Uso contínuo do Paracetamol pode trazer prejuízos à função cognitiva

paracetamol
Se o seu paciente é uma daquelas pessoas que costuma tomar Paracetamol para absolutamente qualquer tipo de dor, independentemente de sua intensidade, uma nova pesquisa traz informações que poderão convencê-lo a mudar de ideia.
 
Segundo estudo conduzido pela Universidade de Toronto, no Canadá, a ingestão do Paracetamol e de outros medicamentos que o tenham como parte de seu princípio ativo pode prejudicar a capacidade do indivíduo de identificar erros e tomar decisões.
 
O mais preocupante, apontam os cientistas, é que o efeito colateral da substância dificilmente é percebido pelos pacientes, o que pode levar a uma falsa sensação de normalidade.
 
Vale lembrar que, apesar de este ser o primeiro estudo a apontar disfunções cognitivas decorrentes do uso do remédio, outras pesquisas já constataram que doses excessivas dele podem causar danos ao fígado.

Experimento com Paracetamol

Para checar os efeitos do paracetamol, os pesquisadores conduziram um experimento com 62 voluntários. Metade do grupo ingeriu 1.000 miligramas (dose normal máxima recomendada) do medicamento, enquanto o restante tomou apenas um placebo.
Enquanto eram monitorados por um eletrocefalograma, todos os participantes foram orientados a realizar a seguinte tarefa: apertar um botão sempre que a letra F aparecesse em uma tela. Caso o painel mostrasse a letra E, eles não deveriam pressioná-lo.
 
O resultado foi surpreendente. O grupo ao qual a substância foi ministrada não apenas apertou mais vezes o botão diante da letra E, como também deixou passar em branco uma série de letras F.
 
O estudo, publicado no Journal Social Cognitive and Affective Neuroscience, sugere que a droga tem mais efeitos do que simplesmente combater a dor e pode ter consequências inesperadas na rotina do paciente.
 
A pesquisa utilizou um número pequeno de usuários e novos estudos certamente serão realizados para que se possa transformar o que hoje é uma suspeita em certeza, aplicando-se o rigor da metologia científica.
 
De forma prática, o que hoje já sabemos é que o uso por tempo limitado do Paracetamol seguindo as posologias usuais – como acontece na odontologia – não apresenta riscos para o fígado do paciente (a não ser em casos de comprometimento prévio desse órgão), e muito provavelmente também não trará riscos para a saúde cognitiva do indivíduo como o trabalho científico demonstrou.
 
Esse estudo pode ser acessado neste endereço.

Deixe uma resposta