novidade

Impressão 3D na Odontologia

O mercado global da impressão 3D deverá valer cerca de 25,7 bilhões de dólares até 2030, uma aposta que deverá ser liderada pelos setores de odontologia e medicina, revela um estudo recentemente publicado. Este número é confirmado pela SmarTech Publishing, que no início deste ano previa que até ao ano de 2027, o mercado de impressão 3D na odontologia valesse cerca de 9,5 bilhões de dólares.

Agora, de acordo com portal espanhol Odontologos.mx, se prevê um grande crescimento desse segmento, prevendo-se que o desenvolvimento aconteça em duas fases: a reinvenção de produtos já existentes, até 2020; e o surgimento de materiais cada vez mais inovadores e metodologias de impressão otimizadas.

A publicação explica que esta evolução deverá ser especialmente relevante no mercado da odontologia, com cada vez mais empresas e pesquisadores da área com foco no potencial para esta tecnologia na reinvenção de próteses dentárias, aparelhos ortodônticos e implantes dentários.

Como exemplo desta evolução, recentemente um robot implantou, pela primeira vez, dentes impressos em 3D na boca de um paciente, relata a publicação. Também na International Dental Show (IDS), que acontecerá em março de 2019, em Colônia, na Alemanha, estas tecnologias estarão em grande destaque, à semelhança do que já aconteceu em edições anteriores .

Muitas novidades

A edição do próximo ano terá maior espaço de exposição comparada às anteriores edições e será a “mais diversa”, contando com mais produtos, desenvolvimentos e tendências do setor. Arkus Heibach, Executive Director da Association of German Dental Manufacturers (VDDI), e um dos responsáveis pelo evento, destaca que “a IDS 2019 irá apresentar os mais recentes desenvolvimentos em materiais e procedimentos, bem como novas oportunidades para que os dentistas e técnicos em prótese dentária possam, de forma otimizada, trabalhar em conjunto. Aqui os sistemas digitais, as ferramentas de planeamento, as diferentes opções de produção e a sua aplicação podem ser experimentadas de perto e com uma diversidade que não pode ser encontrada em mais nenhum lugar.”

Dentalis software – em sintonia com as novas tendências em odontologia do século 21

Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

Tendência que pode chegar ao Brasil: branqueadores à base de carvão e casca de coco

A nova tendência em matéria de saúde bucal na Europa são os branqueadores à base de carvão e casca de coco. Mas quais os impactos para a saúde dos usuários?

Na Europa alertas têm sido emitidos aos consumidores para os perigos dos branqueadores de dentes à base de carvão ativado e casca de coco. Estes branqueadores prometem dentes até nove tons mais brancos, mas o alerta é que “o carvão pode desgastar o esmalte, causar o recuo das gengivas e provocar sensibilidade dentária”.

Com esta composição no mercado europeu podem ser encontrados produtos de marcas como a Georganics, Zebra Teeth Whitening ou Bali Teeth Whitening, que já motivaram várias queixas por parte dos consumidores. O fato é que não existem até o momento provas científicas de que o carvão ativado melhore a saúde bucal.

Não há estudos científicos

Sobre os branqueadores de dentes à base de carvão ativado e casca de coco, importante salientar que todos os produtos indicados como ‘branqueadores’ não alteram a cor natural dos dentes. Devido ao seu caráter abrasivo permitem apenas retardar o aparecimento de pigmentação causada por hábitos do dia a dia. Dado o poder abrasivo destes produtos não é indicado seu uso diário, pois gradualmente provocam um desgaste da superfície dentária, do esmalte e também causam consequências a nível gengival.

Cabe salientar a ideia de que para branquear os dentes tem de existir aconselhamento por parte do dentista e efetivamente só serão óbitos resultados satisfatórios e ao mesmo tempo seguros através da utilização de agentes branqueadores comprovados cientificamente.

Dentalis software – em sintonia com as novas tendências em odontologia do século 21

Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Vem aí: Sensor de mau hálito

Você já colocou a mão à frente da boca para testar seu hálito antes de um encontro importante?

A solução para essa insegurança quanto ao próprio hálito está quase à mão, graças ao trabalho do professor Jun-Hwe Cha, do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia do Sul.

A equipe desenvolveu um sensor que detecta pequenas quantidades de gás sulfídrico – ou sulfeto de hidrogênio -, que é o composto químico responsável pelo mau hálito – ou halitose. Já existem sensores de sulfeto de hidrogênio, mas eles precisam de uma fonte de energia externa, de uma calibração precisa, têm baixa sensibilidade e demoram para dar o resultado.

​Rápido e barato

O sensor criado pela equipe do professor Cha é sensível e portátil, permitindo avaliar o hálito de maneira rápida e barata.

A base da tecnologia é um material chamado acetato de chumbo, uma substância química que fica marrom quando exposta ao gás sulfídrico. Por si só, esse composto químico não é sensível o suficiente para detectar quantidades traço de sulfeto de hidrogênio na respiração humana – 2 partes por milhão ou menos. Assim, os pesquisadores distribuíram o acetato de chumbo em uma teia de nanofibra 3D, fornecendo numerosos locais para que composto detector e o gás reajam.

Apenas 4 partes por bilhão do sulfeto de hidrogênio foram suficientes para fazer o material mudar de branco para marrom, o que acontece em cerca de 1 minuto.

Agora a equipe espera encontrar parceiros na indústria que possam viabilizar a colocação do sensor de mau hálito no mercado.

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Descoberta que pode levar a uma nova forma de tratar a periodontite

Pesquisadores do Reino Unido descobriram que o conjunto de micro-organismos que habitam a saliva humana é amplamente determinada pelas características do ambiente. O estudo, publicado recentemente no mBio®, uma revista de acesso aberto da Sociedade Americana de Microbiologia, mostra que influências ambientais precoces desempenham um papel muito maior do que a genética humana na formação do microbioma salivar – o grupo de organismos que desempenham um papel crucial na saúde bucal de outras partes do organismo humano.

“Está se tornando cada vez mais conhecida a relação existente entre nossos microbiomas e nossa saúde e isso é razão suficiente para se aprofundar no seu estudo, como esses micro-organismos chegaram lá e o papel que desempenham”, diz Adam P. Roberts, professor sênior em quimioterapia antimicrobiana na Escola de Medicina Tropical de Liverpool. Roberts liderou o estudo no UCL Eastman Dental Institute. Liam Shaw, estudante de pós-graduação do UCL Genetics Institute, acrescenta: “A cavidade bucal é naturalmente colonizada por centenas de espécies bacterianas, que impedem os agentes patogênicos externos de estabelecer um ponto de apoio, mas também podem vir a causar doenças orais”.

A equipe de pesquisa queria saber como o microbioma salivar se estabelece e quais são os principais responsáveis pelo mix de bactérias encontrado lá. O colega de Roberts, o imunologista da UCL Andrew M. Smith, teve acesso a um conjunto único de amostras – DNA e saliva de uma família judaica que vivia em vários lares espalhados por quatro cidades em três continentes. Isso permitiu que a equipe calculasse o quanto da variação observada nos microbiomas salivares é devida à genética do hospedeiro e quanto é devido ao meio ambiente.

Como os membros da família são judeus ultraortodoxos, eles compartilham dietas culturais e estilos de vida que controlam muitos fatores aleatórios. Além disso, como o DNA dos membros da família já havia sido sequenciado para o nível de mudanças únicas no código do DNA, a equipe de pesquisa tinha uma medida única e precisa de sua relação genética.

Em seguida, Shaw e a equipe sequenciaram as assinaturas de DNA bacteriano presentes em amostras de saliva de 157 membros da família e 27 controles judaicos não relacionados. Em todas as amostras, eles encontraram o núcleo do microbioma salivar formado por bactérias dos gêneros Streptococcus, Rothia, Neisseria e Prevotella.

Para descobrir o que poderia estar gerando diferenças nas espécies bacterianas, Shaw e a equipe usaram métodos estatísticos adotados da ecologia para determinar quais fatores são os responsáveis pela maior variação. Ao comparar fatores como o domicílio, a cidade, a idade e o parentesco genético, o fator que determinou quem compartilhava os micróbios de saliva mais semelhantes era predominantemente doméstico.

Conclusão

“O que isso nos diz é que o contato e o compartilhamento de micróbios que ocorrem no próprio ambiente local é o que determina as diferenças entre os indivíduos”, diz Shaw.

Cônjuges e pais e filhos menores de 10 anos que moram juntos tinham os microbiomas de saliva mais semelhantes. “O contato nem precisa ser íntimo, como beijar”, diz Roberts. “As mãos dos indivíduos estão cobertas de saliva e estão tocando tudo na casa.” Crianças menores de 10 anos tiveram mais bactérias semelhantes aos seus pais do que crianças mais velhas, talvez refletindo que as crianças mais velhas estão se tornando “indivíduos mais independentes”, diz Roberts.

A equipe também analisou cuidadosamente se o parentesco genético impulsionou a composição do microbioma da saliva. Quando usaram uma medida de parentesco baseada apenas nas relações entre as árvores genealógicas, viram um efeito pequeno, mas estatisticamente significativo. No entanto, quando usaram a informação da sequência genética, uma medida mais precisa do parentesco, o efeito desapareceu. Em outras palavras, a genética de uma pessoa praticamente não desempenhou nenhum papel na formação de seus micróbios salivares.

Este estudo mostra que os ambientes compartilhados durante a educação desempenham um papel importante na determinação de qual comunidade de bactérias é estabelecida. E a partir do conhecimento de que o ambiente compartilhado determina o microbioma, diz Roberts, pode nos dar a capacidade de modulá-lo um dia.

Tratamento da periodontite numa perspectiva futura

Ele aponta para o exemplo da periodontite, uma doença infecciosa incrivelmente comum e frequentemente debilitante associada a um microbioma alterado. “Uma vez que conhecidos os membros do microbioma que são responsáveis pela saúde, nosso comportamento cotidiano pode mudar para mudar nosso microbioma favoravelmente.”

Posted by Victor in Dicas, Estudos, 2 comments

Colgate e Apple oferecem escova de dentes altamente tecnológica

A fabricante de produtos odontológicos Colgate fechou uma parceria inusitada para o lançamento de seu mais novo modelo de escova de dentes. Trata-se da Apple, que forneceu tecnologias e vai comercializar o modelo Smart Electronic Toothbrush E1.

A escova tem como principal característica ser um produto conectado e, acima disso, inteligente. A partir da plataforma ResearchKit, da Apple, a Colgate coleta dados da sua escovação e fornece dicas em tempo real para você, como se fosse um consultor digital. O produto contém ainda sensores que detectam a efetividade da limpeza — ou a falta dela — em todas as regiões da boca.

Escova de dentes conectada

Todas essas informações podem ser sincronizadas e exibidas em relatórios no app para smartwatches e smartphones. Neste caso, até mesmo games que ajudam as crianças a desenvolverem métodos corretos de escovação podem ser acessados por lá. Esse produto também é uma parceria com a Kolibree, fabricante de escovas de dente com conectividade Bluetooth e a tecnologia de vibração sônicas dos modelos elétricos.

A Colgate Smart Electronic Toothbrush começou a ser comercializada recentemente nos Estados Unidos exclusivamente no site da Apple e também em algumas Apple Stores selecionadas. O preço não é muito amigável, assim como outros produtos ligados à Maçã — US$ 99,95, cerca de R$ 325 na cotação atual.

Dentalis software – em sintonia com as novas tendências em odontologia do século 21

Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Vem aí: Produto para regeneração de tecidos moles

Como uma opção de tratamento alternativa para enxertos de tecido conjuntivo, a empresa suíça Geistlich Biomaterials lançou o Fibro-Gide Collagen Matrix no Encontro Científico Anual da Associação Europeia de Integração Óssea (EAO), em Madri. O novo produto foi desenvolvido para regeneração de tecidos moles no rebordo alveolar em torno de dentes naturais e implantes e estará disponível em dois tamanhos.

De acordo com o fabricante, o Fibro-Gide deve ser usado como um patíbulo submerso em áreas onde um aumento na espessura do tecido mole é clinicamente desejado. Sua rede porosa apoia a formação de tecido conjuntivo novo (angiogênese) e a estabilidade da rede de colágeno imersa em uma situação de cura. O smart linking de colágeno reconstituído oferece estabilidade de volume.

Moldagem

Quanto ao manuseio, Fibro-Gide pode ser moldado para as dimensões desejadas tanto seco quanto úmido, e não requer pre tratamento. Uma vez que a matriz está encharcada, adapta-se perfeitamente aos contornos e adere bem ao defeito, acrescentou a empresa.

O diretor científico da Geistlich, Dr. Terance Hart, comentou que a razão para o desenvolvimento da matriz foi a crescente demanda por uma matriz de colágeno de volume estável que poderia ser usada para indicações como aumento de tecido mole ao redor dos implantes ou sob pônticos.

“Atualmente muitos desses tratamentos são realizados com tecido autólogo, que implica sempre a coleta e, por conseguinte, doador de morbidade local”, disse ele. “Queríamos oferecer um produto que regenera o tecido macio, conservando o volume e proporcionando excelentes propriedades mecânicas”.

Resultados promissores

De acordo com Hart, estudos in vitro envolvendo Fibro-Gide demonstraram quase complete degradação após cerca de seis semanas. Ensaios clínicos com maiores populações de pacientes clínicos e com vários preparativos estão atualmente em andamento.

“Estou convencido de que este é realmente um passo a frente na tecnologia, e tem um enorme potencial”, disse o vice-diretor científico Dr. Mark Spilker.

É mais um grande avanço no âmbito da odontologia que contribui com a recuperação da saúde bucal dos pacientes.

Dentalis software – em sintonia com as novas tendências em odontologia do século 21

Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Vem aí: Super cola cirúrgica

Com o nome de MeTro, a cola, desenvolvida pela professora assistente Nasim Annabi em um esforço conjunto da Escola Médica de Harvard e da Universidade de Sidney, utiliza como base uma proteína humana modificada para responder a luz ultravioleta. Isso, por sua vez, quer dizer que é possível aplicar a substância na forma de gel e fazê-la secar literalmente em apenas um minuto.

As vantagens oferecidas pelo MeTro não acabam aí. Graças a esse método, o procedimento é bem menos invasivo para o paciente, e oferece um selo bem mais protegido contra infecções e outros problemas semelhantes. Além disso, a cola pode ser potencialmente aplicada até mesmo em órgãos, visto que é possível desenvolver o material de maneira que sua velocidade de degradação seja controlável.

Como se isso tudo não fosse suficiente, os responsáveis pela criação do MeTro ainda afirmam que essa cola ainda ajuda na regeneração dos tecidos, acelerando a recuperação do paciente. É um salto inacreditável em comparação aos métodos que temos atualmente.

5 anos

Em meio a tantas informações animadoras, a má notícia é que a cola ainda deve passar por uma série de testes antes mesmo de ir para os testes clínicos. Mesmo assim, o grupo espera que essa técnica substitua os métodos de sutura comuns de vários hospitais dentro dos próximos cinco anos.

No âmbito da Odontologia, e especialmente das cirurgias odontológicas, essa descoberta pode trazer benefícios ao sucesso dos procedimentos – menor tempo de recuperação, diminuição do risco de infecções – e uma consequente maior satisfação mútua para dentistas e pacientes.​

Posted by Victor in Estudos, 0 comments

Novidade: Zirkonzahn lança novos parafusos de selagem

A Zirkonzahn apresentou novos parafusos de selagem para restaurações de parafuso oclusal em zircônia, algo que pode trazer melhorias nos atendimentos odontológicos.

De acordo com a empresa, “as restaurações em zircônia de parafuso oclusal suportadas por implante são frequentemente seladas com algodão e plástico líquido polimerizador na boca do paciente”.

Restaurações em Zircônia

“As restaurações em zircônia já são preparadas no laboratório e, com a ajuda da fresa Zirkonzahn, trazem canais de parafusos roscados, podendo ser posteriormente fechados com parafusos especiais de selagem. Se for necessário remover a restauração, os parafusos de plástico são retirados em pouco tempo, com um extrator fixado na turbina”, acrescenta o representante da empresa.

A Zirkonzahn diz também que “a rosca exerce uma pressão no parafuso do implante dental em sentido contrário, o que assegura estabilidade adicional.”

Dentalis software – em sintonia com as novas tendências em odontologia do século 21

Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Novidade: Escova dental promete limpeza dos dentes em 10 segundos

A Amabrush, primeira escova totalmente automática do mundo, segundo seus fabricantes promete revolucionar a limpeza dos seus dentes. O produto, em fase de captação no Kickstarter, site de financiamento coletivo que apoia ideias empreendedoras ao redor do mundo, garante uma escovação em apenas 10 segundos. A campanha já obteve sucesso e a entrega do produto será feita a partir de dezembro, cada unidade custará aproximadamente R$ 290.

Ainda de acordo com a campanha postada no Kickstarter, o produto é composto por uma escova interna, de material antibacteriano, possui bateria recarregável, peça de mão e cápsulas de pasta de dente. De acordo com os seus idealizadores, a Amabrush cumpre todas as exigências de uma escovação correta: cerdas alinhadas a 45º, que, de forma suave, esfregam os dentes, com uma leve pressão. Ainda faz parte do kit um carregador.

Concorrência

Não é a primeira vez que empreendedores tentam facilitar o ato de escovar os dentes. Em 2013, uma outra escova, a Blizzident, garantia uma limpeza em apenas seis segundos. A diferença para a Amabrush, no entanto, é que exigia um molde, ou seja, cada uma tinha de ser personalizada, única. Essa etapa acabou dificultando o caminho para a empresa. Para ter acesso à Blizzident, o interessado deveria obter um molde de sua arcada dentária, enviá-lo para a empresa, para então receber sua escova personalizada.

Dentalis Software – colabora com o seu sorriso e de seus pacientes

Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Vem aí: Tratamento de Canal revolucionário – uso de novos vasos sanguíneos

Um processo inédito mostrou-se capaz de criar novos vasos sanguíneos nos dentes, o que deverá melhorar radicalmente os tratamentos de canal feitos por milhões de pacientes odontológicos.

Embora os tratamentos de canal sejam eficazes para salvar dentes infectados ou decaídos, o procedimento padrão pode fazer com que os dentes tratados tornem-se quebradiços e suscetíveis à fratura ao longo do tempo.

Isto porque o procedimento atual envolve a remoção de tecidos dentários infectados e sua substituição por biomateriais sintéticos cobertos por uma coroa protetora.

“Este processo elimina o suprimento de sangue e os nervos do dente, tornando-o sem vida e sem qualquer resposta biológica ou mecanismo de defesa. Sem essa funcionalidade, os dentes adultos podem ser perdidos muito mais cedo, o que pode resultar em preocupações muito maiores, como a necessidade de próteses dentárias ou implantes dentários,” descreve o professor Luiz Bertassoni, da Universidade do Oregon (OHSU – EUA).

Como salvar um dente

Para melhorar essa situação, Bertassoni e seus colegas usaram um processo de impressão 3D que eles mesmos haviam desenvolvido anteriormente para criar capilares artificiais – essencialmente criar pequenos vasos sanguíneos em laboratório.

Eles colocaram um molde de fibra feito de moléculas de açúcar através do canal radicular dos dentes e injetaram um material gelatinoso semelhante às proteínas encontradas no corpo, preenchidas com células de polpa dentárias. A seguir a fibra foi removida para criar um microcanal no canal radicular, onde foram inseridas células endoteliais isoladas do revestimento interior dos vasos sanguíneos.

Após sete dias, as células produtoras de dentina proliferaram perto das paredes do dente e os vasos sanguíneos artificiais se formaram em seu interior.

“Este resultado prova que a fabricação de vasos sanguíneos artificiais pode ser uma estratégia altamente eficaz para regenerar completamente a função dos dentes,” disse Bertassoni. “Nós acreditamos que essa descoberta pode mudar a maneira como os tratamentos de canal serão feitos no futuro”.

Posted by Victor in Estudos, 0 comments