a danificar um dente?

Se a criança por acidente vier a danificar um dente, entre em contato com seu dentista imediatamente. Um dente danificado geralmente descolorirá com o tempo.

Aqui no blog Dentalis já publicamos um outro artigo sobre mitos e verdades sobre a relação entre gravidez e saúde bucal.

Fontes: Journal of Clinical Periodontology, Oral Health Foundation, Guia do bebê
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Uma luta constante e diária que depende de nós

Como todos sabemos os antimicrobianos são fármacos que têm como finalidade tratar ou prevenir infecções causadas por microrganismos, eliminando-os ou impedindo que estes se multipliquem.

Uma das grandes questões que se tem debatido ao longo dos anos é o uso excessivo de antimicrobianos e a falta de consciencialização da população para os seus efeitos na saúde.

Quanto mais elevado for o seu consumo, maior é a probabilidade de os microrganismos desenvolverem mecanismos de resistência ao medicamento que, inicialmente, os eliminava. O crescente aumento de bactérias multirresistentes é uma realidade que requer uma ação conjunta dos profissionais de saúde, instituições governamentais e sociedade.

A Organização Mundial de Saúde estima que já ocorram, a nível global, cerca de 700 mil mortes causadas por bactérias multirresistentes, um número que a mesma entidade prevê que aumente para os 10 milhões até 2050.

Educação constante e no dia a dia

O primeiro passo de todos é a conscientização: é importante desmistificar, junto à população, que os antibióticos apenas tratam, e por vezes previnem, infecções bacterianas. Devemos informar às pessoas que antibióticos jamais deverão ser administrados em casos de infecções causadas por vírus, como gripes ou constipações. Além disto, convém destacar que este tipo de medicamentos só deve ser usado quando for prescrito por um profissional de saúde e jamais por conta própria.

Contudo, a conscientização deve ser igualmente estendida junto aos profissionais de saúde, para que antimicrobianos sejam prescritos de forma o mais racional possível aliada a uma duração adequada da terapia.

O Programa de Apoio à Prescrição Antimicrobiana (PAPA) visa orientar, uniformizar, verificar e validar a antibioticoterapia, tendo como meta final preservar a sua eficácia e o melhor tratamento do paciente.

Para uma antibioticoterapia correta, o profissional de saúde deve refletir, num primeiro momento, sobre qual a origem da infecção, qual o foco mais provável e quais os fatores modificadores ou de risco para as resistências.

Dentalis software – em sintonia com as novas tendências em odontologia do século 21

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Cuidar da saúde bucal pode ajudar na recuperação de um ataque cardíaco

Cuidar da saúde bucal, e das gengivas em particular, pode ajudar o sistema cardiovascular a se recuperar de um ataque cardíaco, revela um estudo recentemente publicado. De acordo com essa pesquisa, as bactérias que causam doenças gengivais podem prejudicar a recuperação dos vasos após um ataque cardíaco.

Esta não é a primeira vez que um trabalho demonstra a existência de uma correlação entre as doenças bucais e as doenças cardiovasculares. Já o ano passado um estudo havia revelado que a mortalidade da população em geral e das mulheres de mais idade pode diminuir graças a melhorias na saúde periodontal.

Reparação das artérias

O estudo agora publicado mostra que as bactérias responsáveis pelas doenças gengivais podem prejudicar a reparação das artérias depois de um ataque cardíaco e isso em razão de uma enzima produzida por essas bactérias que pode impedir que as células do sistema imunológico atuem na reparação das artérias cardíacas.

Saúde bucal – saúde cardiovascular terapêutica e preventiva

A pesquisa mostra ainda que manter a mucosa oral saudável pode ajudar os pacientes que já sofreram de ataques cardíacos a prevenirem novas complicações cardiovasculares no futuro. Nigel Carter, CEO da Oral Health Foundation, ressalta que “esta pesquisa pode oferecer esperança a milhões de pessoas afetadas por doenças cardiovasculares. Existem evidências já há algum tempo de que as doenças da gengiva aumentam o risco de um paciente sofrer de doenças cardiovasculares mas agora sabemos que a prevenção das doenças gengivais podem igualmente prevenir mais problemas para as vítimas de ataque cardíaco”.

Sempre é bom lembrar que as doenças cardiovasculares são uma das principais causas de morte em todo o mundo.

Dentalis Software – colabora com o seu sorriso e de seus pacientes

Posted by Victor in Estudos, 0 comments
Implantes dentários: quais perigos podem esconder? Este é novidade…

Implantes dentários: quais perigos podem esconder? Este é novidade…

Afinal pode existir um responsável ‘oculto’ pelos casos de osseointegração incompleta nos implantes dentários e de perda óssea. A presença de resíduos em embalagens de implantes dentários que deveriam estar estéreis pode estar por trás de alguns casos de insucesso nos implantes dentários.

Com recurso a três análises consecutivas por via de SEM (microscopia eletrônica de varredura), um grupo de pesquisadores analisou mais de 200 embalagens de implantes dentários desde 2007. A comparação entre os dados mais antigos e aqueles mais recentes revelaram que nos últimos anos houve um crescimento no número de embalagens de implantes dentários estéreis que possuíam na verdade alguns contaminantes. E se isso acontece, como é que se pode garantir que os implantes dentários, e o paciente, não são afetados por estas impurezas?

Esta questão foi colocada em março deste ano durante o International Dental Show (IDS), que decorreu na Alemanha, onde se apresentou a CleanImplant Foundation, uma organização cujo objetivo é criar um critério de avaliação para implantes dentários limpos – o Trusted Quality Mark.

Cinco passos

Através de uma abordagem com cinco passos, esta organização quer atribuir uma certificação que garanta que os implantes dentários são limpos e livres de resíduos, uma meta que, de acordo com a organização sem fins lucrativos, é tecnicamente possível.

Mais detalhes sobre esta iniciativa podem ser obtidos aqui.

Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

Entidades da Espanha publicam guia de higiene bucal para pessoas com diabetes

chamada sobre diabetesA Sociedade Espanhola de Periodontologia e Osseointegração (SEPA) e a Sociedade Espanhola de Diabetes (SED) publicaram recentemente o guia ‘Cuida de tus encías, controla tu diabetes: información para la higienista dental’ ou “Cuidar de suas gengivas, controlar o diabetes: Informação para o higienista dental”. Trata-se de um documento que pretende ajudar os higienistas orais e dentistas a tratar de pessoas com diabetes, uma doença que tem influência direta na saúde bucal.

De acordo com este grupo de trabalho, as consultas no ambiente odontológico são o lugar ideal para detectar pacientes mais suscetíveis ao desenvolvimento do diabetes. Nesse sentido, o documento pretende promover a prevenção da doença através da detecção precoce e de tratamentos nas gengivas que possibilitem evitar prejuízos à saúde em geral do paciente.

O guia pode ser consultado aqui.

Dentalis software – a escolha certa em software para odontologia

Posted by Victor in Estudos, 0 comments