heparina

Revestimentos anti-inflamatórios podem reduzir complicações após cirurgia de implante

revestimentos anti-inflamatórios

Revestimentos anti-inflamatórios nos implantes podem ajudar a torná-los mais compatíveis com os tecidos. E dessa forma também reduzir o risco de rejeição.
Pesquisadores da Universidade Martin Luther Halle-Wittenberg (MLU) desenvolveram um novo método de aplicação de revestimentos anti-inflamatórios aos implantes.
O objetivo é inibir reações inflamatórias indesejáveis no corpo. Seu estudo foi publicado recentemente no International Journal of Molecular Sciences.

Revestimentos anti-inflamatórios e a ação do sistema imunológico

Implantes, como marcapassos ou bombas de insulina, fazem parte da medicina moderna.
No entanto, não é incomum surgirem complicações após o implante. O sistema imunológico identifica o implante como um corpo estranho e tenta removê-lo.
É uma reação completamente natural e útil pelo sistema imunológico.
Ajuda a curar feridas e mata patógenos prejudiciais. Se essa reação não desaparecer por si só após algumas semanas, pode levar a inflamação crônica e complicações mais graves.

O sistema imunológico atrai várias células que tentam isolar ou remover a entidade estranha. Isso inclui macrófagos e outros tipos de glóbulos brancos e células do tecido conjuntivo.

Os implantes podem ficar encapsulados por tecido conjuntivo, o que pode ser muito doloroso para as pessoas afetadas. Além disso, o implante pode não mais funcionar corretamente. Drogas que suprimem a resposta imune de maneira sistêmica são frequentemente usadas para tratar a inflamação crônica. Porém, podem ter efeitos colaterais indesejados.

Modulando o sistema imunológico

Os cientistas buscavam uma maneira simples de modificar antecipadamente a resposta do sistema imunológico a um implante. Uma tarefa um tanto complicada. Isso porque obviamente não se deseja desligar completamente o sistema imunológico. Afinal seus processos são vitais para curar feridas e eliminar patógenos.
Então, na verdade, os pesquisadores buscaram estabelecer uma modulação.

Para fazer isso, desenvolveram-se anti-inflamatórios para implantes.
Foram utilizadas duas substâncias que já são conhecidas por terem um efeito anti-inflamatório: heparina e ácido hialurônico.

Heparina e ácido hialurônico

Nos testes realizados com as duas substâncias foram aplicadas a uma camada com apenas alguns nanômetros de espessura.
A camada é tão fina que não afeta o funcionamento do implante. No entanto, deve conter substância ativa suficiente para controlar a reação do sistema imunológico até que a reação inflamatória diminua.

Em experimentos com células, os pesquisadores observaram como as duas substâncias eram absorvidas pelos macrófagos. Isso reduziu a inflamação nas culturas celulares.

As células não tratadas mostraram sinais claros de uma reação inflamatória pronunciada. Isso ocorre porque as substâncias ativas no interior dos macrófagos interferem em uma via de sinalização específica que é crucial para a resposta imune e a morte celular.

Tanto a heparina como o ácido hialurônico impedem a liberação de certas substâncias mensageiras pró-inflamatórias.
A heparina se mostrou ainda mais eficaz porque pode ser absorvida pelas células dos macrófagos.

Até agora, os pesquisadores só testaram o método em superfícies de modelos e em culturas de células.
Estudos adicionais sobre implantes reais e organismos modelo devem ser seguidos.

Estaremos atentos, e novas pesquisas e desenvolvimentos dessas pesquisas serão futuramente apresentados aqui no blog Dentalis.

Siga a Dentalis no Instagram @DentalisSoftware,  no Face @Dentalis.Software e no twitter @Dentalisnet

Fonte: International Journal of Molecular Sciences
Posted by Victor in Estudos, 0 comments