sugestões

Dentista: como fidelizar seus pacientes em tempos de Coronavírus

fidelizar seus pacientes

A chegada do coronavírus transformou as nossas vidas de forma radical.
Isso tanto no aspecto pessoal como profissional.

Forçado pelas circunstâncias decorrentes da atual epidemia do novo Coronavírus, a rotina dos atendimentos odontológicos sofreu uma profunda mudança.
Dado o risco de contaminação decorrente que a proximidade paciente e dentista representa para o profissional, os atendimentos em sua maioria tem se restringindo aos atendimentos de emergência.
Sabemos que essa epidemia, assim como uma tempestade, uma hora vai passar. E com o término da crise, você dentista desejará ver o retorno dos seus pacientes ao seu consultório ou clínica, não é mesmo?
As dicas que apresentamos hoje aqui no blog são sobre o que você pode fazer para fidelizar seus pacientes nesses tempos de Coronavírus.
Saber usar esse tempo de isolamento de forma construtiva e criativa é a grande chave para fidelizar seus pacientes.

Como fidelizar seus pacientes

Comunicação com os pacientes

O momento atual é uma oportunidade para você dentista se comunicar com seus pacientes. É uma chance para se levar informações relevantes e de valor para seus clientes.

Canais para comunicação com seus pacientes

Uma comunicação através de uma newsletter, uma vez por semana é uma das formas de se manter esse contato.

Qual tipo de conteúdo pode-se incluir nessas newsletters?

Uma informação fundamental que se pode dar numa primeira newsletter é que, apesar dos atendimentos normais estarem suspensos, continua-se trabalhando.
É importante salientar que, em situações de emergência, o consultório ou clínica encontra-se disponível.
É fundamental também disponibilizar números para contato rápido e agendamento.

Dicas importantes

Pode-se aproveitar esse período para enviar aos clientes dicas com informações sobre higiene bucal, por exemplo.
A sugestão de bons hábitos, formas adequadas de se manter os dentes e gengivas limpas, por exemplo são uma ótima pedida.
Além de garantir a saúde bucal, evita aquelas condições que podem acabar se transformando em emergências odontológicas.
Importante é que a informação seja relevante e ao mesmo tempo interessante.

Aqui no blog Dentalis, você poderá encontrar algumas sugestões de matérias para compartilhar com seus pacientes. Seguem alguns exemplos dessas matérias para sua inspiração:

Hábitos de escovação: ligados à saúde do coração;

Hábitos que podem prejudicar os dentes;

Dieta para uma gengiva saudável;

O isolamento social faz as pessoas permanecerem a maior do tempo dentro de suas casas.
Com isso podem acabar consumindo mais doces e gorduras.
Alertar para os riscos dessas dietas e dar dicas de nutrição e hábitos para manter uma boa saúde mental são sugestões de temas. Manifestar essa preocupação na forma de comunicados simples demonstra interesse pelos seus pacientes e seu bem estar. Além disso, também contribui para fidelizar seus pacientes.

Personalização do conteúdo das mensagens

É simples dar um caráter mais pessoal as suas mensagens. Por exemplo, acrescentar uma foto do dentista chefe e/ou de todos os membros da equipe.
Isso ajuda a criar uma ligação mais forte e a fidelizar seus pacientes.
Outra possibilidade é a de informar aos pacientes como o consultório ou clínica está lidando com a atual epidemia e que o vem fazendo.

É um período em que a maior parte das pessoas se encontram reclusas em seus lares. E dispõe de tempo livre para ler as mensagens que você enviar.

Coloque-se no lugar de seus pacientes

Saber se colocar na posição do paciente nesse momento é muito importante.
Entrar no consultório ou clínica na perspectiva de um paciente. Daí avaliar de forma crítica a disposição das cadeiras e o espaçamento entre elas.
Prestar atenção nas cores da parede da sala de espera e a presença de fotos ou quadros na parede. Buscar perceber aspectos como sobriedade e aconchego proporcionados pelo ambiente.
É tempo de se prestar atenção a detalhes que no dia a dia passam despercebidos.

Faça uma revisão dos conteúdos on line da sua clínica

Como está a presença do seu consultório ou clínica na rede?

Procure ler e rever cada conteúdo como se você fosse um cliente em potencial. Avalie criticamente a abordagem dos assuntos, facilidade de leitura e clareza das informações.
Procure envolver mais pessoas para lhe darem um bom feedback.
Aproveite para revisar e reescrever conteúdos.

Palavras finais

O importante nesse momento é saber aproveitar o tempo livre de forma produtiva.
Buscar nesse período comunicar-se com seus pacientes poderá fazê-los retornar a sua clínica quando essa epidemia passar.
Como diz o famoso dito popular “quem é visto, é lembrado”.
Construir uma relação de lealdade é e sempre será a melhor forma de fidelizar seus pacientes.

 

Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Profilaxia com antibióticos em odontologia

profilaxia com antibióticos

Existe a necessidade de iniciar um protocolo de profilaxia com antibióticos?

Essa é uma dúvida de muitos dentistas no dia a dia de sua atividade profissional.

Antes de responder essa pergunta, precisamos rever alguns conceitos.

As infeções que ocorrem nas estruturas dentárias e periodontais geralmente são localizadas e não apresentam demasiada gravidade.

Porém, em certas circunstâncias, não de pode descartar uma disseminação secundária do foco infeccioso. Se isso acontecer pode acabar atingindo os maxilares e num processo ainda mais grave, o restante do organismo.

Bactérias e microrganismos interferem em muitas das condições relacionadas a doenças que atingem a boca.

Bacteremia

A bacteremia é uma condição caracterizada pela presença de bactérias na corrente sanguínea. Pode ser consequência de processos infecciosos iniciados em tecidos da cavidade oral.

Também pode surgir após a realização de determinados procedimentos e intervenções odontológicas.

Nesses casos a avaliação do dentista é fundamental. Caberá ao profissional, diante de um risco potencial de bacteremia, o início de uma profilaxia com antibióticos.

Profilaxia com antibióticos: o que é exatamente

A profilaxia com antibióticos em odontologia é baseada na administração de antibióticos antes ou depois de um procedimento odontológico.
A finalidade da profilaxia com antibióticos é a de prevenir processos infecciosos, sejam eles locais ou sistêmicos.

Isso preserva a saúde e o bem estar geral do paciente. Uma bacteremia pode ser mais frequente após procedimentos odontológicos ou de uma cirurgia geral. No entanto, processos aparentemente comuns do dia a dia podem esconder um grande risco. Como uma periodontite, por exemplo. A periodontite pode ser o estopim de um processo infeccioso com graves consequências.

De forma geral, a profilaxia com antibióticos é recomendada após procedimentos que envolvam tecidos da gengiva ou da zona periapical dos dentes. Também nas situações que tenham sido realizadas perfurações da mucosa bucal.

Principais tratamentos odontológicos sujeitos a profilaxia com antibióticos:

  • Cirurgias orais: na colocação de implantes dentários e extrações dentais;
  • Tratamentos periodontais: nas raspagens e alisamentos radiculares. Também na manutenção periodontal, sondagem e irrigação subgengival;
  • Endodontia: como no conhecido tratamento de canal;
  • Cirurgia periapical;
  • Intervenções prolongadas: naquelas realizadas com menos de 15 dias de intervalo.

profilaxia com antibióticos

Profilaxia com antibióticos em odontologia: quando é recomendada

De uma forma geral a profilaxia com antibióticos é recomendada nos casos em que o risco de infecção é muito grande durante uma procedimento cirúrgico.
É uma condição que pode variar conforme às peculiaridades da própria intervenção ou mesmo às características particulares do paciente.
É uma decisão que cabe ao dentista e que requer análise adequada. Deve-se levar em conta aspectos como os riscos em razão da intervenção, do dano e da possibilidade do paciente vir a sofrer esse dano.
Apesar de existirem certas situações em que se recomenda a adoção da profilaxia com antibióticos, a escolha e decisão são muito subjetivas.

Profilaxia com antibióticos – quais pacientes mais precisam ser protegidos?

A profilaxia com antibióticos visa obviamente evitar os riscos do surgimento de uma infecção bucal, ou na pior das hipóteses de uma endocardite bacteriana.

Além disso, a disseminação bacteriana também pode acontecer para outros locais do organismo. A profilaxia antibiótica é recomendada para todos os pacientes que apresentem alto risco de infecção por conta do procedimento odontológico.

Seguem alguns exemplos:

  • Aids – doentes e portadores;
  • Artrite reumatoide;
  • Cardiopatia congênita;
  • Diabetes mellitus tipo 1;
  • Endocardite bacteriana histórico de episódio anterior;
  • Imunossupressão decorrente de tratamento com radioterapia;
  • Lúpus eritematoso sistêmico;
  • Pacientes portadores de válvulas cardíacas.

Para os pacientes saudáveis

No caso de pacientes saudáveis, o médico dentista avaliará, em qualquer caso, o risco da intervenção.

A profilaxia com antibióticos, por exemplo, é recomendada nos seguintes procedimentos:

  • Cirurgia de dentes inclusos;
  • Cirurgia periapical;
  • Cirurgia maxilofacial;
  • Cirurgia de tumores benignos;
  • Enxertos ósseos;
  • Implantes dentais.

Profilaxia com antibióticos em diabéticos

Pacientes com diabetes mellitus tipo 1 apresentam riscos maiores de desenvolvimento uma infeção local ou sistêmica durante ou após intervenções odontológicas.

Assim, é importante que o dentista saiba previamente dos problemas endócrinos e metabólicos de seus pacientes. O conhecimento prévio dessas condições e dos cuidados exigidos por este grupo de pacientes também é muito importante.

Os diabéticos geralmente apresentam maior predisposição para o desenvolvimento de patologias periodontais, cárie, xerostomia ou lesões por Candida.

A gengivite e a periodontite podem afetar o controle da glicemia e agravar a doença.

Pacientes diabéticos apresentam uma circulação sanguínea mais lenta. Isso se tem reflexo sobre o transporte de oxigênio e toxinas do organismo.
Por esse motivo, estão mais vulneráveis ao desenvolvimento de um quadro de infeção gengival.

Além disso, um nível elevado de glicose no sangue pode favorecer a proliferação de bactérias. O que pode aumentar as chances de uma bacteremia.
Isso aumenta em muito as chances do aparecimento de complicações na fase posterior de um procedimento odontológico.

Profilaxia com antibióticos em crianças

A maioria das infeções odontológicas que acontecem durante a infância tendem a involuir de forma espontânea.

Os procedimentos odontológicos invasivos em crianças, na maioria dos casos, podem causar uma bacteremia transitória.

Porém, uma higiene bucal deficiente ou insuficiente, assim como o consumo excessivo de doces, podem levar a um aumento do número de bactérias presentes na boca.

Esta situação representa, por exemplo, um maior risco de bacteremia após a realização de procedimentos odontológicos.

O dentista precisa avaliar com muita cautela a indicação de profilaxia antibiótica em crianças. Para tanto, deve considerar os seguintes aspectos:

  • Para os casos de uma exodontia (extração de um dente), uma pulpotomia ou uma endodontia em peças definitivas, o dentista pode não considerar necessário o uso de antibióticos.
    Porém, para crianças imunossuprimidas ou portadoras de qualquer patologia cardíaca, pode ser importante uma profilaxia com antibióticos;
  • Tratamento de doenças periodontais pode exigir o uso de antibióticos;
  • Em pequenos e rápidos traumatismos, a profilaxia antibiótica não é recomendada.
  • Todavia, nos casos em que há danos significativos nos tecidos moles ou dento alveolares, a profilaxia é necessária para evitar uma possível infecção;
  • Para os casos em que a infecção já tenha se espalhado para os espaços faciais fora da cavidade oral. É um sinal claro de o sistema imunológico não está em condições sozinho de interromper esse crescimento.
  • Existem casos em que um procedimento de reabilitação de um dente danificado se apresenta numa região inflamada e onde o paciente relata dor e tem febre. Nesse caso, recomenda-se o uso de antibióticos de forma profilática;
  • Considerar os aspectos gravidade da infeção existente na cavidade bucal e o estado do sistema imune da criança.

Profilaxia com antibióticos em cirurgia bucal

A profilaxia com antibióticos pode ser recomendável nos procedimentos de cirurgia bucal.
A estratégia é criar uma barreira extra aos micro-organismos e assim evitar a sua proliferação e disseminação pelo organismo.
Nos procedimentos de cirurgia bucal, a incidência de infecções felizmente é baixa.
Assim, aos pacientes saudáveis pode ser dispensada a terapia antibiótica profilática.
Em todo caso, essa é uma decisão do profissional e das condições de risco para o paciente.

Na extração de dentes do siso, por exemplo, a profilaxia com antibióticos é recomendada.
Isso é feito para reduzir significativamente a possibilidade da ocorrência de complicações pós-cirúrgicas. Complicações essas como dor, dificuldade de cicatrização, ou inchaço.

No caso dos procedimentos de colocação de implantes dentais, não há evidências que recomendam ou desaconselham o uso de antibióticos. É importante salientar que nesse e em outros casos será avaliação do dentista o elemento de decisão para o início de uma antibioticoterapia preventiva.

Fonte: Dentaleader
Posted by Victor in Dicas, 0 comments

Como garantir o sucesso de uma clínica odontológica

sucesso de uma clínica odontológica

A organização adequada do consultório odontológico é fator decisivo para o sucesso de uma clínica odontológica. Isso não se restringe apenas ao gabinete odontológico, mas também a outros ambientes, como a sala de espera.

Outro aspecto fundamental para o sucesso de uma clínica odontológica é a sua localização. O fator localização é essencial para o crescimento do negócio. Um consultório bem localizado pode ser crucial e determinante do sucesso ou fracasso do empreendimento.

Outro aspecto fundamental para o sucesso de uma clínica odontológica é a organização do espaço interno. Projetar uma área que seja ao mesmo tempo atrativa para o paciente e funcional para os tratamentos realizados é também fundamental.

Seguem algumas sugestões de aspectos essenciais para se garantir o sucesso de uma clínica odontológica.

Sua localização – o primeiro passo para o sucesso de uma clínica odontológica

Deve-se ter em vista locais com grande fluxo de pessoas. Outros fatores essenciais são a facilidade de acesso e a visibilidade da clínica odontológica. Isso para que as pessoas não tenham qualquer dificuldade pra chegar ao consultório. É importante também optar por áreas com pouca concorrência. Ou seja, bairros e ruas com poucos consultórios odontológicos estabelecidos.

Devem ser evitadas áreas muito distantes do grande público ou de difícil acesso. Uma clínica odontológica situada numa área isolada acabará não atraindo muitos clientes.

Divisões internas adequadas

O sucesso de uma clínica odontológica irá depender muito da forma como suas áreas internas estejam devidamente segmentadas.
É fundamental que os ambientes estejam claramente diferenciados. Ou seja, as áreas destinadas à recepção e espera dos pacientes separadas daquela de realização dos procedimentos odontológicos.

Área de recepção

É o cartão de visitas da clínica. Ou seja, é aquela em que se dá as boas vindas ao paciente que busca atendimento odontológico.
É fundamental para o sucesso de uma clínica odontológica que se crie uma boa primeira impressão.

Dois aspectos essenciais a essa área são a organização e a limpeza.

Sala de espera

É uma área que se deve ter o cuidado para os mínimos detalhes. É fundamental que os pacientes se sintam em segurança e confortáveis. Recomenda-se que seja um espaço preferencialmente aberto para facilitar o seu acesso a partir da área de recepção.

Como nos demais ambientes, a decoração deve ser simples e harmoniosa, sem grande sobrecarga. Por exemplo, podem ser colocados quadros relaxantes e uma ou outra planta.

Quanto ao mobiliário, os assentos individuais são os mais recomendados, pois oferecem mais privacidade aos pacientes.

Uma música ambiente suave e relaxante também é altamente recomendável. O que pode tornar o ambiente mais harmonioso.

sucesso de uma clínica odontológica

Gabinete odontológico

É a área de trabalho do dentista. Assim, ela deve ser adequada aos seus gostos e necessidades.
A organização desta área poderá variar conforme o espaço disponível.

No caso de um ambiente amplo, podem ser planejadas unidades fechadas. Assim o paciente irá desfrutar de maior privacidade e segurança.
No entanto, isso poderá implicar em maiores investimentos tendo em vista a necessidade da aquisição de um equipamento para cada sala.

Para o caso de gabinetes abertos ou semiabertos, o investimento necessário será menor.
Isso porque existirão áreas de tratamento e mobiliário em comum com o natural compartilhamento de equipamentos.
No entanto, um ambiente assim tende a ser mais estressante para o paciente.

Salas de apoio

São áreas com acesso restrito aos funcionários e pessoal técnico da clínica odontológica.

Essas áreas podem ser divididas da seguinte forma:

Almoxarifado de materiais

Terá dimensões que poderá variar conforme o tamanho da clínica e da quantidade de pacientes atendidos. Ou seja, pode-se precisar de uma sala maior ou menor para a guarda de materiais odontológicos.
A disponibilização de materiais odontológicos de forma imediata garantirá o início imediato de qualquer tratamento. Além disso, também melhora o fluxo de trabalho e produtividade.

Vestiários

Sempre que possível, é adequado aos consultórios odontológicos dispor de uma sala como vestiário para o pessoal clínico.
Além de garantir maior privacidade aos funcionários, poderá influenciar no desempenho e evitar o risco de contaminações.

Sala de equipamentos

Muito aconselhável seria a existência de uma sala para equipamentos. Esse local poderia servir de abrigo aos compressores que assim ficariam isolados do restante da clínica.

O barulho gerado pelos aparelhos odontológicos é um dos fatores que mais estressa os pacientes. Deve-se fazer o possível para a sua eliminação.

Fonte: Dentaleader
Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

Escova de dentes manual ou elétrica, qual a melhor?

escova de dentes manual ou elétrica

Escova de dentes manual ou elétrica. Qual a melhor?

Escovar os dentes é a base de bons cuidados e prevenção bucal.

Tanto a escova de dentes manual ou elétrica é eficiente na remoção da placa dental bacteriana. Essa placa é a causadora de cáries e doenças bucais. É o que assegura a American Dental Association.

A escova de dentes manual ou elétrica tem suas qualidades próprias. A ADA confere um selo de aceitação tanto para a escova de dentes elétrica ou manual. Desde que sua segurança e eficácia tenham sido comprovadas.

Escova de dentes manual ou elétrica. Afinal, qual a melhor pra você?

Conheça os prós e contras de cada uma e qual pode ser a melhor para você.

escova de dentes manual ou elétrica

Escova de dentes elétrica – Vantagens

As cerdas da escova de dentes elétrica vibram ou giram para ajudar a remover o acúmulo de placa bacteriana dos dentes e gengivas. A vibração permite mais micro-movimentos toda vez  a escova é passada pelos dentes.

Mais eficiente na remoção da placa

As escovas de dentes elétricas diminuem mais placa e gengivite do que as escovas de dentes manuais, segundo muitos trabalhos. Em testes, após três meses de uso, a placa foi reduzida em 21% e a gengivite em 11%. Escovas de dentes oscilantes (rotativas) parecem funcionar melhor do que apenas escovas vibratórias.

Facilitam o trabalho para pessoas com problemas de mobilidade

Escovas de dentes elétricas fazem a maior parte do trabalho para o indivíduo. Podem ser úteis para qualquer pessoas com mobilidade limitada. Especialmente aquelas com limitações relacionadas à artrite do túnel do carpo.

Cronometram o tempo de escovação

A escova de dentes elétrica conta com um cronômetro como parte dela. Assim, ajuda o usuário a escovar os dentes por tempo suficiente para remoção da placa bacteriana dos dentes e gengivas.

Menos desperdício

Quando a escova de dentes apresenta sinais de desgaste, basta a substituição da cabeça da escova de dentes elétrica. Isso evita ter de jogar fora uma escova de dentes inteira, como no caso da manual.

Melhora do foco durante a escovação

Pelo menos um estudo verificou que as pessoas estavam mais focadas ao escovar os dentes usando uma escova de dentes elétrica.

Isso melhorou a experiência geral das pessoas em escovar os dentes. E também poderia melhorar a limpeza dos dentes.

Divertido para crianças

Nem todas as crianças demonstram interesse em escovar os dentes. Uma escova de dentes elétrica pode ser mais atraente para uma criança. Isso pode se reverter em uma melhora da qualidade da higiene dental.

Seguro para as gengivas

Se usada corretamente, uma escova de dentes elétrica não traz nenhum prejuízo à saúde dos dentes ou gengivas. Pelo contrário, pode mesmo melhorar a qualidade da saúde bucal.

Escova de dentes elétrica – Desvantagens

Escovas de dentes elétricas são muito mais caras que as suas versões manuais. Existem vários modelos hoje sendo comercializados em nosso país com uma grande variedade de preços. As cabeças de escovação descartáveis apresentam também um valor elevado.

Encontrar as cabeças de escova de substituição certas nem sempre é tarefa fácil. Isso porque a depender do modelo de escova elétrica, nem todas as lojas irão dispor da cabeça de escovação correspondente.Por isso, sempre é bom manter ao menos uma unidade de cabeça de escovação reserva sempre com o usuário.

Em dois outros estudos – entre idosos, as escovas de dentes elétricas não removeram significativamente mais placas do que as escovas de dentes manuais.

Isso não significa que as escovas de dentes elétricas não funcionem. Porém, pode significar que elas não valham o custo extra.

Escovas elétricas podem ser um problema em viagens internacionais. Isso por conta dos diferentes padrões de tomadas de energia elétrica mundo afora. Nestes casos, uma escova de dentes manual pode ser uma melhor opção.

Escovas de dentes elétricas dependem de eletricidade ou baterias. São assim menos ecológicas que as manuais.

Nem todo mundo consegue se adaptar à da sensação de vibração produzida pelas escovas elétricas. Além disso, as escovas de dentes elétricas estimulam uma maior salivação na boca.

escova de dentes elétrica ou manual

Escova de dentes manual – Vantagens

As escovas de dente manuais existem há muito tempo. Embora não tenham os recursos das escovas elétricas, ainda são uma ferramenta eficaz para limpar os dentes e prevenir a gengivite.

Fácil de encontrar e acessível

Uma escova de dentes manual pode ser encontrada em qualquer mercado, supermercado, farmácia ou drogaria.

Uma escova de dentes manual não precisa ser conectada para funcionar. Pode ser utilizada em qualquer lugar e a qualquer momento.

Baixo preço

De forma geral, as escovas de dentes manual são muito baratas. E custam uma fração do preço de uma escova elétrica.

Escova de dentes manual – Desvantagens

Um estudo verificou que as pessoas eram mais propensas a escovar com muita força ao usarem uma escova de dentes manual quando comparada à elétrica. Escovar com muita força pode prejudicar a gengiva e os dentes.

O uso de uma escova de dentes manual também pode tornar mais difícil saber se a pessoa está escovando o tempo suficiente para cada sessão.

Isso porque não há um contador de tempo embutido.

Importante seria cronometrar o tempo de escovação dos dentes a cada nova sessão.

Para crianças pequenas

A melhor escova de dentes para uma criança é aquela que ela realmente faça uso.

Os especialistas recomendam cerdas macias e uma escova de dentes adaptada à idade da criança.

Nem uma escova de dentes manual ou elétrica é necessariamente a melhor para crianças pequenas. Os mesmos prós e contras de cada tipo que valem para os adultos também se aplicam a crianças.

Crianças pequenas podem usar com segurança uma escova de dentes elétrica por conta própria. No entanto, é recomendável supervisioná-las enquanto escovam os dentes. Isso para garantir que eles cuspam a pasta de dente e não a engulam.

Ao longo da história

As cerdas de náilon, que usamos hoje, foram desenvolvidas em 1938 por Robert Hutson, nos Estados Unidos. Com o sucesso do novo modelo, muitos formatos foram testados desde então. Hoje, sabe-se que o mais indicado é usar escova com fibras ultramacias com mais de cinco mil cerdas, o que permite que a higiene seja feita sem desgastar o esmalte dental ou machucar as gengivas.

Curiosidade

Recentemente foi anunciado o lançamento de uma escova dental que promete limpar os dentes em apenas 10 segundos.

Afinal: escolho uma escova de dentes elétrica ou manual

A questão chave é saber se você se sente mais à vontade com uma escova de dentes manual ou elétrica.

Se você se sentir mais confortável ao usar uma escova de dentes manual, continue usando uma. Mais do que o modelo escolhido, o fundamental é a frequência, tempo e qualidade da escovação dental. Isso sim fará toda a diferença.

Fontes: Healthline, Terra
Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

Dentista com dores nas costas? Saiba o que fazer

Dentista com dores nas costasDentista com dores nas costas? Algo bem comum no seu dia a dia, não é mesmo? A questão é como prevenir e aliviar essas dores. Elas podem ter várias origens e razões, mas aquela que mais incomoda é a dor de todos os dias. Aquela relacionada à atividade do trabalho.
E tenha a certeza, o seu trabalho pode ser uma das causas mais prováveis, sem que muitas vezes você não se aperceba disto.

De acordo com um estudo publicado em 2016 pela North American Spine Society (NASS), foram apontadas as profissões que mais riscos acarretam para a sua coluna. A odontologia faz parte deste rol de profissões.

O tema dores nas costas já foi destaque em um post anterior aqui do blog Dentalis. Já neste outro artigo a má postura é relacionada aos erros posturais  do dentista no exercício da profissão.

Dores nas costas: mais comum do que se pode imaginar

Na área odontológica, muitos procedimentos exigem movimentos corporais de torção e estática por longos períodos de tempo. Pesquisas sugerem que dores nas costas dos dentistas, pescoço e ombros são comuns, e são causadas principalmente devido às posturas de trabalho, o design dos equipamentos e a duração do procedimentos. Não são apenas os dentistas já formados que sofrem com dores nas costas. Muitos estudantes de odontologia já padecem do mesmo problema.

Manter o corpo debruçado e torto sobre um paciente por horas e horas durante anos exige muitos dos músculos. Quando a cabeça, tronco e pescoço estão debruçados para um lado, o lado dos músculos que estão sendo usados se tornam menores e mais fortes, enquanto o outro lado fica esticado e mais fraco, provocando um desequilíbrio na musculatura.

Para evitar o problema, seguem algumas atitudes e cuidados que podem ser tomadas pelo dentista com dores nas costas para prevenção e alívio da dor.

Prevenção do Transtorno do Pescoço, Ombro e Costas

Recomendações ergonômicas para minimizar os riscos de lesões nas costas se concentram em melhorar a postura de trabalho e o design do equipamento. Medidas simples que o dentista com dores nas costas pode tomar para prevenir e aliviar essas dores:

  1. Mudar Postura – Alternar entre sentar e levantar para reduzir a fadiga postural e maximizar a variedade postural, o que ajuda a reduzir a fadiga muscular estática.
  2. Use Suporte – Quando sentado ou em pé, não se incline para a frente ou incline-se em uma postura sem suporte por períodos prolongados. Se você estiver sentado, sente-se ereto ou recline ligeiramente em uma cadeira com bom suporte para as costas e use um bom apoio para os pés, se necessário. Se você estiver em pé por períodos prolongados, tente encontrar algo para ajudá-lo a se apoiar.
  3. Alcance seguro – Evite ter que alcançar desajeitadamente o equipamento e trabalhe próximo ao paciente. Mantenha os itens usados ​​com mais frequência a uma distância de cerca de meio metro no máximo. Use assistentes para ajudar a posicionar o equipamentos e materiais para esta área.
  4. Postura normal do braço – Mantenha os cotovelos e a parte superior dos braços perto do corpo e não levante e tensione os ombros quando estiver trabalhando. Além disso, certifique-se de que as posturas das mãos não sejam desviadas, pois isso pode levar a problemas no pulso.
  5. Use Equipamentos Confortáveis ​​- Use equipamentos que não sejam muito pesados, que possam ser usados ​​sem a postura da parte superior do corpo, e que pareçam confortáveis ​​de usar. Equipamentos projetados ergonomicamente ajudam a minimizar as tensões nas extremidades superiores e nas costas.
  6. Gerencie o tempo – Evite consultas longas sempre que possível, ou intercale-as com intervalos curtos de descanso nos quais você muda de postura e relaxa as extremidades superiores.
  7. Alongue-se – Alguns exercícios e alongamentos básicos para fazer no consultório podem mudar drasticamente sua rotina e produtividade. Abaixo, seguem alguns exemplos.

Como aliviar as dores nas costas dos dentistas

Dentista com dores nas costas? Dica importante para encontrar o alívio

Em todas as idas à academia, os instrutores enfatizam a importância do alongamento.
O que muitas pessoas não percebem é que devem se alongar durante o dia todo. É fundamental se a rotina de trabalho exigir muito do pescoço, costas e os ombros por longos períodos de tempo.

Os dentistas e sua equipe se enquadram nessa categoria e devem se alongar regularmente ao longo do dia. É uma estratégia rápida e eficiente de como encontrar alívio para essas dores.

Veja cinco alongamentos simples para ajudar sua equipe a começar

  • Alongamento do pescoço: puxe gentilmente a cabeça em direção ao ombro e segure por três respirações profundas. Então, repita isso do outro lado.
  • Alongamento do quadril: Deite-se de costas no chão, cruze o tornozelo sobre o joelho. Puxe as pernas em direção ao peito. Segure por três respirações profundas. Então, repita o mesmo do outro lado.
  • Torção da coluna vertebral: Sente-se de pernas cruzadas no chão e gire suavemente para o lado. Mantenha por três respirações profundas, depois gire para o outro lado e repita.
  • Pose da criança: Este não é mais apenas para os iogues. Deite-se de bruços com os joelhos dobrados debaixo de você e os braços estendidos à sua frente. Coloque as palmas das mãos no chão. Você deve sentir um alongamento dos ombros até a parte inferior das costas. Mantenha essa posição por três respirações profundas.
  • Alongamento das costas: Deite-se de costas no chão, traga os joelhos até o peito. Até sentir um alongamento na parte inferior das costas. Mantenha esta posição por três respirações profundas.

Tipos de dores nas costas

Um dentista com dores nas costas pode se perguntar: de onde vem essas dores? Primeiro precisamos falar um pouco sobre os tipos de dor.

A dor nas costas que vem de repente e dura não mais do que seis semanas (aguda). Pode ser causada por uma queda ou trabalho pesado. Dor nas costas que dura mais de três meses (crônica) é menos comum que a dor aguda. As dores relacionadas ao exercício profissional são as que mais se enquadram no segundo caso. As causas são muitas vezes pouco consideradas. A dúvida que permanece é como encontrar uma solução para o dentista com dores nas costas.

Sendo ou não decorrente do exercício profissional, a dor nas costas, muitas vezes se desenvolve sem uma causa que possa ser identificada facilmente. Vamos às possibilidades:

As condições comumente relacionadas à dor nas costas

  • Tensão muscular: O trabalho pesado repetido ou um movimento súbito e desajeitado podem esticar os músculos das costas. O mesmo pode ocorrer com os ligamentos da coluna vertebral. Uma tensão constante nas costas pode causar espasmos musculares dolorosos;
  • Discos vertebrais: Discos agem como almofadas entre os ossos (vértebras) da coluna. O material macio dentro de um disco pode inchar ou romper e pressionar um nervo. No entanto, você pode ter um disco protuberante ou rompido sem dor nas costas. A doença de disco é frequentemente encontrada incidentalmente em imagens de raios-X da coluna por algum outro motivo;
  • Artrite: A osteoartrite pode afetar a parte inferior das costas. Em alguns casos, a artrite na coluna pode levar a um estreitamento do espaço ao redor da medula espinhal. Esta é uma condição chamada de estenose espinhal;
  • Irregularidades esqueléticas: Uma condição na qual sua coluna se curva para o lado (escoliose). Esta condição com dores geralmente não acontece até a meia-idade;
  • Osteoporose: As vértebras da coluna podem desenvolver fraturas por compressão se os ossos se tornarem porosos e quebradiços.

Buscamos apresentar as principais causas, formas de prevenção e sugestões que possam responder à pergunta inicial: Como aliviar as dores nas costas dos dentistas.

Dentalis Software – colabora com o seu sorriso e de seus pacientes

Fontes: Dentistry, spine universe, mouthingoff, Mayo Clinic

 

Posted by Victor in Dicas, Estudos, 0 comments

Alimentos funcionais que não podem faltar em 2016

alimentos funcionaisAlimentos funcionais que não podem faltar no ano de 2016
 
Neste post do último dia do ano deixo com todos uma lista com sugestões de alimentos funcionais que não podem faltar no ano novo que está chegando:
 
1) Água:
Substância fundamental para a manutenção da vida. Com propriedade solvente, transporta nutrientes, auxilia na eliminação de substancias tóxicas, compõe o sangue, regula a temperatura do corpo e facilita reações químicas. A água é obtida também pela ingestão de alimentos.
Quantidade recomendada:
8 copos ao dia ou 1ml para cada Kcal ingerida.
 
2) Suco de Uva:
Têm potenciais antioxidantes que atuam na proteção das estruturas celulares contra as reações de peroxidação lipídica, devido ao seu alto conteúdo fenólico.   Diversos antioxidantes contêm catequina, epicatequina, resveratrol e proantocianidinas. O efeito dessas substâncias se deve à varredura dos radicais livres e à inibição da oxidação das gorduras e da agregação plaquetária, além do efeito de relaxamento dos vasos.
Quantidade recomendada:
Dois copos de suco de uva ao dia.
 
3) Chá:
Camomila, erva-doce, erva-cidreira e Hibisco possuem fitoquímicos com ação anti-inflamatória da mucosa gástrica e protegem contra a oxidação de LDL-colesterol. Apresentam relação inversa entre consumo de catequinas e o risco de doenças cardiovasculares.
Quantidade recomendada:
De 4 a 6 xícaras ao dia.
 
4) Frutas oleaginosas e sementes:
Castanha do Pará, amêndoas, avelãs, nozes, sementes de girassol, abóbora e linhaça fornecem gorduras monoinsaturadas, com fonte de antioxidante fenólico – resveratrol – na semente e na casca e têm ação anti-inflamatória, além de reduzir o colesterol. Contêm minerais como selênio, manganês e magnésio, que ajudam a reduzir o colesterol, auxiliando também na prevenção das doenças coronarianas. Um aminoácido encontrado nesses alimentos é a arginina. Ela prevene doenças cardiovasculares, reduzindo a agregação plaquetária e dilatando os vasos sanguíneos, pela liberação do óxido nítrico.
Quantidade recomendada:
2 unidades por dia
 
5) Hortaliças Brássicas:
Brócolis, couve flor, couve manteiga, couve de Bruxelas, agrião, rabanete, repolho, mostarda e rúcula contêm compostos que auxiliam na eliminação de toxinas e na prevenção de doenças como câncer.
Quantidade recomendada:
Diariamente 1 porção
 
6) Frutas vermelhas:
Uvas, cerejas, mirtilo, amora, açaí são ricos em antioxidantes e compostos anti-inflamatórios.
Quantidade recomendada:
Diariamente 1 porção
 
7) Gengibre:
É rico em fitoquímicos, com ação anti-inflamatória, nas doenças músculo-esqueléticas, incluindo o reumatismo e depressão.
Quantidade recomendada:
Diariamente pedaço pequeno
 
8) Sucos detoxificantes _ Verde:
Os sucos detoxificantes (com a composição abaixo) têm propriedades antioxidantes, que favorecem o trânsito intestinal e ajudam na sensação de saciedade; são termogênicos e diuréticos. Seus compostos bioativos agem no organismo prevenindo ou amenizando o aparecimento de doenças crônicas, por meio da ação dos antioxidantes  – que evitam a formação de radicais livres que levam ao envelhecimento e morte precoce de nossas células.
Quantidade recomendada:
Diariamente 1 copo duplo em jejum
Suco verde
2 maçãs
2 folhas de couve (sem o talo)
1 cenoura média
1 talo de salsão
1 talo de aipo
1 c sopa cheia de gengibre ralado
200 ml água e gelo
 
Mais alguns itens considerados imprescindíveis:
 
1) Pó de linhaça:
Também denominado de Lignanasuas. Suas propriedades mais importantes são: A) Modulação da enzima 5-alfa-redutase, esta atua na testosterona convertendo-a em 5 dihidroxitestosterona (5-DHT) a qual possui porte atração pelas células prostáticas contribuindo para hiperplasia prostática (aumento da próstata)
B) Modulação da enzima aromatase – esta converte a testosterona em estrógenos
C) Modulação da enzima tirosina quinase – esta é precursora das mitoses celulares inadequadas favorecendo processos de angiogenesis (câncer)
 2) Uva:
Rica em resveratrol, antioxidante mais estudado e que ajuda a combater os processos de aterogenese por inibir o LDL oxidado.
3) Maçã:
Aumenta a produção do ácido salicílico, que possui propriedades antiagregantes. É rica em polifenois, que funcionam como antioxidantes na modulação das gorduras, principalmente evitando a oxidação do colesterol além de modular os processos inflamatórios.
4) Alho:
Rico em alicina. Tem potente ação antibiótica,  o que protege o organismo contra processos infecciosos por bactérias e fungos.
5) Açaí:
Fruta com maior potencial antioxidante contra o ânio superóxido (potente vasoconstritor do endotélio). Contém 1614 unidades de SOD (super oxido desmutase – potente antioxidante) por grama de alimento.
6) Inhame:
Um estudo (Estrogenic effect of yam ingestion in healthy postmenopausal Women 2005) provou que o consumo de 390 g por dia de inhame (1 colher grande de servir no almoço e outra no jantar) por 30 dias em mulheres na pós-menopausa resultou em um aumento de 26% nos níveis de estrona, 27% nos níveis de estradiol e 9,5% nos níveis de SHBG (proteína transportadora de hormônios sexuais). Além disso obsbervou-se uma redução de 37% estrógeno ruim (16-alfa-hidroxiestrona – favorece câncer de mama)
7) Salmão:
Rico em omega 3, gordura polinssaturada que possui diversas propriedades benéficas para o organismo:  
modulação das respostas inflamatórias pois inibe as prostaglandinas E2 (ação inflamatória) e aumenta prostaglandinas E3 (ação antinflamatoria)
ação vasodilatadora, o que ajuda a combater a hipertensão arterial
evita a agregação plaquetária nas artérias
8) Brócolis:
Um estudo (Study of multiple biomarkes for metabolismo and oxidative stress after one-week intake of broccoli sprouts 2004) mostrou que o consumo de 100 g/dia de brócolis por 1 semana reduz significativamente o estresse oxidativo por reduzir os níveis urinários de 8OHdG – produto do dano oxidativo ao DNA que esta relacionado ao câncer de cólon, mama, reto e próstata.
9) Castanha do Pará:
Rica em selênio, que é fundamental para produção de Glutationa, potente antioxidante produzido em nosso organismo e que atua combatendo os radicais livres e na prevenção de diversos tipos de câncer. O selênio é fundamental ainda para conversão do hormônio T4 em T3, este último é o hormônio mais ativo produzido pela glândula tireoide. A má funcionalidade da glândula está relacionada à diminuição do metabolismo basal, o que favorece o aumento de peso por acumulo de gordura.
10) Farelo de aveia ou grão de chia:
Ricos em pectina, uma fibra solúvel capaz de melhorar o transporte e a passagem do bolo alimentar pelo trato gastrintestinal favorecendo uma melhora na absorção dos alimentos pelo sistema digestivo, além de contribuir para a eliminação dos elementos tóxicos presentes nos alimentos industrializados. Eles ainda têm ação anti-constipação, diminuição da absorção do colesterol presente nos alimentos pelo sistema digestivo. Combatem hemorróidas e controlam a velocidade de açúcar dos alimentos no sangue favorecendo o controle do hormônio insulina.
 
Um Feliz 2016 a todos!
Posted by Victor in Dicas, 0 comments