Uso de antibióticos em procedimentos odontológicos ligados à infecção por superbactéria

Uma nova pesquisa concluiu que a prescrição desnecessária de antibióticos por dentistas pode desempenhar um papel importante nos casos de Clostridium difficile, uma infecção grave e potencialmente fatal que causa diarreia grave. Os pesquisadores que realizaram o estudo apresentaram suas conclusões no IDWeek 2017, realizado de 4 a 8 de outubro, em San Diego, salientando a importância do uso de antimicrobianos apenas quando necessário.

O Estudo

Os pesquisadores, do Departamento de Saúde de Minnesota (MDH), focaram em cinco municípios dentro do estado. Em entrevistas com 1.626 pessoas com a associação comunitária C. difficile entre 2009 e 2015, 57% relataram ter sido prescrito antibióticos, 15% dos quais receberam para procedimentos odontológicos. O estudo achou que os pacientes para os quais que foram prescritos antibióticos para procedimentos odontológicos tenderam a ser mais velho e mais propensos a receber clindamicina, um antibiótico que é associado com infecção por C. difficile. Daqueles que haviam recebido antibióticos para procedimentos odontológicos, 34 por cento não tinham nenhuma menção de antibióticos em seus prontuários.

“Os dentistas têm sido negligentes como uma fonte de prescrição de antibióticos, o que potencialmente pode atrasar o tratamento quando os médicos estão tentando determinar o que está causando a doença do paciente,” disse a Dra. Stacy Holzbauer, principal autora do estudo e profissional de campo de epidemiologia funcionária dos Centers for Disease Control and Prevention (CDC) e MDH. “É importante educar os dentistas sobre as potenciais complicações da prescrição de antibióticos, incluindo C. difficile. Dentistas prescreveram mais de 24,5 milhões de prescrições de antibióticos por ano. É essencial que eles sejam incluídos nos esforços para melhorar a prescrição de antibióticos”, acrescentou.

Recomendação

Alguns dentistas prescrevem antibióticos antes do tratamento para evitar a infecção do coração em pacientes com condições cardiovasculares ou para evitar uma infecção outra; no entanto, a American Dental Association (ADA) recomenda não mais se fazer a prescrição de antibióticos de forma preventiva na maioria dos casos, como se fazia até recentemente. Recomendações atuais notam que o risco de se tomar antibióticos – tais como o desenvolvimento de C. difficile – é maior do que o risco de uma infecção nesses casos. Além disso, o uso inadequado de antibióticos ajuda a alimentar no desenvolvimento de bactérias resistentes aos medicamentos, que são muito difíceis de tratar.

“A pesquisa mostrou que a redução de prescrição de antibióticos ambulatorial em 10 por cento poderia reduzir as taxas de C. diff fora de hospitais em 17 por cento”, disse Holzbauer. “Limitar o uso inadequado de antibióticos em odontologia também pode ter um impacto profundo”, disse ela.

A C. difficile pode ocorrer depois de apenas uma dose de antibióticos e é uma das três ameaças mais urgentes e mais resistentes aos antibióticos identificadas. Causa quase meio milhão de infecções e leva a 15.000 mortes em um único ano, nos EUA, de acordo com estimativas do CDC.

Em um estudo anterior, conduzido pelo MDH, verificou-se que 36% dos dentistas prescrevem antibióticos em situações em que este não é geralmente recomendado pela ADA. Além disso, relataram que os dentistas tinham desafios na tomada de decisões de prescrição de antibióticos apropriados, incluindo confusão sobre ou percebido conflitos entre diretrizes de prescrição.

A IDWeek é uma reunião conjunta da Sociedade Americana de Doenças Infecciosas, Sociedade para a Assistência Médica de Epidemiologia da América, Associação Médica de HIV e Sociedade Pediátrica de Doenças Infecciosas.

Dentalis Software – a sua melhor escolha em software para odontologia

Deixe uma resposta