evolução

Pérolas de Epstein do recém-nascido: causas, sintomas e tratamento

Pérolas de Epstein do recém-nascido: causas, sintomas e tratamento

pérolas de Epstein
As pérolas de Epstein são cistos brancos ou amarelados que se podem formar nas gengivas e palato dos recém-nascidos, semelhantes a dentes que estão para nascer.
As pérolas de Epstein são inofensivas e se formam na boca do recém-nascido durante as primeiras semanas e meses de desenvolvimento.

Os cistos contêm queratina, uma proteína que ocorre naturalmente na pele, cabelos e unhas humanas.

As pérolas de Epstein desaparecem por si próprias poucas semanas após o nascimento do bebê. Não são motivo de preocupação.

Neste artigo, analisamos os sintomas, causas e tratamento das pérolas de Epstein.

Pérolas de Epstein – Sintomas

As pérolas de Epstein têm geralmente menos de 3 milímetros de diâmetro.

Os cistos podem ser notados quando um bebê abre a boca para chorar ou bocejar.
No entanto, eles não causam desconforto ao bebê e não devem interferir na alimentação.

Às vezes, as pessoas podem confundir as pérolas de Epstein com os grãos de milium.
A principal diferença é a sua localização. As pérolas de Epstein aparecem apenas no céu da boca e gengivas.

O milium é um tipo de nódulo branco que costuma aparecer no rosto do bebê.
São bastante comuns.
São caracterizados por bolinhas brancas ou amareladas que aparecem perto dos olhos, no nariz e na boca do bebê.

Pérolas de Epstein – Causas

Essas formações são bastante comuns. Ocorrem em até 60% a 85% de todos os recém-nascidos.
Especialistas acreditam que elas se desenvolvam durante a a gestação quando acontece a formação do céu da boca do bebê.

As pérolas de Epstein não ocorrem como resultado de algo que a mulher fez durante a gravidez. Elas também não representam um sinal de que algo está errado com o bebê.

Não há como impedir as pérolas de Epstein.

As pérolas de Epstein não ocorrem em crianças mais velhas ou adultos porque são resultado do desenvolvimento fetal.

Pérolas de Epstein – Tratamento

As pérolas de Epstein não requerem tratamento.
Na maioria dos casos, elas desaparecem lenta a espontaneamente dentro de algumas semanas.

Quando a consulta com o pediatra é aconselhável

Os responsáveis pelo bebê podem procurar um pediatra no caso de preocupações com inflamações na boca do recém-nascido.
Isso para o caso de diferenciá-las de outras condições de saúde.

Em caso de dúvida, a consulta com um pediatra é altamente recomendável.

Isso porque algumas condições e sinais outros podem se assemelhar às pérolas.

1. Candidíase oral

Em alguns casos, manchas brancas na boca de um bebê podem ser um sinal de candidíase.
A candidíase oral é uma patologia causada pelo fungo cândida.

A candidíase oral pode causar manchas brancas ou inchaços na boca. Inclusive no interior das bochechas e da língua.
Às vezes, pode provocar algum desconforto ou dificuldade em se alimentar. Geralmente não é grave.

A candidíase oral é tratada com medicamentos antifúngicos.
É importante que o tratamento seja iniciado. Isso porque a infecção pode se espalhar para o seio da mulher, caso ela esteja amamentando.
Se isso ocorrer, pode causar rachaduras nos mamilos e deixar os seios doloridos.

2. Dentes natais

As pérolas de Epstein podem ser confundidas com dentes natais, caso apareçam nas gengivas.
Embora os recém-nascidos possam ter dentes, isso é raro.
Ocorre em apenas 1 em cada 800 a 6.000 bebês.

Se um bebê nascer com um ou mais dentes, os pais ou responsáveis devem discutir isso com um pediatra.
Às vezes, os dentes estão soltos ou interferem na alimentação.
Nesses casos, o médico pode recomendar sua remoção.

3. Outros problemas

Um bebê muito queixoso pode ser um sinal de problemas outros e mais sérios. Especialmente se a criança não estiver conseguindo se alimentar direito. Embora as pérolas de Epstein não causem nenhum desses problemas, ainda é melhor descartar outras possíveis condições de saúde.
Nesse caso, é uma boa ideia consultar um pediatra.

Concluindo

Muitos pais e cuidadores ficam preocupados quando veem as pérolas de Epstein na boca de um bebê.
No entanto, são indolores, não prejudiciais ao bebê e desaparecem por conta própria.

Se o bebê parece estar tendo problemas para se alimentar ou não estiver bem, os pais ou responsáveis devem procurar um pediatra para descartar outros problemas de saúde.

Fontes: NCBI, Era’s Journal, Europe PMC
Posted by Victor in Dicas, 3 comments
Nanopartículas antibacterianas: uma revolução na odontologia

Nanopartículas antibacterianas: uma revolução na odontologia

nanopartículas antibacterianasNanopartículas antibacterianas, guarde este nome. Você ainda vai ouvir muito falar sobre elas nos próximos anos.

Poucas pessoas percebem que, ao sair do consultório do dentista, seu novo preenchimento, implante ou restauração dental já está sendo alvo de milhões de bactérias orais.

Logo, as bactérias formam biofilmes. Daí metabolizam açúcares e outros carboidratos em ácidos. Ácidos que podem dissolver estruturas dentárias e rachaduras.
Metade de todas as restaurações falham em 10 anos. Ou acabam levando a novas cáries ou outras chamadas de “cáries secundárias”.

A substituição de restaurações que falham devido a rachaduras e cáries secundárias é responsável por cerca de 60% de todas as restaurações dentárias realizadas nos EUA. Isto a um custo estimado de mais de US $ 5 bilhões por ano.

Nanopartículas antibacterianas, geradas a partir de nova técnica

Pesquisadores do Laboratório Nacional de Oak Ridge estão usando uma nova técnica : o espalhamento de nêutrons. O objetivo é estudar como as nanopartículas antibacterianas podem ser adicionadas às resinas adesivas. Resinas que são usadas pelos dentistas para fortalecer a ligação entre um dente e seu preenchimento composto polimérico.

“A camada adesiva aplicada por um dentista antes do preenchimento de uma cavidade é fundamental para o sucesso da restauração. Isto porque os materiais poliméricos usados ​​em restaurações podem promover o crescimento de biofilmes. Afirmou Fernando Luis Esteban Florez, do Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Oklahoma.

Além disso, pequenas imperfeições na superfície adesiva podem levar a rachaduras em estágio inicial. Rachaduras que também contribuem para o fracasso das restaurações.

Resina adesiva e nanopartículas antibacterianas

Idealmente, disse Esteban Florez, uma resina adesiva teria propriedades antibacterianas e suportaria o crescimento da dentina. Dentina, a camada macia sob a superfície dura do esmalte de um dente. Essa resina ajudaria a eliminar pequenas lacunas na camada adesiva.

Com essa pesquisa, os pesquisadores desenvolveram uma resina adesiva dental experimental contendo partículas de dióxido de titânio em nanoescala modificadas.

Eles estudaram amostras da resina adesiva usando dispersão de nêutrons de pequeno ângulo no Reator Isotópico de Alto Fluxo do ORNL para determinar a forma ideal. E também as modificações e dispersão das partículas.

“Ao criar a resina adesiva, modificamos a superfície das nanopartículas de Dióxido de titânio com silanos e proteínas. Isto permitiu melhorar tanto a função das nanopartículas antibacterianas na matriz polimérica quanto a capacidade desses materiais de estabelecer ligações covalentes com as proteínas de ocorrência natural de um dente”. disse Rondinone.

“O benefício de usar o instrumento de linha de luz Bio-SANS no HFIR é que os nêutrons podem nos dizer como as proteínas se ligam ao N_TiO2. E também como as partículas se dispersam.”

Primeiros resultados

Os primeiros resultados mostram que as nanopartículas antibacterianas se dispersam bem e são compatíveis com a resina adesiva.

Outros experimentos mostraram que a nova resina adesiva exibe atividade antibacteriana ativa sob demanda quando irradiada pela luz visível. Também efeitos antibacterianos passivos, em contato mesmo na escuridão. Tal capacidade dupla poderia permitir que um dentista utilizasse a luz para dar início à atividade antimicrobiana do adesivo antes de preencher a cavidade. Posteriormente, o adesivo serviria como uma barreira antibacteriana baseada em contato de longo prazo.

Próximos passos

Um dos próximos passos para os pesquisadores é usar o espalhamento de nêutrons para avaliar as nanopartículas quanto à bioatividade potencial.

Espalhamento ou dispersão de nêutrons  é um processo de dispersão em que um feixe de nêutrons interage com a matéria.

O objetivo é criar meios para promover a automontagem do material dental natural adjacente à restauração.

Estudos mostraram que as nanopartículas podem iniciar o crescimento de estruturas cristalinas e guiá-las a se ligarem quimicamente aos dentes.

Hidroxiapatita

Os pesquisadores pretendem funcionalizar as partículas de N_TiO2 para produzir cristais de hidroxiapatita.
A hidroxiapatita é o principal componente da dentina, que poderia promover o crescimento da camada de dentina para minimizar as lacunas na interface adesiva.

O pesquisador acrescentou: “Graças ao programa do usuário no ORNL, até mesmo alguém como eu, um dentista com treinamento limitado em tecnologias científicas avançadas, pode testar uma hipótese com a ajuda de alguns dos principais cientistas da área, usando nêutrons de classe mundial.

Além disso, esperamos poder oferecer aos dentistas uma nova e melhor ferramenta que proporcione aos seus pacientes sorrisos mais duradouros ”.

nanopartículas antibacterianasO que é a nanotecnologia?

Nanotecnologia é o entendimento e controle da matéria em nanoescala. Nos referimos à escala atômica e molecular. Ela atua no desenvolvimento de materiais e componentes para diversas áreas de pesquisa como odontologia, medicina, eletrônica, ciências, ciência da computação e engenharia dos materiais.

Um dos princípios básicos da nanotecnologia é a construção de estruturas e novos materiais a partir dos átomos. O objetivo é elaborar estruturas estáveis e melhores do que se estivessem em sua forma “normal”. Isso porque os elementos se comportam de maneira diferente em nanoescala.

A nanotecnologia e os benefícios que pode trazer à odontologia já foram destaque em uma matéria anterior aqui do blog Dentalis.

Qual o tamanho de um nanômetro?

Em 1 metro há 1 bilhão de nanômetros. Para se ter uma ideia melhor, a espessura de uma folha de jornal tem cerca de 100.000 nanômetros de espessura, já o DNA humano tem apenas 2,5 nanômetros de diâmetro.

Através da nanotecnologia, a ciência pode desenvolver materiais e componentes melhores. Isto porque os mesmos materiais, quando em escala nanométrica, têm comportamento diferente. Ganham propriedades e características diferentes que podem ser a solução para muitos problemas de nosso dia a dia. A chegada das nanopartículas antibacterianas é muito bem vinda.

Fontes: MedicalXpress, Canaltech
Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Impressão 3D na Odontologia

O mercado global da impressão 3D deverá valer cerca de 25,7 bilhões de dólares até 2030, uma aposta que deverá ser liderada pelos setores de odontologia e medicina, revela um estudo recentemente publicado. Este número é confirmado pela SmarTech Publishing, que no início deste ano previa que até ao ano de 2027, o mercado de impressão 3D na odontologia valesse cerca de 9,5 bilhões de dólares.

Agora, de acordo com portal espanhol Odontologos.mx, se prevê um grande crescimento desse segmento, prevendo-se que o desenvolvimento aconteça em duas fases: a reinvenção de produtos já existentes, até 2020; e o surgimento de materiais cada vez mais inovadores e metodologias de impressão otimizadas.

A publicação explica que esta evolução deverá ser especialmente relevante no mercado da odontologia, com cada vez mais empresas e pesquisadores da área com foco no potencial para esta tecnologia na reinvenção de próteses dentárias, aparelhos ortodônticos e implantes dentários.

Como exemplo desta evolução, recentemente um robot implantou, pela primeira vez, dentes impressos em 3D na boca de um paciente, relata a publicação. Também na International Dental Show (IDS), que acontecerá em março de 2019, em Colônia, na Alemanha, estas tecnologias estarão em grande destaque, à semelhança do que já aconteceu em edições anteriores .

Muitas novidades

A edição do próximo ano terá maior espaço de exposição comparada às anteriores edições e será a “mais diversa”, contando com mais produtos, desenvolvimentos e tendências do setor. Arkus Heibach, Executive Director da Association of German Dental Manufacturers (VDDI), e um dos responsáveis pelo evento, destaca que “a IDS 2019 irá apresentar os mais recentes desenvolvimentos em materiais e procedimentos, bem como novas oportunidades para que os dentistas e técnicos em prótese dentária possam, de forma otimizada, trabalhar em conjunto. Aqui os sistemas digitais, as ferramentas de planeamento, as diferentes opções de produção e a sua aplicação podem ser experimentadas de perto e com uma diversidade que não pode ser encontrada em mais nenhum lugar.”

Dentalis software – em sintonia com as novas tendências em odontologia do século 21

Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

A evolução dos materiais na odontologia

Os antecedentes históricos dos biomateriais odontológicos e das suas aplicações são escassos, embora a prática da odontologia remonte a milhares de anos. Só no século XIX foram desenvolvidas as grandes famílias de polímeros, cuja aplicação para fins médicos teve início no século XX.

A borracha vulcanizada inventada por Charles Goodyear, em 1839, serviu para moldar as próteses com precisão, embora a qualidade das bases destes elementos tenha melhorado muito devido à utilização de resinas acrílicas e de metais para moldes.

O amálgama

Em 1919, houve um grande avanço no conhecimento dos materiais odontológicos, porque a Marinha dos EUA solicitou ao departamento nacional de normalização a avaliação e seleção das amálgamas a serem utilizadas nos serviços odontológicos federais. Com a invenção da amálgama, começou então a haver bases científicas no que diz respeito aos materiais dentários.

Nove anos mais tarde, o departamento nacional de normas é integrado na Associação Dentária Americana (ADA), dando lugar aos primeiros consensos sobre os materiais dentários nos Estados Unidos e em todo o mundo. Desde então, a ADA, juntamente com as associações de cada país, está empenhada em pesquisar as características físicas e químicas das substâncias utilizadas.

Surgimento da resina

Em 1935, é introduzida a resina acrílica polimerizada como base para dentes artificiais, e Bowen, em 1962, desenvolve um novo tipo de resina composta, uma combinação de resinas acrílicas e resinas epóxicas utilizada para substituir o amálgama.

Por sua vez, a utilização de compósitos alterou completamente os parâmetros que eram usados na odontologia. Este fato conduziu a uma importante evolução no mundo da odontologia conservadora.

Como se pode verificar, a odontologia atual evoluiu significativamente a partir dos materiais dentários, que foram melhorando gradualmente até alcançarem níveis mais elevados de sofisticação e compatibilidade.

Dentalis software – a escolha certa em software para odontologia

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Método usa saliva para prever evolução do câncer de boca

O câncer de boca é diagnosticado em 300 mil pessoas no mundo por ano e mortes chegam a 145 mil

O Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais, em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e com o Instituto do Câncer de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp), criou um método para prever, com o uso da saliva, a evolução do câncer de boca. A cada ano, 300 mil pessoas são diagnosticadas com esse tipo de câncer no mundo e as mortes chegam a 145 mil, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Prognóstico viável

A odontologista do Icesp, Ana Carolina Prado Ribeiro, explica que, na maioria das vezes, os pacientes são diagnosticados tardiamente, cenário responsável pela diminuição de sobrevida e por tratamentos mais agressivos. A partir do método desenvolvido, foram identificadas proteínas presentes tanto nos tecidos cancerígenos coletados quanto na saliva. Dessa forma, é possível oferecer o prognóstico de evolução da doença por meio da amostra de saliva.

Tratamento personalizado

A leitura de proteínas específicas permite facilitar o diagnóstico e formular novos rumos de tratamento para os oncologistas. O estudo possibilita que médicos sejam capazes de analisar individualmente os casos de câncer e oferecer o tratamento mais adequado para cada paciente. O próximo passo do estudo é desenvolver um método menos invasivo, por meio de um kit com um biossensor, para ser usado no SUS e dar o resultado do exame de saliva na hora. A ideia é propor o processo a ser adotado em longo prazo.

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Novo substituto ósseo 100% sintético

A Acteon apresentou ao mercado um novo substituto ósseo 100% sintético: Qualios. “A sua estrutura única, altamente porosa e particularmente resistente à compressão constitui um vetor confiável para uma boa regeneração óssea”, informa a empresa.

“Qualios caracteriza-se por uma estrutura ultra porosa que favorece a vascularização e a colonização óssea. Além disso, oferece uma incomparável resistência à compressão, o que permite manter o volume ao preencher o local tratado”.

Simples e rápido

Com uma aplicação simples e rápida, devido à forte adesão do material com sangue ou qualquer outro fluido, o QUALIOS está disponível em duas versões: Qualios TCP, que é reabsorvível a 100% entre 2 e 4 meses e Qualios BCP, totalmente reabsorvível entre 6 e 24 meses. As cerâmicas de fósforo são 100% reabsorvíveis e fornecem elementos minerais essenciais para regeneração óssea de alta qualidade.

É mais um importante elemento de evolução no atendimento odontológico a garantir a qualidade do atendimento prestado pelo dentista.

Dentalis Software – colabora com o seu sorriso e de seus pacientes

 

Posted by Victor in Estudos, 0 comments